Pelo Amapá: A Cachoeira Grande

Foto: Aydano Fonseca, no portal G1.

 

Conhecido como Cachoeira grande, o lugar na verdade é uma corredeira fantástica, um belo cartão postal do município de Amapá, e bem próximo ao município de Calçoene, o lugar tem atraído cada vez mais visitantes, principalmente os amapaenses que pouco conhecem o interior do Estado.

Um lugar bom para pescar e fazer acampamento, e principalmente para tomar banho, a água é  limpa, e no período mais seco a queda da corredeira fica  melhor ainda, como se fosse um “banho de cachoeira”.

O lugar conta com restaurantes e até mesmo uma pousada, porém o serviço desses lugares ainda é precário. A dica é levar alguns mantimentos para aproveitar o lugar, e também recolher seu lixo e preservar esse ambiente tão bonito.

Infelizmente, na última vez que visitei o lugar, estava tomado por maus frequentadores que espalham seu lixo pelo balneário.

 

 

  • A Cachoeira Grande que conheci, há 34 anos atrás, era de uma beleza cênica impressionante, especialmente nos meses de setembro e outubro, quando as águas estavam em seu menor nível. Para lá íamos, com vários amigos, acampar nas areias afloradas, onde armávamos nossas barracas e passávamos belos fins de semana, pescando e nos divertindo com a beleza do lugar.
    Durante esse tempo, fui mais algumas vezes, vendo a ocupação desordenada tomar conta do lugar. A sanha imobiliária é impressionante, o desejo de se apropriar de áreas que devem ser preservadas, para os presentes e suas futuras gerações, é incontrolável.
    Estive esse final de semana, 18 e 19/07, na Cachoeira Grande e me surpreendi com o desordenamento ocupacional, não tendo mais espaço sequer para se caminhar entre as construções e a areia da cachoeira, com o barulho noturno irracional, uma completa poluição sonora.
    Me recordo que em principio da década de 80 a CEA encomendou estudos para implantação de PCH’s(PEQUENAS CENTRAIS HIDROELÉTRICAS), em vários pontos do Amapá. A Cachoeira Grande era um deles. Ali teria um aproveitamento de 2.4 MW.
    Eu e muitos amigos sempre fomos contra esse aproveitamento. Seria muito pouca energia gerada para a destruição de uma beleza tão grande.
    Ontem, revendo esse filme, em minha cabeça, decidi que vou encampar uma campanha para recomeçar os estudos para construção dessa PCH. Afinal de contas para que preservar essa beleza, se o homem não tem o minimo cuidado com ela?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *