20 ANOS DE SENTINELA NORTENTE

Renivaldo Costa, jornalista

Em 1989, há 20 anos, o mundo passava por grandes mudanças. Na Europa caía o Muro de Berlim, que durante décadas dividiu as duas Alemanhas. No Brasil, Sarney preparava-se para sair do governo e vencia as eleições presidenciais um político alagoano chamado Fernando Collor. Na Amazônia, surgia uma música diferente. No Pará, Nilson Chaves, Vital Lima e outros músicos difundiam suas letras e rimas, compostas sob o olhar atento do homem que quer a metrópole, mas não ignora o ribeirinho.

No meio dessas mudanças, evidencia-se a poesia de dois jovens músicos. Poesia porque faziam muito mais do que letras e rimas. Grande, aliás, é a resistência em aceitar a letra de música como poesia. Alguns críticos já traçaram listas de fatores que manifestam a diferença entre essas duas artes. E, embora, Manuel Bandeira já tenha dito “que por maiores que sejam as afinidades entre duas artes, sempre as separa uma espécie de abismo”, recorremos à tradição e à história da poesia, que é marcada e acompanhada pela música.

O mesmo Manuel Bandeira também disse “que a poesia está em tudo – tanto nos amores como nos chinelos, tanto nas coisas lógicas como nas disparatadas”. E o poeta Osmar Júnior se embebeu dessa idéia e encontrou a poesia em fatos corriqueiros, em coisas banais, em encontros e desencontros, e procurou levar para a música regional as inquietações do cotidiano dos jovens, os dramas de uma época pós-ditadura, as alegrias, dores e conflitos, conciliando o pessoal com os acontecimentos da época.

Como intérprete de seus manifestos, Osmar Júnior elegeu Amadeu Cavalcante, músico que já se destacava na noite amapaense. Surgia então, o “Sentinela Nortente”, o compacto que representou o grande suspiro da música regional. Sob a influência dos ritmos caribenhos, da salsa, do merengue, e também do brega e da toada, Osmar Júnior compôs clássicos do cancioneiro regional, como “Coração tropical”, “Tajá” e a própria música tema do disco.

“Sentinela Nortente” foi o primeiro registro fonográfico do Movimento Costa Norte, que se desenhava naquele momento. Foi tão importante que motivou outros artistas, como Zé Miguel e Val Milhomem, a também lançarem seus LPs.

O disco é, em termos históricos, sociológicos, estéticos, filosóficos, um repositório do universo sócio-cultural que Osmar Junior tão brilhantemente captou e Amadeu Cavalcante soube interpretar com maestria.

Nos 20 anos de lançamento do disco Sentinela Nortente, o show de Osmar Junior e Amadeu Cavalcante, que vai acontecer nos dias 28 e 29 de dezembro, relembra as lutas e as vitórias para a consecução de um sonho, que transformou a história da música popular amapaense.

Foto: Daniel de Andrade
Foto: Daniel de Andrade
  • Na minha opinião, ainda não nasceu aqui no Amapá um melhor “casamento musical” que este. Amadeu e Osmar, proporcionaram-nos grandes momentos com a ousadia e coragem para romper paradigmas à época.

  • Belo texto, retrata fielmente o inicio desde movimento, nascido pós-ditatura, com certeza o mais importante movimento musical surgido nesta capital, depois enveredado por bandeiras politicas, como tudo neste estado, os politicos conseguem distoar, o viés politico calou os melhores sentinentos desse movimento, é impossivel separar a poesia que acaba nossas florestas do dono do motosserra, nunca mais surgiu letras tão contudentes, o movimento não cabe nos dias de hoje, era o sentimento da época, encontrado somente nos nossos sonhos, pois a musica de hoje, não pode desagradar os donos do poder, e nossos nobres artitas desejam sobreviver, mais estarei, como estive no laçamento do LP, nesse grande show!

  • Tive o privilégio de estar no lançamento do Lp Sentinela Nortente, naquela noite de dezembro de 1989 no Trem Desportivo Clube. Parece que foi ontem… , o mundo passando por profundas mudanças,a campanha do Lula,nossa linda juventude e, tudo iso, embalado por um rítmo completamente diferente de tudo que eu conhecia. Foi apaixonante e continua sendo até hoje.São vinte anos de fidelidade ao Movimento Costa Norte e que venham muitas outras décadas.
    Parabéns Osmar e Amadeu pela parceria e obrigada a todos que nos proporcionam essas maravilhas cantadas.

  • era muito fã do osmar como compositor porque como cantor o mesmo tem uma voz de lata, mais acabeide jogar todos os seus discos no lixo, recentemente este cantor tupuniquim e desconhecido no brasil acaba de se declarar defensor do Sarney no jornal Diario do Amapá o mesmo diz que vai fazer um xou em defesa do Sarney acho que ele tem mais que fazer mesmo acabou de pegar mais de duzentos mil do Governo Waldez como é que não defenfe o Sarney….xo Sarney Xô Osmar Junior.Carater tem o Zé Miguel que não se vendeu….Osmar Junior pelo amor de Deus tenha pena dos nossos ouvidos por favor não abra a boca pra cantar….

  • Nós, amapaenses, temos sorte de ter dois grandes poetas como Osmar Junior e Amadeu Cavaltante. O show “Sentinela Nortente” no teatro das bacabeiras foi maravilhoso. Foi uma grande oportunidade de, por um momento, relembrarmos parte da história cultural da nossa terra. Realmente foi emocionante, fantástico! Parabéns aos artistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *