Ministério Público ajuíza ação contra ex-governadores

O Ministério Público Estadual concedeu nesta segunda-feira (24) entrevista coletiva à imprensa, para divulgar a ação de improbidade ajuizada contra os ex-governadores Antônio Waldez Góes da Silva e Pedro Paulo Dias de Carvalho, referente aos valores de consignações, que não estavam sendo repassados às entidades financeiras, no período de novembro de 2009 a dezembro de 2010.

 

A Mesa formada pelo subprocurador para Assuntos Institucionais e Administrativos, Márcio Augusto Alves, e os promotores de Justiça Afonso Guimarães, André Luiz Araújo e Alexandre Flávio Monteiro, declarou que a Comissão Especial, conseguiu identificar que R$ 68 milhões deixaram de ser repassados para quatro instituições financeiras, no fim do ano de 2009 e 2010. “O Governo recolhia esses valores, para depois repassar aos bancos, funcionando como mero intermediário, já que essa verba era descontada nos contracheques dos servidores públicos”, frisou o promotor de Justiça Afonso Guimarães.

 

Segundo o promotor de Justiça, Alexandre Monteiro, as investigações começaram depois de denúncias feitas na Promotoria de Amapá, por duas professoras que tinham, em seus contracheques, o desconto de consignado. “De acordo com as informações prestadas pela Secretaria de Planejamento, o prejuízo pelo não repasse da verba destinada ao consignado totaliza mais de seis milhões de reais, sendo que o atual governador teve que arcar com essa dívida”, acentua o promotor.

 

Além dos ex-governadores Waldez Góes e Pedro Paulo Dias, a ação também foi ajuizada contra três ex-secretários de Planejamento, acusados de peculato, Haroldo Victor de Azevedo Santos, Sebastião Rosa Máximo e Nelson Américo de Moraes. “Lembrando que esse dinheiro nem pertencia ao Estado e sim aos servidores que pagavam o consignado. Esse valores são referentes ao prejuízo causado a quatro instituições financeiras”, complementa o promotor de Justiça André Luiz Araújo ao responder às perguntas da imprensa.

 

O promotor Afonso Guimarães informou que “existem várias ações por danos morais de pessoas que estiveram com seu nome negativado, por causa do não repasse da consignação. Diante do prejuízo causado, os dois ex-governadores irão responder solidariamente pela improbidade administrativa”.

 

Os membros frisaram à imprensa presente que o Ministério Público requereu liminarmente a indisponibilidade dos bens dos ex-gestores, para garantir o ressarcimento ao erário

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá

  • Considerando que no próximo ano ocorrem as eleições municipais, é muito oportuna a ação do ministério publico no sentido de provocar e cobrar a punição de políticos, cuja biografia mancharam a história do Amapá. Dada nossa heterogeneidade e imaturidade social, infelizmente, é muito fácil manipular uma massa cuja principal referência ainda é mídia, e não a educação e cidadania.
    Embora reconheça a importância da iniciativa do MP, precisamos ser mais agressivos no sentido de acabar com a impunidade que impera no país,e em especial no Amapá.

  • O MP tem mais é que requerer o bloqueio da conta desses bandidos. Só ajuizar ação não resolve nada. Eles têm que devolver todo o erário roubado.

    Caso isso não seja feito, não se vale de nada. A corrupção vai continuar imperando nesse Estado.

  • Parabéns ao Ministério Público, agora falta também ajuizar mais outra ação referente ao dinheiro repassado pelo Banco do Brasil ao estado para implantação do plano de saúde dos funcionarios públicos!

  • Fico feliz com a ação e com a divulgação. Vejo o MP mais atuante com a entrada da Procuradora Geral de Justiça Dra. Ivana – MP cumprindo seu papel institucional e tem que divulgar mesmo, o povo precisa saber.

  • eis a razão ,so sei que sei ,que a dr. cei,vai fazendo aprte della,o que nos esperamos é que esses,saúvas do dinheiro público,sejam penalisados,vamos esperar,sentado pra não cansar,eta vida boa……………………….sombrá e água fresca,e rindo de nois, a justiça aida é sega,o $ da cabeça deles e maior.triste e ilariante,eles estão apitos eleger-se e surupiar denovo.ai ´[e fo/

    • Penso que vc não tem a mínima condição de opinar (minha opinião). O MP é um dos poços sem fundo que temos que sustentar com o vergonhoso AUXÍLIO MORADIA a quem tem residência própria a mais de 20 anos.
      ESSE É O NOSSO VERDADEIRO BRASIL!!

      Ouvi hoje um radialista (que se diz jornalista) comemorando a anulação de parte do inquérito da PF contra essa corrupção toda. Fiquei triste porque vejo que essas são as pessoas que tentam ( e as vezes conseguem) orientar a opinião pública.

  • Faça-me o favor, me explica o por que de ele não terem feito nada durante todos este período (nem vem com mudança de gestão).
    Quero saber por que o MP se calou diante da Assembléia Legislativa recentemente a respeito da super mega hiper verba indenizatória de nossos ilustríssimos representades estaduais.

  • O Ministério Público, como fiscal da lei e representante da sociedade cumpre o seu papel. A ‘Operação Mãos Limpas”, começou no MP estadual, que denunciou a existência de ilícitos praticados com recursos federais. O problema está nos tribunais,onde falta coragem para punir “colarinhos brancos”.

  • Vivemos no país do faz de conta, a grande maioria faz de conta de fiscaliza, a justiça faz de conta que pune alguem, e vamos vivendo no faz de conta.

  • PARABÉNS MP. ESPERO QUE NÃO FIQUE SÓ NO PAPEL. COBRAREMOS RESPOSTA AFINAL É PARA ISSO QUE PAGAMOS SEUS SALÁRIOS. FAÇAM CUMPRIR SEU PAPEL INSTITUCIONAL, CONFORME CONSTA NA CF/88.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *