Deputadas Cristina Almeida (PSB), Marília Góes(PDT) e Sandra Ohana(PP), em sessão na Assembléia Legislativa na terça-feira, deram mostras de como será o clima do debate político dessa legislatura pós HARMONIA.

Na votação de um requerimento do deputado Michel JK em relação a saúde,  a deputada Cristina Almeida, líder do governo na Assembléia Legislativa, votou a favor do requerimento, mas lembrou as suas excelências que o governo anterior deixou a secretaria de Saúde praticamente sem contratos de fornecimento de serviços e medicamentos, e que os gestores do governo anterior foram presos, comprometendo o final da gestão e consequentemente o início do novo governo.

PraQuê?

A deputada Marília Góes, ex-primeira dama do estado, respondeu dizendo que foi presa, mas não foi julgada. Mandou que a deputada Cristina fosse estudar, e colocou o senador Capiberibe e a deputada Janete no debate, dizendo que eles, sim, foram cassados.

Rá! Cristina Almeida disse a Marília: “Deputada, eu estudei sim. Viajava três dias no navio comandante Idalino pra cursar universidade em Belém. O meu diploma não é comprado. E posso não ter tantos conhecimentos jurídicos quanto a senhora, mas a senhora foi presa sim, e sua prisão foi legal”.

Eita.

Na mesma sessão, a deputada Sandra Ohana criticou Cristina Almeida, como líder do governo da Assembléia Legislativa, pelas críticas de Cristina a demora da mesa diretora para colocar em votação o projeto do governo de contratos administrativos. Sandra disse que é da base do governo e quer os votos da mesa ao projeto. E em momento deselegância falou que “não sabia onde o governador Camilo estava com a cabeça ao colocar Cristina Almeida como líder do governo”.

A sessão foi tensa.

Mas ninguém pense que a deputada Cristina Almeida por ser calma e educada leva desaforo pra casa, que ela não leva não.