MP-AP alega tese de homicídio com dolo eventual em acidente de trânsito e Júri condena réu a mais de 9 anos de prisão

Durante sessão de julgamento do Tribunal do Júri, realizado nesta quinta-feira (5), no Fórum de Santana, foi acatada à tese de acusação postulada pelo Ministério Público do Amapá (MP-AP), representado no ato, pela promotora de Justiça Clarisse Alcântara, que requereu a condenação do réu pelo crime de homicídio doloso, praticado na direção de veículo automotor, ocorrido em 2012.

A sessão foi presidida pela juíza Lívia Simone de Freitas Cardoso, da 2ª Vara Criminal de Santana, que analisou o processo, no qual, a promotora de Justiça, advogado de defesa e testemunhas foram ouvidas.

No ato, Clarisse Alcantara representou a 2º Promotoria de Justiça Criminal e Tribunal do Júri de Santana. “O acolhimento da tese apresentada pelo MP nos deixa felizes. A sociedade não aceita mais essa violência no trânsito e a Justiça de nosso Estado cumpriu seu papel”, salientou a promotora.

O crime

Em 10 de novembro de 2012, por volta das 3h30, no cruzamento da Avenida Dom Pedro com a Rua Adálvaro Cavalcante, no município de Santana, o réu, que conduzia um automóvel corsa, avançou intencionalmente a preferencial e atingiu outro veículo, uma pick-up Strada. Com a colisão, duas pessoas morreram e outras quatro ficaram lesionadas.

Além da condenação de 9 anos e 6 meses, em regime inicialmente fechado, o réu foi sentenciado a perda de cargo público no município de Santana.

SERVIÇO:
Elton Tavares
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá