DENÚNCIA

A coligação Unidade Popular denuncia a prática abusiva utilizada por assessores da Secretaria de Estado da Educação, na tentativa de investigar a vida funcional do candidato Clécio 50, que é professor do estado, concursado desde 1996, lotado no Centro de Ensino Profissionalizante do Amapá – CEPA a partir do ano de 2010.

 

A senhora Ana Célia R. da Silva, chefe da UREE/NIOE/SEED, acompanhada de mais duas pessoas, se dirigiu ao CEPA, no início da tarde do último dia 10, sem nenhum documento que justificasse sua atitude, e assediou a secretária escolar para que fornecesse a pasta funcional do professor Clécio Luís Vieira Vilhena, candidato a prefeito pela coligação Unidade Popular.

 

Diante da recusa da funcionária, Ana Célia digitou um requerimento sumário, não amparado por nenhum processo administrativo ou portaria, relacionando os documentos que levaria em seguida para fins não explicados. Essa não é uma prática de rotina, usual, muito menos legal adotada no serviço público.

 

O abuso de autoridade de Ana Célia foi motivado pela denúncia caluniosa veiculada no programa do candidato Roberto Góes, de que Clécio teria recebido valores indevidos no mês de julho.

 

O professor Clécio Luís ministrou aulas no CEPA normalmente até sua adesão à greve dos professores do estado. No mês de julho deste ano, Clécio recebeu apenas R$ 350,76 (trezentos e cinquenta reais e setenta e seis centavos) líquidos, conforme seu contracheque verdadeiro, que encaminhamos em anexo. Todos os descontos, inclusive da regência de classe, determinados pelo governo do estado para punir os grevistas, constam no contracheque.

 

No dia 05 de julho, Clécio se desincompatibilizou da função de professor para concorrer à prefeitura de Macapá, conforme determina a Lei Eleitoral. De acordo com a legislação brasileira, o professor concursado que concorre a cargo eletivo não perde o direito de receber seus proventos integrais.

 

A ação caluniosa do candidato Roberto Góes em seu programa de televisão, e o abuso de autoridade da funcionária da SEED, demonstram claramente que os adversários de Clécio, PDT e PSB, atuam na mesma direção, qual seja a de criar factoides para tentar enlamear sua imagem pública e barrar seu evidente crescimento na preferência do eleitorado.

 

Coligação Unidade Popular

  • Percebe-se que os professores do Estado ganham bem e que essa greve da categoria é política. Uma remuneração de R$ 5.475,01 é a mesma de um tenente da PM que tem 10 anos de casa. E ainda há muito professor que apóia o 12, justamente a quadrilha que, segundo a PF, roubou o FUNDEB e FUNDEF, fundos da educação.

    • Que isto mano, tá delirando.Sou PSB desde o útero,mas nesta vou discordar de vc e ficar ao lado da classe de educadores,pq o Camilo não tá pagando nem o piso que é direito dos professores.Meu querido governador pisou na bola feio nesta questão e por isto não terá meu voto,sou pelo bem estar do povo,dos trabalhadores,portanto……,voto pelo “novo”.

      • Continua pisando, pq foi eleito para ser governador do Estado do Amapá (de todos, portanto) e na propaganda política de sua candidata, ele aparece a seu lado dizendo que vai apoiá-la em todas as suas propostas, do que se depreende que se o eleito for outro candidato, este vai comer o pão que o diabo amassou. Que é isso? Cadê o respeito à vontade popular!

    • Nessa vc aloprou, pois um professor em início de carreira não ganha isso nem com doutorado e dedicação excluviva na UEAP. vc tá louco?! Não falou nem de piso! Os professores em geral ganham mal mesmo… Compare com as demais categorias…vc vai entender o motivo da luta dos professores. Concordo com a lutas dos professores, pois não sou idiota, mas a forma na condução deste luta não está muito clara e transparente como deveria ser. Mas a luta é justa.

    • QUE COMPARAÇÃO ESDRÚXULA COMPANHEIRO, PM E PROFESSOR; E O PIOR, VC ACHA QUE O PM TEM QUE GANHAR MAIS QUE O PROFESSOR,QUE HORROR, RUY BARBOSA DEVE TÁ SE CONTORCENDO NO TÚMULO AO OUVIR ISSO, POIS DIZIA HÁ MUITO TEMPO, “DEBAIXO DE UM QUEPE NÃO FLORESCE GRANDES INTELIGÊNCIAS”.

  • primeiro não sei quem esta fazendo esta defesa, mas seja quem for,esta tentando enganar os leitores deste blog, uma vez que pelo contra cheque o sr clecio recebeu sim os proventos 100%, apenas houve descontos totais em seus vencimentos não sabemos o motivo, mas pode ser por “falta” motivado pela greve concluo então que o mesmo recebeu regencia de classe indevida.obrigado

  • Meu pai me contou que na canpanha de 2008 onde camilo era o candidato contra o pessoal la da papuda, as praticas eram agredir,inventa ,calunia e peseguir agora como bom alunos fazem o mesmo que pena fico triste ao ver aqueles que meus avos falavam que eram do bem se transformaram para o mau!

  • Eu sou professora, não entrei em greve, não participo de nenhum partido político, pois não dependo de nenhum,graças à Deus!, e não ganho isso não, é bem menos, e põe bem menos nisso. Se professor nesse estado ganhasse esse valor, com certeza, não entraria em greve.

  • Um tema interessante seria a discussão sobre distribuição de renda em nosso país. Como exemplo tipifico quanto ganha um Deputado Estadual. VERBA INDENIZATÓRIA + SALARIO + VERBA DE GABINETE E OUTRAS COSITAS MAIS = R$ 100.000,0 (cem mil reais) ou mais ou menos, não sei o valor total. E ainda tem candidato falando … em honestidade, preocupado com o povo, falando em parceria, etc….

  • Adelmo Caxias
    13 de setembro de 2012 às 12:43

    Para quem condena tanto o regime militar, é de se estranhar. Pelo menos naquele tempo os órgãoS tinham nome: DOI-CODI, DOPS, ASI, SNI. E agora?
    Amigos, vamos fazer uma eleição limpa, escolhendo aquele que tem a melhor proposta e que seja ficha limpa no seu conceito e não do que dizem por aí. O povo já amadureceu e não vai votar baseado em fofocas. Não sou advogado de nenhum candidato e nem filiado a partido político algum, mas essa política já doi no ouvido. O candidato a prefeito deve trabalhar a cidade como se fosse sua casa, onde as feiras representam a cozinha, que deve estar sempre limpa e higienizada; as praças representam as salas de visitas; as ruas os corredores da casa, onde não pode haver barreiras ou empecilhos para atrapalhar a circulação das pessoas, especialmente idosos e deficientes físicos, dando-se prioridade aoo cinturão rodoviário da cidade e dos bairros porque nele á transportada a maioria da população, o povão, aquele que elege. Tem tanta coisa para se preocupar e as picuinhas ainda são levantadas. Isso decorre de falta de proposta POR FAVOR VAMOS ELEVAR O NÍVEL, até porque o círculo contra a corrupção e a bandalheira na condução da coisa pública está fechando. Acredito que ser político não mais vai ser meio de ficar rico, mas, sim de empobrecer!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Fica claro que o salário da maioria dos professores é um pouco superior ao piso salarial reivindicado pelo Sinsepeap.
    Não vejo nenhum problema o Prof. Clécio receber seus vencimentos de professor.
    Entendo que o professor Clécio está exercendo um mandato político de vereador e que portanto o seu licenciamento das atividades de professor seria normal e garantido por lei.
    Ademais, vamos discutir propostas para a cidade de Macapá e deixar as picuinhas de lado.

Deixe um comentário para elson souza Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *