Superintendente da SVS, Dorinaldo Malafaia, confirma 3ª dose para idosos acima de 70 anos, a partir de 15 de Setembro

 

Em entrevista ao Luiz Melo nesta segunda-feira, 30, o Superintendente da Vigilância em Saúde do Estado, Dorinaldo Malafaia informou que o Ministério da Saúde liberou a dose de reforço da vacina contra a Covid-19 para todos os idosos acima de de 70 anos, a partir de 15 de setembro.

A decisão é do Ministério da Saúde, que vai encaminhar as doses específicas para esse público. A vacinação começa no dia 15 de setembro.

Segundo Malafaia, a 3ª dose (ou 2ª para quem tomou dose única), deverá ser administrada 6 meses após a última dose do esquema vacinal.

Dorinaldo explicou ainda que: a vacina é eficaz e já diminuiu bastante o número de casos graves e óbitos por Covid-19. “No entanto, segundo o Ministério da Saúde, a população acima de 70 anos continua sendo mais vulnerável ao vírus. Também estão inclusas nesse reforço pessoas com alto imunocomprometimento, como pacientes de hemodiálise, em quimioterapia e outras imunodeficiências graves”, explicou.

O Ministério da Saúde definiu que a dose de reforço será feita, preferencialmente com imunizantes que atuem através da tecnologia de RNA mensageiro, ou seja, a Pfizer, ou então, de maneira alternativa, com as vacinas que atuam através de vetor viral, como a Jansen ou Astrazeneca.

As doses de vacina serão disponibilizadas para esta dose de reforço, com o público alvo mencionado, conforme o envio das remessas de doses pelo Ministério da Saúde.

 

A lista de pessoas consideradas com alta imunossupressão, são:

– imunodeficiência primária grave;

– quimioterapia para câncer;

– transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) em uso de drogas imunossupressoras;

– pessoas vivendo com HIV/Aids CD4 < 200 céls/mm3;

– uso de corticoides em dose > ou igual a 20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por período igual ou maior que 14 dias;

– uso de drogas modificadoras da resposta imune;

– pacientes em hemodiálise;

– pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas (reumatológicas, auto inflamatórias, doenças intestinais inflamatórias).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.