• O pouco que entendo de engenharia devo ao Edson. Tive que aprender muito com ele para fazer as licitações de obras do TRE. Tudo dentro da técnica e da legalidade. Abraço!

  • Conheci o Edson este ano e fiquei bem impressionado com o trabalho dele no SETRAP. Ele ama o que faz e estou satisfeito de ter conhecido o seu trabalho de perto.

  • A partir de uma discussão um tanto acalorada, conquistei uma das amizades que mais prezo em tempos de auto exílio e distanciamento em relação a amizades e certas coisas desse mundo. O Edson – Jaburana para os mais chegados como eu – é literalmente Valente, obstinado, idealista e convicto em suas idéias e argumentos, além de consistente na defesa daquilo que pensa. Profissional competente e como ser humano melhor ainda, é um conhecedor profundo do meio em que atua e do ambiente político no qual milita, com leituras e interpretações muito lúcidas e originais do contexto que temos vivenciado nesses últimos anos.Inteligente, sagaz, é um exímio tirador de sarro, obviamente sem o ônus da ofensa pessoal. Imortal da ABBBA – Academia Brasileira do Bebedores do Bar do Abel juntamente com contemporâneos tais, como: Ruben Bemerguy, Paulinho Siri (Teu Siri, ó frasco), Sérgio La Rocque, Cabral (Babal), Gersu(liano) Pinto, Jucicleber Castro (Chico) Castro, Cabeça, Cleyton (Cientista), Paulino Cruz, Dr. José Antonio, Luís Banha,Getúlio & Edvar (in memorian), Waldecy, Vilson, Beto Barbosa, entre outros. Perspicaz em relação à minha linha de pesquisa histórica, presenteou-me com o oportuno, “Dossiê Hiltler” (Eberle & Uhl. Ed. Record. RJ – SP)em cujo conteúdo pude aprofundar-me em questões acerca do Totalitarismo, Nazi Fascismo, Segunda Grande Guerra, Holocausto de uma forma isenta, sem demonizar, como se procede de costume, o ditador alemão, e, nem tampouco humanizá-lo, mas, à luz de um texto denso, tenso e elucidativo em suas entrelinhas, entender as circunstâncias e meandros do poder, dos discursos ideológicos e da máquina de destruição em que regimes tidos como redentores se transformam, por meio da exclusão social, supressão das liberdades e genocídio com requintes de crueldade, sadismo e perversão. Assim, essa turma brinca, ouve músicas de qualidade, discute com equilíbrio e solidêz na argumentação e no raciocínio, além da sacanagem altamente pertinente, a começar das piadas do Paulinho e seu reperttório interminável, tudo às vistas do nosso Magnífico Reitor, o “Seu” Abel. Grande beijo no teu coração e na tu alma meu amigo e sigamos juntos nessa estrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *