Polícia Civil do Amapá realiza a maior apreensão de drogas na história do estado

A ação é fruto dos trabalhos de investigação criminal da Polícia Civil de Macapá

Em mais uma ação do Governo do Amapá contra grupos criminosos, a Polícia Civil realizou nesta sexta-feira, 21, a maior apreensão de drogas da história do estado. Foram 218 quilos de entorpecentes, arma de fogo, munições e um carregador apreendidos em Laranjal do Jari. A articulação, que já estava sendo monitorada pelos agentes há quase sete meses, tinha como principal entrada, o Porto de Santana.

Segundo o delegado responsável pela operação, Estéfano Santos, a rota foi alterada para o município de Laranjal do Jari, e após a movimentação do indivíduo, identificado pelos agentes como o responsável pelo transporte da droga, conseguiram efetuar a apreensão.

“A abordagem foi feita no exato momento em que ele desembarcou da balsa e pisou em Laranjal do Jari. Foram apreendidos 218 quilos de skank, conhecido como ‘super maconha’. Também apreendemos uma arma de fogo, calibre 9 milímetros, de uso restrito”, relatou o delegado.

A ação é fruto dos trabalhos de investigação criminal da Polícia Civil de Macapá e contou com apoio da Delegacia de Laranjal do Jari. O transporte dos entorpecentes do município para a capital foi realizado pelo Grupamento Tático Aéreo (GTA).

Operação Télos

Ainda na sexta-feira, o Departamento de Polícia do Interior deflagrou a “Operação Télos”, que aconteceu simultaneamente nos municípios de Oiapoque, Calçoene, Amapá, Tartarugalzinho, Porto Grande, Serra do Navio, Laranjal do Jari, Vitória do Jari, Cutias do Araguari e Mazagão.

Foram cumpridos 20 mandados judiciais, sendo 15 de busca e apreensão domiciliar e cinco de prisões preventivas. Ao todo, foram efetuadas 14 prisões, dessas 9 pessoas foram presas em flagrante. A polícia apreendeu ainda drogas, mais de 30 celulares, cerca de R$ 10 mil em espécie, uma arma de fogo e munições.

“Hoje foi um dia histórico para o povo do Amapá. A Polícia Civil atuou na prisão de pessoas, apreensão de drogas, dinheiros e armas em dez municípios e simultâneo a isso, realizou através a maior apreensão de drogas do estado, o que só reforça o nosso compromisso com a segurança pública no Amapá”, ressaltou o delegado-geral da Polícia Civil, Cézar Vieira.

Governo do Amapá retoma ‘Proerd Pé na Estrada’ para levar prevenção às drogas nas escolas de todo o estado

Coordenada pela Polícia Militar, a iniciativa será itinerante e é mais uma proposta do Plano de Governo da gestão sendo cumprida.

A ampliação do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), desenvolvido pela Polícia Militar nas escolas da rede pública e particular de ensino, integra as políticas de segurança do Plano de Governo da gestão do governador Clécio Luís. Em 2024, a iniciativa volta a ser itinerante com o “Proerd Pé na Estrada”, que vai percorrer todos os municípios do Amapá.

O programa, que não chega ao interior do estado há 11 anos, retorna para aproximar as comunidades dos 16 municípios, das forças de segurança, levando projetos sociais e iniciativas educacionais a jovens, para que sejam multiplicadores de conhecimentos na construção de uma sociedade mais justa.

O Proerd tem as ações direcionadas para toda comunidade escolar e, de forma especial, também aos pais e responsáveis dos alunos, promovendo a reflexão sobre a importância da família como primeiro ambiente de prevenção.

De acordo com o coordenador do programa, major Alex Sandro Chaves, o “Proerd Pé na Estrada” atuou apenas em 2013. Este ano, Laranjal do Jari deve ser a primeira cidade a receber os monitores, com ação prevista para o dia 1º de abril.

“O Proerd Pé na Estrada é a aplicação das mesmas lições que damos aqui em Macapá, mas, agora também no interior. Serão dez lições aplicadas às crianças. Estamos voltando, e, certamente, a sensação é muito boa. Temos esta tarefa dada pelo Governo do Amapá e pelo comando-geral e vamos cumprir e levar o Proerd aos 16 municípios”, garantiu o major.

Neste primeiro momento, a maioria dos monitores são policiais da Diretoria de Ação Social e Cidadania da PM, e de alguns batalhões da capital. O major Alex Sandro antecipa que uma nova capacitação vai qualificar outros agentes da segurança para atender ainda mais crianças e adolescentes.

“Teremos um curso em setembro deste ano, que pretendemos formar alguns policiais que já atuam no interior. Estamos há 4 anos sem essa capacitação para instrutor do Proerd, e fizemos uma força-tarefa para este retorno e contamos com o apoio da Secretaria de Justiça e Segurança Pública [Sejusp]”, reforçou o coordenador.

Saiba como funciona o Proerd

Normalmente, a aplicação do programa é feita dentro da sala de aula para turmas de 5ª ano da rede pública de ensino, sempre acompanhadas pelo professor da classe. As escolas são selecionadas conforme solicitação das mesmas e a necessidade detectada pela coordenação do estabelecimento de ensino.

O Proerd conta com um total de 10 encontros, totalizando 10 horas/aula, durante um semestre letivo. Em específico no “Pé na Estrada”, o atendimento será feito no decorrer de uma semana, sendo duas horas por dia, sempre finalizando com a formatura das turmas.

Proerd

O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência é desenvolvido em parceria com as polícias militares e escolas, com o objetivo de prevenir o uso de drogas e a prática da violência entre crianças e adolescentes. O programa foi criado nos Estados Unidos em 1983 e chegou ao Brasil em 1992.

No Amapá foi implantado em 2002 e já atendeu mais de 135 mil alunos de 5 a 12 anos, das séries iniciais até o 5º ano das escolas das redes pública e particular de ensino.

Forças de Segurança do Amapá retiram mais de 500 armas de fogo de circulação em um ano

Revólveres e pistolas foram os qarmamentos mais encontrados, com 343 dispositivos apreendidos em 2023.

Com as estratégias de integração e investimentos do Governo do Amapá na Segurança Pública, o trabalho ostensivo, preventivo e de investigação das Forças de Segurança em 2023 resultou na apreensão de 539 armas de fogo em todo o estado. O número corresponde a um aumento de 34,42%, comparado ao ano anterior, quando foram recolhidas 404 armas de fogo.

Os dados foram compilados pela Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). O maior número de apreensões foi de revólveres e pistolas, armas definidas como de porte, que são as que podem ser carregadas junto ao corpo. Ao todo, foram 343 dispositivos retirados de circulação.

“Foi registrado um número elevado de homicídios em 2022 e a retirada dessas armas, que são o principal instrumento para a prática desses crimes, assim como os de latrocínio e roubo, foi uma das medidas adotadas pela Segurança Pública, para o combate à violência. Focamos nisso no ano passado e já começamos a obter resultados. Em 2024 não será diferente”, reforça o secretário de Segurança Pública, José Neto.

O município com maior registro de apreensões, de acordo com a Sejusp, foi Macapá com 276 armas. Nas demais cidades amapaenses, houve registro de apreensão de pelo menos uma arma de fogo em cada município, de acordo com o levantamento.

Confira as apreensões realizadas em 2023:

  • 211 revólveres;
  • 132 pistolas;
  • 32 armas artesanais;
  • 127 espingardas;
  • 1 rifle;
  • 1 fuzil;
  • 1 garrucha;
  • 7 carabinas;
  • 27 outras armas não especificadas nos registros de apreensões.

Ações ostensivas e integradas

Nas ações de combate aos grupos criminosos, cerca de 20 operações foram deflagradas durante o último ano. Entre as de destaque estão as operações integradas Paz, Hórus, além da operação “Mute”, que aconteceu no Instituto de Administração Penitenciária (Iapen). Todas as atividades foram realizadas através das parcerias firmadas pelo Governo do Amapá com o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Nas operações Hórus e Paz foram utilizados mais de 2,7 mil agentes públicos. Enquanto nas ruas, os agentes abordaram mais de 34 mil pessoas e 15 mil veículos, através de 1,4 mil barreiras estratégicas montadas.

As atividades ostensivas contribuíram para a apreensão de 82 armas de fogo do total recolhido em 2023. As investidas também resultaram na retirada de mais de 2,2 mil porções de drogas e mais de 70 quilos de entorpecentes das ruas.

Ainda como parte das atribuições táticas, foram realizadas 267 prisões e cumpridos 179 mandados diversos. Dentro das delegacias, foram 261 Boletins de Ocorrências (BOs) gerados e mais de 3,6 inquéritos concluídos.

As ações contaram com efetivos das polícias Militar, Civil, Científica, além do apoio do Grupo Tático Aéreo (GTA).

Trabalho investigativo e de inteligência 

O aumento do quantitativo de apreensões de armas de fogo passa, também, pelo trabalho investigativo realizado pelas delegacias, além do trabalho conjunto da Coordenadoria de Inteligência e Operações (Ciop/Sejusp), integrada com os setores de inteligência das forças de segurança.

Segundo a Sejusp, as investigações desencadeiam as ações operacionais organizadas em pontos estratégicos mapeados e monitorados para o combate ao cometimento de crimes.

“A Ciop trabalhou juntamente com a Diretoria de Inteligência da Polícia Militar, com o Núcleo de Operações Inteligência da Polícia Civil, atuando de forma integrada e coordenada para, de fato, identificar quem estava portando essas armas, direcionando as operações para retirar esses equipamentos das ruas”, explicou José Neto.

Governo do Amapá reforça parceria com o Ministério da Justiça e inicia ‘Operação Protetor da Fronteira’

Iniciativa está inserida no Programa Nacional de Enfrentamento às Organizações Criminosas.

Como parte das políticas de proteção ao cidadão e combate à criminalidade no Amapá, o Governo do Estado reforçou a parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública e iniciou a “Operação Protetor da Fronteira”. A iniciativa segue os mesmos padrões da Operação Hórus e Paz  e intensifica o trabalho policial nas fronteiras do Brasil.

A operação está inserida no Programa Nacional de Enfrentamento às Organizações Criminosas, da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp/MJ). O objetivo é manter o policiamento ostensivo e preventivo para as regiões de fronteira com outros países e divisas com outros estados, além de ações de inteligência, investigação, repressão e prevenção às ocorrências de mortes violentas intencionais, com maior presença das forças de segurança nessas áreas do Amapá.

“Já iniciamos a operação Protetor da Fronteira em nosso estado, que contempla especificamente, pela localização, Oiapoque, Calçoene, Pedra Branca e Laranjal do Jari. Santana, apesar de não ser um município fronteiriço, permanece com as ações preventivas e ostensivas na cidade, assim como a capital, Macapá”, detalhou José Neto, secretário de Estado da Segurança Pública.

Esta ano as operações ganham ainda o reforço tecnológico, com o uso de drones, adquiridos através dos alinhamentos diretos do governador Clécio Luís junto ao Governo Federal, que já foram colocados em operação tática durante as festas de fim de ano.

No Amapá, citado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública em exercício, Ricardo Cappelli, como um exemplo do trabalho conjunto das forças de segurança, as investidas para as operações de 2024 seguem com as mesmas estratégias de integração.

A expectativa, de acordo com o secretário José Neto, é que a Operação Paz esteja ativa novamente em fevereiro. “Para este ano, estamos com o mesmo empenho das equipes e aguardamos, a partir de fevereiro, o retorno da Operação Paz. Importante contar com esse reforço que tem um reflexo direto, principalmente na segurança da população”, informou o gestor.

Além das instituições operacionais e investigativas, as operações contam com o apoio do Grupo Tático Aéreo (GTA) e da Coordenadoria de Inteligência e Operações (Ciop), interligadas a outros setores de inteligência das instituições vinculadas à Secretaria de Segurança.

Para o coordenador estadual das operações no Amapá, coronel Costa Júnior, um dos destaques dos trabalhos foi a diminuição dos incidentes violentos no município de Santana, que gerou preocupação das autoridades no final de 2022 e início de 2023, quando apresentou números elevados de mortes.

“Logo no início das operações, nós tínhamos Santana como o município mais violento do estado. Com as tratativas entre o Governo do Estado e o Governo Federal, no sentido de aplicar a operação Hórus em Santana, conseguimos diminuir a violência naquela cidade. A gestão administrativa trouxe resultados positivos, pois potencializou as operações que já eram executadas e, com isso, os índices criminais foram reduzindo”, avaliou o coordenador.

Balanço

Para fechar o ciclo das operações Hórus e Paz no Amapá, a Sejusp apresentou também nesta segunda-feira, 8, um balanço final das atuações conjuntas no decorrer de 2023. Foram utilizados mais de 2,7 mil agentes públicos, com o pagamento de mais de R$ 7 milhões em diárias de serviço extra remunerado.

Nas ruas foram realizadas em torno de 34 mil abordagens policiais e montadas mais de 1,4 mil barreiras estratégicas, o que representou a abordagem de mais de 15 mil veículos.

As operações contribuíram ainda com a apreensão de 82 armas de fogo, das 539 apreendidas durante todo o ano de 2023 pelas forças policiais. Outra investida importante dos trabalhos foi a retirada de mais de 2,2 mil porções e mais de 70 quilos de entorpecentes do tráfico de drogas.

Ainda como parte das atribuições táticas, foram realizadas 267 prisões e cumpridos 179 mandados diversos. Dentro das delegacias, foram 261 Boletins de Ocorrências (BOs) gerados e mais de 3,6 inquéritos concluídos.

“Tivemos o cumprimento de uma demanda reprimida dos inquéritos que estavam ainda pendentes de conclusão. Foram 3.693 procedimentos concluídos com indiciamento, com representações preventivas, cautelares e demais procedimentos. Enfim, um ganho muito grande que vamos trazer para 2024, com uma eficiência ainda maior, com reforço, com integração e com a política de segurança pública focada realmente no resultado”, avaliou Cezar Vieira, delegado-geral de Polícia Civil.

Uma ferramenta importante, que pela primeira vez foi incluída em operações federais no estado, e que contribuiu para os dados apresentados foi o trabalho pericial da Polícia Científica do Amapá (PCA), que realizou mais de 400 análises no âmbito da Hórus e Paz.

“Sempre demos suporte aos trabalhos das nossas forças, mas a inclusão de servidores com pagamentos de diárias, integrada às outras instituições, foi a primeira vez. Pudemos realizar mais de 400 perícias. Lembrando que essas perícias tiveram desdobramentos, então é um trabalho constante e minucioso até a emissão dos laudos que são encaminhadas a Polícia Civil para a conclusão do inquérito, por exemplo, dando a resposta positiva que a sociedade merece”, avaliou Marcos Ferreira, diretor-presidente da Polícia Científica.

Governo do Amapá com ações integradas de defesa social não registra ocorrências graves durante festas de fim de ano

O forte esquema de segurança garantiu o bem-estar da população em 4 dias de eventos públicos promovidos em todo o estado.

Com segurança garantida, o público amapaense participou efetivamente dos eventos realizados pelo Governo do Amapá e prefeituras neste fim de ano. Durante as festividades, nenhuma ocorrência considerada grave foi registrada em todo o estado, segundo dados da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), divulgados nesta quinta-feira, 4. Vale destacar que somente em Macapá, mais de 300 mil pessoas participaram dos shows realizados na capital.

O levantamento demonstra a efetividade do forte esquema de segurança montado pelo Estado, que contou com cerca de 4 mil agentes de defesa da sociedade, que atuaram de forma integrada no policiamento e socorro, durante o período de 29 de dezembro de 2023 a 1º de janeiro de 2024.

“O trabalho foi extremamente satisfatório e exitoso com todo o planejamento realizado. Não tivemos registros de nenhuma ocorrência de gravidade durante os eventos. Não houve sequer, acionamento via 190, o que demonstra que, de fato, a estratégia foi muito bem realizada e executada”, informou José Neto, secretário de Justiça e Segurança Pública.

O planejamento para o fim de ano englobou todos os órgãos de defesa, destacando os efetivos necessários para cada evento, garantindo a preservação da integridade das pessoas durante as festividades públicas.

O trabalho conjunto preservou ainda o policiamento ordinário, que permaneceu nas áreas de atuação, em todos os bairros das cidades do Amapá, sendo reforçado, pela atuação de efetivo destacado em escala extraordinária e pelos agentes empenhados nas operações Hórus e Paz.

Outras estratégias utilizadas pelos agentes de segurança foi o uso de profissionais específicos dos setores de inteligência infiltrados no meio do público para averiguar, com rapidez, possíveis ocorrências além da utilização de drones.

Seis equipamentos geraram imagens que foram captadas pela Central de Monitoramento montada dentro do Centro Integrado de Defesa Social (Ciodes), onde foram analisadas em tempo real por profissionais do Instituto de Administração Penitenciária, da Coordenadoria de Monitoramento Eletrônico (CME/Iapen).

A vigilância aérea ficou atenta a possíveis suspeitos, foragidos da Justiça ou apenados cumprindo pena com o uso de tornozeleira eletrônica fora do horário estabelecido.

“Uma novidade desse ano foi o monitoramento eletrônico em cada um dos locais de evento com auxílio do Iapen. Além disso, também fizemos o uso intenso dos drones. Usamos essa tecnologia que nos auxiliou muito no policiamento, na distribuição dos policiais e na realização de abordagens. O serviço planejado pela segurança conseguiu garantir a tranquilidade e a segurança das pessoas de bem e das famílias que quiseram se divertir”, argumentou José Neto.

Governo do Estado adere ao Plano Amas de segurança pública e combate contra crimes ambientais na Amazônia

Clécio Luís destacou que o Plano Amas vai fortalecer a estrutura de órgãos como Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar

Como resultado da cooperação entre as esferas públicas para a proteção do meio ambiente, o Governo do Estado aderiu ao Plano Amazônia: Segurança e Soberania (Plano Amas), do Governo Federal. A assinatura ocorreu durante o 26º Fórum de Governadores da Amazônia Legal, em Manaus, e contou com a participação do governador Clécio Luís.

“Com essa adesão feita junto ao Ministério de Justiça e Segurança, através do ministro Flávio Dino, o Estado vai conseguir adquirir equipamentos como helicópteros, viaturas e armamento. Além de deslocar pessoal para combater o crime na Amazônia. O enfoque maior são crimes ambientais como o desmatamento, mas o crime de uma maneira geral também será combatido com essa estrutura”, reforçou Clécio Luís.

O Plano Amas prioriza o combate a grupos criminosos, crimes ambientais e de outros tipos de delitos com ações de segurança pública, de acordo com as especificidades dos nove estados que compõem a Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins).

Ainda na quarta-feira, 8, por meio da parceria, o estado do Amapá recebeu oito viaturas, sendo cinco para o Corpo de Bombeiros (CBM), incluindo um caminhão Autosocorro Plataforma, destinado aos serviços de reboque e guincho, e três para a Polícia Militar (PM).

“É um plano extremamente robusto. Vários outros investimentos serão realizados por meio da adesão e que nos ajudarão a fortalecer o Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Civil, e garantir uma segurança pública mais eficiente no nosso estado”, afirma o secretário de Segurança Pública, José Neto.

A política pública possui investimento de R$ 2 bilhões, com recursos do Ministério da Justiça e Segurança Pública e do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para a implantação de estruturas e compra dos equipamentos para os estados.

26º Fórum dos Governadores da Amazônia

O Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, que possui personalidade jurídica desde 2019, é uma iniciativa conjunta dos governadores dos nove estados que compõem a Amazônia Legal para criar e impulsionar o desenvolvimento sustentável com base em políticas e estratégias comuns.

O evento conta ainda com 17 membros do Conselho de Administração do Consórcio da Amazônia Legal, 12 representantes de Institutos de Terra da Amazônia Legal e quatro membros da equipe do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal.

Amapá tem queda de mais de 54% no número de homicídios em outubro, apontam Forças de Segurança

Dados foram apresentados nesta quarta-feira, 1º, e são decorrentes das operações Hórus e Paz.


O Governo do Amapá divulgou o balanço da atuação policial no combate ao crime com as ações das operações Hórus, Paz e Mute, que resultaram na queda de 54,76% no número de Crimes Violentos Letais Intencionais, no período de setembro a outubro deste ano, além da apreensão significativa de armas e drogas. A apresentação do balanço aconteceu na quarta-feira, 1º.

Em setembro, mês de início da Operação Paz, foram 42 homicídios registrados no Amapá, enquanto o mês de outubro fechou com o registro de 19 ocorrências deste tipo.

Ainda em outubro, as ações ganharam o reforço da Operação Mute, com foco no Instituto de Administração Penitenciária (Iapen). Os dados são um compilado da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), cadastrados no Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), do Ministério da Justiça.

As operações fazem parte do acordo entre o Governo do Estado e o Ministério da Justiça, e estão dentro do planejamento estratégico da segurança pública pela paz social no Amapá, com objetivo de implementar ações de prevenção, vigilância, com ações de inteligência, investigação, repressão e prevenção às ocorrências de crimes violentos.

“Foi um reforço significativo da Polícia Militar, no policiamento preventivo nas nossas ruas em Macapá, em Santana e em todo o estado. A maior eficiência da Polícia Civil que conseguiu concluir uma quantidade considerável de inquéritos policiais, determinando a autoria de crimes violentos e realizando a prisão dos culpados. Estamos tendo resultados extremamente eficientes”, destacou o secretário de Segurança, José Neto.

Apreensão de Armas

De setembro a outubro de 2023, foram 125 armamentos retirados das ruas, em todo o estado, durante as investidas policiais. No mesmo período de 2022, foram 74 armas apreendidas.

Outros Indicadores da Hórus e Paz

Em setembro e outubro pelas duas operações, foram apreendidas 1,4 mil porções de droga, aproximadamente 51 quilos de entorpecentes;
Cerca de 16 mil pessoas foram abordadas;
Mais de 7,4 mil veículos foram fiscalizados;
Foram montadas 634 barreiras policiais em vários pontos estratégicos de atuação das operações;
46 pessoas foram presas por estarem com mandado de prisão em aberto na Justiça ou por descumprimento de ordem judicial;
A Polícia Civil concluiu 2,4 mil inquéritos.

“Os dados mostram a eficácia do trabalho policial e das operações realizadas. É resultado do trabalho integrado entre os setores de inteligência e os grupos de operações. Essa é uma das preocupações prioritárias da Sejusp, que é a de fazer o enfrentamento das guerras entre os grupos criminosos e, de fato, conseguir prender as pessoas envolvidas, tendo eficiência no nosso sistema penitenciário”, concluiu José Neto.Operação Mute

A Operação Mute, que aconteceu de 16 a 29 de outubro no Iapen, contra a comunicação ilícita dentro da unidade prisional, apreendeu neste período 134 aparelhos celulares.

A ação contou com o trabalho operacional de 139 policiais penais e foi coordenada pela Secretaria Nacional de Políticas Penais, em parceria com 24 estados e aconteceu em 76 penitenciárias do país, com incursões táticas e operacionais de agentes no objetivo de identificar e retirar celulares das unidades prisionais para barrar a comunicação de grupos criminosos e reduzir os índices de violência nas cidades.

“Temos conseguido manter o que defendemos desde o início da gestão, que é reduzir a comunicação de criminosos dentro do sistema penitenciário com os criminosos que estão nas ruas. Conseguimos apresentar, junto com esse trabalho integrado de Polícia Militar, Polícia Civil e Sejusp, os resultados positivos para a sociedade, que é a diminuição dos crimes violentos”, disse Luiz Carlos Gomes Jr, diretor do Iapen.

O diretor destaca, ainda, o funcionamento da nova unidade prisional, que recebeu o nome do policial penal José Eder, falecido em 2021, e estabelece um novo padrão de segurança nos moldes dos presídios federais.

O espaço contempla muralha e torres de vigilância interligadas, sistema de monitoramento com mais de 40 câmeras, além de novos protocolos de acesso de pessoas e materiais. Possui, ainda, portais de detecção e escâneres corporais e de bagagem.

“Estabelecemos dentro da unidade prisional os novos protocolos de segurança que nos dão mais rigor na entrada de pessoas e materiais. Com esse trabalho estamos conseguindo interromper a comunicação entre os criminosos. Além disso, intensificamos os trabalhos de revista, de fiscalização, e revemos também dentro das unidades prisionais, os protocolos de segurança”, explicou Gomes Jr.

Forças de Segurança do Amapá prendem foragido e evitam ataque criminoso em Macapá

A ação, que faz parte das operações Hórus e Paz, aconteceu na sexta-feira, 8, na Zona Sul da capital.
Forças de segurança do Amapá conseguiram prender um foragido e tirar de circulação arma, munições e droga

Dando continuidade a Operação Hórus e Paz, deflagradas simultaneamente pelas forças de segurança do Amapá como estratégia de combate ao crime do Governo do Estado, na sexta-feira, 8, policiais prenderam um foragido da Justiça na Zona Sul de Macapá.

Durante a abordagem a dois suspeitos, foi verificado que a dupla preparava um ataque criminoso na capital contra outros rivais. Com eles foi encontrada uma pistola ponto 40, munições e uma porção considerável de entorpecentes. Outro criminoso, que estava na companhia do foragido, foi baleado após entrar em confronto com os policiais.

Ação policial

Após denúncia recebida pelos profissionais da Coordenadoria de Operações e Inteligência (Ciop), da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), uma equipe do Grupo Tático Aéreo (GTA), que patrulhava a cidade, foi acionada com a informação que indivíduos armados estariam em uma região de ponte, no bairro Congós. Assim que a polícia chegou na área, dois suspeitos tentaram fugir e se esconderam em uma casa.

No cerco à residência, um dos suspeitos saiu pelos fundos, e se jogou no lago, mas se entregou. Após levantamento policial, foi verificado que ele estava com mandado de prisão em aberto pelo crime de roubo.

Dentro da casa, o segundo suspeito não se entregou. Com entrada tática, os policiais deram voz de prisão, porém o homem não obedeceu e efetuou vários disparos em direção da equipe.

“Tivemos que recuar e nos abrigar, reagindo em seguida a injusta agressão, alvejando o suspeito. Recebemos a informação que a dupla estava organizando um ataque no bairro Cidade Nova. O homem baleado é suspeito de ser um dos matadores de um grupo criminoso, inclusive suspeito de cometer vários homicídios e responder a vários processos”, informou o subcoordenador do GTA, capitão Muller Bryan.

O capitão informou ainda que, imediatamente, o socorro de urgência foi acionado e uma equipe do Serviço Móvel de Urgência (Samu) foi ao local onde constatou o óbito do infrator.

O suspeito preso, foi apresentado na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe) e durante interrogatório confirmou todas as informações recebidas pelo Ciop. Também foram apresentados a arma, drogas, e um celular, que será periciado.

Segurança Pública deflagra Operação Saturação para combater crimes violentos em Macapá

Operação Saturação reúne militares do 1º e 2º batalhões, além do BPRE, Bope e Força Tática

Como parte das ações de segurança implementadas pelo Governo do Amapá para coibir a criminalidade no estado, a Polícia Militar (PM-AP) deflagrou na noite deste sábado, 26, a Operação Saturação que intensificou o policiamento ostensivo na busca de foragidos, apreensão de armas de fogos e drogas, além da prevenção de homicídios, furtos, roubos e tráfico de entorpecentes.

A operação acontece até o dia 28 de agosto em vários bairros da capital, especificamente em áreas com alto índice de ações delituosas.

“O trabalho está sendo intensificado com abordagens policiais, com o intuito de identificar e prender envolvidos em delitos, localizar drogas e armas, dentre outras ações seguindo a execução de ações preventivas e repressivas da Polícia Militar”, destacou José Neto, secretário de Segurança.

As investidas preventivas e repressivas dos militares acontecem em vários bairros das zonas Sul e Oeste de Macapá, em regiões com os maiores índices de ocorrências, de acordo com o levantamento prévio do Setor de Inteligência da PM.

“Faz-se necessária as ações preventivas e repressivas com o combate à criminalidade, sobretudo roubos e homicídios, contribuindo de forma significativa para redução da violência na nossa capital e no estado”, ressaltou o major Ademar, responsável pela ação deste sábado.

Atuam na operação militares do 1º e 6º batalhões, além dos batalhões de Policiamento de Trânsito (BPTran), Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE) e os especializados de Operações Especiais (Bope) e Força Tática.

Personagens do projeto ‘Alôzinho’ do Governo do Amapá ganham nova versão para combater trotes

Além de Pepy, a Turma do Bem conta com o Alôzinho, Bombom, Militinho, Teca e Sílvio


A “Turminha do Bem” do projeto Alôzinho, desenvolvido pelo Governo do Amapá para conscientizar a população sobre os problemas causados pelos trotes, ganhou uma versão mais moderna no estilo mangá, e uma nova integrante: a policial penal “Pepy”. Os pesonagens foram apresentados nesta quarta-feira, 23, pelo Centro Integrado de Operações de Defesa Social (Ciodes).

Agentes da Segurança Pública do estado conheceram a nova identidade visual, que foi aprimorada para atrair crianças e adolescentes para a campanha 2023.

O projeto do Ciodes existe desde 2011 e já levou diversas atividades para escolas da rede de ensino pública e privada do Amapá. As ações de conscientização alertam para os danos causados pelos trotes, especialmente para os números de atendimento à emergências, como o 190.

Cada agente do Alôzinho representa uma instituição das forças de segurança do estado. Além de Pepy (Polícia Penal), a Turma do Bem conta com o Alôzinho (jovem estudante), Bombom (Corpo de Bombeiros), Militinho (Polícia Militar), Teca (Polícia Científica) e Sílvio (Polícia Civil).

O novo visual foi feito pela jovem estudante e desenhista Sophie Marinho, de 18 anos, que é apaixonada pelos personagens que conheceu ainda criança, quando a cartilha do programa foi apresentada pela mãe dela, que é policial militar e atua no Ciodes.

“Quando eu era pequena, minha mãe levou a cartilha pra mim e fiquei apaixonada. Os personagens, a conscientização contra o trote foi algo que fez parte da minha infância e ficou na minha memória, tanto que na época eu passei essa ideia adiante para o meus colegas de escola, e, hoje posso fazer isso de novo através do meu desenho”, celebra a jovem desenhista.

A proposta para atualizar a turminha partiu da própria Sophie, que estudou por seis anos técnicas de arte no Centro de Educação Profissional em Artes Cândido Portinari. Ao apresentar o resultado para a mãe, a tenente Patrícia Marinho não pensou duas vezes em mostrar a ideia para o coorndeador-geral do Ciodes, coronel Manoel Dias, que abraçou a iniciativa.

“Além de aceitarem a nova versão, ainda recebi a missão de criar uma nova personagem. Ainda estou chocada, foi uma grande responsabilidade. Fiz pesquisas para fazer jus à vestimenta padrão dos policiais penais. Pra mim tá sendo uma honra participar desse momento, dessa modernização dos personagens que representa a segurança do Amapá”, frisou Sophie.

O coordenador do Projeto Alôzinho, major Evaldo Lopes, está desde o início da criação do programa. Ele conta que o sentimento ao longo desses 12 anos de atividades é de dever cumprido.

“Eu estou muito feliz em saber que a semente foi plantada, a árvore cresceu e hoje estamos colhendo os frutos através do trabalho da Sophie que foi uma criança alcançada pelo Alôzinho”, disse emocionado o coordenador.

Projeto Alôzinho

O Projeto Alôzinho é uma ferramenta social que combate uma prática que ainda ocorre e prejudica o atendimento à população: o trote telefônico. Uma ação irresponsável que causou a morte da bombeiro militar, soldado Patrícia Gonçalves Façanha, durante o atendimento a um falso chamado de incêndio, em janeiro de 2007.

Por causa da tragédia que sensibilizou todo o Amapá, foi criada a Lei nº 1.551, de 6 de julho de 2011, para trabalhar a conscientização e a sensibilização de crianças, jovens e adultos sobre as causas dos trotes.

O programa promove campanhas educativas, palestras, seminários e outras ferramentas voltadas para estudantes, reforçando a importância dos serviços prestados pelo Ciodes, e os prejuízos ocasionados pelo acionamento indevido do serviço de urgência e emergência.

Trotes

Neste primeiro semestre de 2023 em janeiro foram registradas cerca de 580 ligações com informações falsas para o Ciodes. Já em junho, o centro observou uma queda de 66%, com o registro de 382 ligações desta natureza.

“É importante conscientizar toda a sociedade, principalmente os jovens, os estudantes sobre o quanto é grave o trote telefônico, que além de dificultar o serviço de urgência e emergência, também é crime, podendo ocasionar incidentes irreversíveis e trágicos”, alertou o coordenador do Ciodes, Manoel Dias.

Segurança Pública fecha 1ª fase da Operação Hórus em Santana com prisões, apreensão de arma, drogas e sem registro de homicídios

Ação faz parte das tratativas do Governo do Amapá com o Ministério da Justiça para intensificar o combate ao crime no estado.

Colocando em prática o plano do Governo do Amapá de intensificação do combate aos crimes violentos no estado, encerrou nesta terça-feira, 8, a 1ª fase da Operação Hórus, no município de Santana, que durante quatro dias resultou na prisão em flagrante de quatro pessoas, além da apreensão de arma de fogo, drogas, celulares, dinheiro, e sem nenhum registro de homicídio na região.

A ação, coordenada pela Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), que iniciou no dia 4 de agosto, reuniu um grande efetivo policial que atuaram na prevenção e combate da violência e ao tráfico de entorpecentes. No período, foram realizadas diversas abordagens na área urbana, incursões em locais mapeados como área de risco e também um trabalho específico na região portuária, com fiscalização de embarcações.

“Essa foi uma operação extremamente exitosa. Durante o período de trabalho dos policiais não tivemos registros de homicídio, nem de roubo e latrocínio. Garantimos para a população de Santana, e de todo o nosso estado que continuaremos com a Operação Hórus e outras ações para garantir a segurança da sociedade”, afirmou o secretário de Segurança Pública, José Neto.

Participaram da operação os setores de inteligência das polícias Militar (PM) e Civil (PC) e da Coordenadoria de Inteligência e Operações (Ciop/Sejusp). A ação contou militares do grupo de elite da Companhia de Operações Especiais (COE) e do Canil do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM, além do Grupo Tático Aéreo (GTA).

Operação Hórus
O secretário da Sejusp destaca que Santana é um dos locais prioritários da operação devido os registros de violência recorrentes e pela importância estratégica do município, por compor a Região Metropolitana de Macapá e ter um dos mais importantes portos do estado. José Neto esclarece que a ação foi executada após articulação do Governo do Amapá junto à Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

Em visita ao Amapá nesta segunda-feira,7, o ministro da Justiça, Flávio Dino explicou que o suporte financeiro para englobar os dois maiores municípios do Amapá, em concentração populacional, dentro do pacote de ações da Hórus aconteceu após conversa com o governador Clécio Luís, em Brasília, que teve a preocupação de buscar recursos para combater à criminalidade, reforçar as instituições policiais e garantir a segurança dos amapaenses.

“Vamos estender as ações da operação Hórus para Santana e Macapá, além do Oiapoque [área de fronteira], e isso significa um aporte financeiro de diárias que serão distribuídas pela Sejusp para atender os policiais, e com isso reforçar o policiamento nessas, e em outras cidades do Amapá”, enfatizou o ministro.

Programa PAS
O Amapá também será beneficiado pelo Programa de Ação na Segurança (PAS), que visa combater o tráfico de drogas, os grupos criminosos, a violência nas escolas, o crime ambiental e a violência contra a mulher. O programa rege também a proteção da Região Amazônica, com a valorização dos profissionais de segurança, ações de apreensão de armas e munições ilegais e o desenvolvimento de operações integradas entre as forças policiais.

“Adotamos essa deliberação atendendo ao pleito do Governo do Amapá para que houvesse uma espécie de excepcionalidade, e isso será coordenado pela Senasp junto com a Sejusp. Essa ampliação de apoio financeiro ao estado visa, sobretudo, diminuir as taxas de homicídios”, esclareceu Flávio Dino.

O encontro para tratar sobre as estratégias e planejamento para a atuação do Amapá no PAS iniciam ainda nesta semana. O investimento ultrapassa os R$ 8 milhões em diárias, como pontuou o secretário da Sejusp.

Na próxima quinta-feira, dia 10, vamos nos reunir com as equipes da Secretaria Nacional de Segurança Pública para criar um plano de ação para a Operação PAS, que será um reforço específico para o combate aos homicídios. Somente em relação a essa operação teremos disponível 179 diárias por dia, até o mês de dezembro deste ano, para fins de valorização dos nossos profissionais”, acrescentou José Neto.

Segurança Pública do Amapá faz a maior apreensão de drogas do ano

Foram mais de 70 quilos de crack apreendidos nesta quinta-feira, 29, durante ação integrada na Zona Sul de Macapá.

Segurança Pública do Amapá faz a maior apreensão de drogas do ano

Foram mais de 70 quilos de crack apreendidos nesta quinta-feira, 29, durante ação integrada na Zona Sul de Macapá.
Em mais uma investida do Governo do Estado contra ações criminosas, nesta quinta-feira, 29, agentes da Segurança Pública fizeram a maior apreensão de drogas realizada este ano. Foram mais de 70 quilos de crack apreendidos e uma quantia significativa de dinheiro.

A ação, que ocorreu na Zona Sul de Macapá, também resultou na prisão em flagrante de um suspeito de tráfico de drogas e associação criminosa.

O delegado Leonardo Alves conta que os agentes foram cumprir um mandado de busca e apreensão em uma casa localizada no bairro Zerão, para coletar uma arma de fogo que teria sido utilizada em homicídio ocorrido há alguns meses na capital. No endereço, os policiais encontraram o grande volume de drogas e dinheiro.

“Em busca dessa arma, conseguimos apreender cerca de 72 quilos de crack. O morador não estava no local no momento da ação, mas foi preso em flagrante em uma loja de confecções, de sua propriedade, que suspeitamos que seja utilizada para outros crimes, como lavagem de dinheiro”, explicou Alves.

Os entorpecentes estavam embalados em tabletes. Vários foram encontrados dentro de cubas de isopor e outros, escondidos em objetos como caixa de som e máquina de lavar roupas.

Durante o depoimento, o suspeito, que segundo levantamento criminal já respondeu por tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo, disse aos policiais que estava apenas guardando o material ilícitos na casa dele.

“A residência onde foi feita a apreensão é um imóvel grande, com piscina e circuito de câmeras, que, aparentemente, não levantava suspeitas”, acrescentou o delegado.

Segundo a Polícia Civil, as investigações continuam para identificar outras pessoas envolvidas no esquema, além de descobrir a origem das drogas e do dinheiro apreendido.

O homem detido foi apresentado no Ciosp Macapaba junto com todo o material apreendido, onde aguardará encaminhamento para a audiência de custódia.

A ação foi realizada conjuntamente pela Polícia Civil e a Coordenadoria de Inteligência e Operações (Ciop) da Secretaria de Justiça e Segurança Pública.

Força-Tarefa de Segurança Pública cumpre mandados em operação contra o tráfico de drogas em Macapá

Operação Carga Pesada 2 cumpriu mandados de busca e apreensão em bairros da capital

Em mais uma ação de combate ao tráfico de drogas, a Força-Tarefa de Segurança Pública do Amapá cumpriu três mandados de busca e apreensão, nos bairros Santa Rita e Nova Esperança, em Macapá, na manhã deste terça-feira, 9, durante a Operação Carga Pesada 2.

Os alvos são investigados desde a primeira fase da operação, deflagrada no dia 17 de março deste ano, para apurar o furto de 70 armas de fogo e 3,5 mil munições em uma empresa privada de segurança que ocorreu em maio de 2022.

Durante a análise do material apreendido na ação do ano passado, foram identificados três suspeitos, dois de 31 anos e um de 24, com fortes indícios de participação no tráfico de drogas no Amapá. Um deles, que atuava como motorista de aplicativo, realizava a entrega de maconha em pontos de consumo.

Cães farejadores do Canil da Polícia Militar foram utilizados na ação desta terça-feira, na busca de entorpecentes e materiais ilícitos.

Os investigados, reincidentes no crime de tráfico de drogas, podem responder novamente pelo mesmo crime. Em caso de condenação, as penas podem ser de até 15 anos de reclusão mais pagamento de multa.

A Força-Tarefa do Amapá é formada pela Secretária de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Polícia Militar, Polícia Civil, Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Governador Clécio Luís nomeia 114 novos membros da Polícia Civil e fortalece a segurança pública do Amapá

São 20 delegados, 22 oficiais e 72 agentes que passarão a integrar a corporação.


Em menos de quatro meses de gestão, o governador do Amapá Clécio Luís garante o fortalecimento da segurança pública estadual com a nomeação de 114 novos membros da Polícia Civil. Passam a reforçar a corporação, 20 delegados, 22 oficiais e 72 agentes de polícia, nomeados em cerimônia, nesta segunda-feira, 17, no auditório do Sebrae, em Macapá.

O governador Clécio Luís enfatizou que essa é uma medida para reforçar a segurança do estado. São novos delegados, agentes e oficiais que atuarão massivamente no combate ao crime.

“É um direito do cidadão se sentir e estar seguro. A nomeação desses novos servidores públicos é um investimento na segurança pública e um sinal para que grupos criminosos entendam que nós vamos reforçar a segurança, atuar incansavelmente para que o Amapá tenha uma nova realidade nesse sentido. Sabemos que as dificuldades irão surgir, mas todos nós temos que ter espírito público, porque as pessoas que procuram uma delegacia ou o Ciosp estão com algum problema e nós precisamos ter essa sensibilidade. Diferente da maioria das outras profissões, um policial civil foi preparado para isso”, destacou o governador.

O secretário de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), José Lima Neto, lembrou o comprometimento que os novos policiais devem ter com a população.

“Ganhamos um reforço significativo e importante na segurança pública que é o material humano. Esperamos muito empenho dos novos policiais para que atendam as expectativas da corporação e de todos os cidadãos”, disse.

O delegado geral, Cezar Augusto Vieira, destacou que o evento marca o início de um novo tempo na Polícia Civil.

“Esses servidores integram o serviço público para somar e ajudar no combate ao crime no estado, um trabalho que já vem sendo feito com excelência e que irá melhorar ainda mais”, disse.

O presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Amapá (Alap), Delegado Inácio, falou da dedicação de cada um até chegar a esse momento.

“Sabemos que não é fácil, que tem que ter muita abdicação e noites mal dormidas, mas neste momento percebemos que tudo valeu a pena. Todas as etapas lhes prepararam para trabalhar naquela que é uma das melhores categorias da segurança pública, que é a Polícia Civil”, pontuou.

Elas na segurança
Única mulher entre os 20 novos delegados, Ana Maria Rabelo, falou dos desafios e expectativas na carteira. “É uma honra muito grande ser a única mulher. Uma alegria entrar nessa corporação. Sabemos que os desafios são muitos, a sociedade espera bastante da gente, mas estamos entrando de corpo e alma para fazer o máximo para contribuir com a segurança pública do Estado”, disse a delegada, que destacou a importância da representatividade feminina.

“Gostaria que tivesse mais mulheres participando desse momento, a polícia precisa. É necessário ter esse reforço feminino nas delegacias, principalmente nas delegacias de crimes contra as mulheres. Infelizmente nessa turma nós não tivemos, mas com certeza no futuro nós teremos. Esse dia é uma vitória, é a junção de muito esforço ao longo de anos”, ressaltou Ana Maria.

 

Polícia Civil identifica menores que fizeram transmissão na internet com ameaças falsas de ataque à escola

Material utilizados na live foi apreendido e os adolescentes serão responsabilizados


A Polícia Civil do Amapá (PC-AP) identificou os dois adolescentes, de 15 e 16 anos, que realizaram uma transmissão ao vivo pela internet, fazendo falsas ameaças a alunos e professores da Escola Estadual Barão do Rio Branco, em Macapá. O vídeo, produzido no início deste mês, foi compartilhado nas redes sociais, causando preocupação na comunidade.

A investigação, comandada pela Delegacia Especializada em Investigações de Atos Infracionais (Deiai), encontrou com os adolescentes as máscaras, os dois simulacros de arma de fogo e os celulares utilizados na live.

Segundo a delegada Daniela Graça, titular da Deiai, os jovens alegaram que a intenção era realmente ameaçar, tumultuar e criar pânico na comunidade escolar. Ela completa enfatizando que o caso foi concluído com êxito e os adolescentes devidamente responsabilizados.

“A Polícia Civil faz parte do programa ‘Escola Segura’, promovido pelo Ministério da Justiça, e a equipe da Deiai vem atuando no combate a esses atos que não serão tolerados. Os adolescentes precisam entender que a internet é rastreável e a Polícia Civil não descansará enquanto todos aqueles que tiverem esse tipo de comportamento não forem identificados e devidamente punidos”, garantiu a delegada.

Investigações
De acordo com a Polícia Civil, após a coleta do termo de informações dos envolvidos, o procedimento policial será concluído e remetido à Justiça, onde os autores das ameaças responderão pela ação socioeducativa correspondente.

A delegada informou que os pais dos menores foram colaborativos com o trabalho policial e alerta que é importante que os responsáveis legais monitorem as atividades dos filhos na internet.

Outra situação levantada por Daniela Graça é sobre a propagação de notícias falsas ou que incitam a violência na comunidade escolar.

“Divulgar fake news e notícias de que não se sabe a origem com o intuito de criar pânico no ambiente escolar também pode vir a gerar responsabilização”, salientou a delegada.

O caso
No dia 1° de abril, duas pessoas se identificando como alunos da unidade transmitiram ao vivo, em uma página na rede social Instagram, falas em que sugeriram a realização de um ataque à escola. Os jovens apareciam empunhando supostamente, armas de fogo, e mascarados.

De acordo com o gestor da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), José Lima Neto, logo após a transmissão das ameaças, equipes dos setores de inteligência da Sejusp e das polícias Civil e Militar começaram a trabalhar para identificar os responsáveis.

Na mesma semana do fato, as forças de segurança identificaram os nomes de dois menores de idade, supostos alunos da escola estadual.

“Todas as forças de segurança do estado estão atuando de forma veemente no combate a esses atos Infracionais que causam pânico, temor e insegurança na população. Todos os atos desse tipo serão devidamente apurados e os infratores responsabilizados criminalmente, sejam maiores ou menores de idade. Volto a alertar: não há anonimato na internet”, assegurou José Lima Neto.

Polícia Civil orienta foliões como agir ao sair e voltar para casa durante o período carnavalesco

Dicas simples são fundamentais para garantir a segurança do cidadão e do imóvel.


Para sair de casa em segurança e se divertir no carnaval sem a preocupação de ser assaltado ou ter o imóvel invadido por criminosos, a Polícia Civil do Amapá (PC) orienta o folião a ter atitudes que não o coloquem em risco.

Tudo começa ao sair da residência. A dica é deixar o local de imediato após trancar a porta, por exemplo, se vai deixar a casa e entrar em um veículo o faça com objetividade. Não pare em frente ao imóvel para conversar ou mexer no celular, adverte a Polícia Civil.

Para quem vai entrar em casa, principalmente durante a madrugada após os festejos é importante, segundo a PC observar o perímetro.

“Quando a pessoa está de carro, ela tem maior mobilidade, então chegando próximo a casa, o cidadão, um quarteirão antes já pode ter uma visualização mais atenta, caso não veja ninguém suspeito entre e fecha o portão”, orienta o delegado Fábio Araújo, chefe de Operações da Polícia Civil.

A outra situação relatada pela PC é quando o morador chega a pé em frente à residência e fica exposto. A PC pede que, caso tenha alguém dentro da casa é importante avisar com antecedência que está próximo, para que entre com rapidez no imóvel.

Com essas atitudes, o delegado esclarece que o folião fica seguro e o imóvel também, já que não gera oportunidade para que o criminoso entre na residência.

“Não fique parado na frente de casa falando ao celular, mexendo no rádio do carro, conversando com vizinhos. Quanto mais a pessoa se expõe, mais ela se torna uma vítima potencial para ações criminosas. O criminoso observa onde ele tem mais oportunidade para agir”, alertou Araújo.

Outro cuidado extremamente importante, evidenciado pela Polícia Civil é que seja feita uma vistoria em todas as fechaduras da residência antes de cair na folia, desde a porta de entrada até a dos fundos. O delegado lembra que uma simples checagem dificulta o arrombamento do imóvel.

E como agir nos eventos?
Fábio Araújo destaca que pequenos furtos e roubos, principalmente de aparelhos celulares são as ocorrências mais registradas no período carnavalesco e acontecem, geralmente em locais onde as festividades aglomeram pessoas, exemplo festas em clubes ou na própria Banda.

A orientação nestes casos é a seguinte: não usar celular e porta cédulas nos bolsos traseiros das vestimentas. Não esbanjar objetos de valores, como joias. O melhor, no caso dos celulares e porta cédulas é colocar esses objetos nos bolsos da frente ou em pochetes que podem ficar por baixo da blusa.

“O criminoso subtrai os objetos e a vítima nem percebe. Em relação as joias deixem-nas em casa. Carnaval é tempo de diversão e não preocupação”, definiu Fábio Araújo.

https://www.portal.ap.gov.br/noticia/1402/policia-civil-orienta-folioes-como-agir-ao-sair-e-voltar-para-casa-durante-o-periodo-carnavalesco

Sejusp intensifica revistas nos pavilhões do Iapen para combater crime organizado no Amapá

Em menos de uma semana, mais de 50 aparelhos foram retirados da penitenciária.

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), em apoio ao ao Grupo Tático Prisional (GTP), em mais uma revista realizada no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen), apreendeu 25 celulares no Pavilhão F4. A ação faz parte da intensificação das vistorias nos pavilhões do cadeião do Iapen para combater o crime organizado no Amapá.

“Essa foi outra ação de vistoria em busca de aparelhos celulares que estejam sendo utilizados para o comando de ações criminosas no estado. Foram apreendidos mais de 20 aparelhos, bem como, algumas porções de entorpecentes no pavilhão F4”, disse José Mont’Alverne, secretário interino da Sejusp.

Na última terça-feira (12), uma ação conjunta das forças de segurança apreendeu 27 aparelhos dentro do pavilhão F1. Com a nova apreensão, foram retirados das mãos dos criminosos mais de 50 celulares em menos de uma semana.

“Vamos intensificar as revistas e melhorar o monitoramento de todos que adentram no sistema”, enfatizou Mont’Alverne.

A ação da Sejusp aconteceu por meio da Coordenadoria de Inteligência e Operações (Ciop) e da Força Tarefa de Segurança Pública (FTSP)

Governo entrega novo Ciosp do Novo Horizonte revitalizado

São mais de R$ 2,5 milhões investidos na reestruturação da Central de Operações. Investimentos na Segurança Pública já ultrapassam R$ 360 milhões.


O governador do Amapá, Waldez Góes, entregou nesta segunda-feira, 5, o Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) do bairro Novo Horizonte, na zona norte de Macapá, completamente revitalizado.

A ação faz parte do plano de investimentos Estado Forte, Povo Seguro, que já destinou mais de R$ 360 milhões para a reestruturação física e tecnológica da Segurança Pública do Amapá.

Góes enfatizou os avanços alcançados pelo Estado desde 2015, que posicionaram o Amapá como referência nacional em investimentos na Segurança Pública e Defesa Social.

“São entregas altamente qualificadas para a sociedade, fruto da decisão política que assumimos, de um planejamento estratégico e integrado. O resultado é um serviço de referência, entre os melhores do país, ofertado para a nossa população”, afirmou o governador.

Novo Ciosp

Para atender às necessidades dos servidores e usuários do sistema de segurança pública, o imóvel recebeu uma nova estrutura com calçadas, acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida, rampas de acesso, muro, piso tátil direcional, moderna iluminação, nova rede elétrica, rede hidráulica, esgoto, pintura, espaço para veículos, paisagismo, salas de atendimento, áreas administrativas, celas masculina e feminina, que totalizam mais de R$ 2,5 milhões aplicados.


“É grande a satisfação e o orgulho dos nossos profissionais em um espaço como esse, que representa mais qualidade de trabalho e de atendimento à população. E este é um Ciosp estratégico, posicionado em um dos locais de maior movimentação de valores e pessoas na zona norte da capital”,
destacou o delegado-geral da Polícia Civil, Uberlândio Gomes.

Estado Forte, Povo Seguro

São mais de R$ 360 milhões de investidos na Segurança Pública, resultado da parceria com a Bancada Federal, liderada pelo senador Davi Alcolumbre, que permitiu a entrega de 350 novas viaturas, novos prédios, armamentos, ambulâncias, caminhões de combate ao fogo, mobílias, sistemas de rádio e comunicação, novo parque tecnológico, drones para patrulhamento aéreo e realização de concursos públicos.

De acordo com o secretário de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Cel. Carlos Souza, a consolidação dessas políticas públicas destacaram o Amapá na imprensa nacional como o estado com a maior redução de assassinatos no país.

“Foram mais de 34% de redução nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI). Um sinal claro da qualidade técnica deste planejamento estratégico do Governo do Amapá, somado à ampla integração das nossas agências vinculadas e do trabalho de primeira desempenhado pelas forças de segurança, plenamente equipadas e preparadas”, enfatizou o secretário da Sejusp.

https://portal.ap.gov.br/noticia/0512/estado-forte-povo-seguro-governo-entrega-novo-ciosp-do-novo-horizonte-revitalizado

Operação Papai Noel: 6 mil agentes da Segurança Pública intensificam policiamento no Amapá


O Governo do Amapá ativou na manhã desta terça-feira, 29, a Operação Papai Noel 2022, que intensifica o policiamento em áreas comerciais, corredores bancários e logradouros públicos de intenso fluxo de pessoas. As ações seguem até o dia 4 de janeiro de 2022.

De acordo com o secretário de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Cel. Carlos Souza, o efetivo da operação é formado por aproximadamente 6 mil agentes, com um investimento que supera R$ 2 milhões para assegurar a ordem pública e a paz social em um dos períodos de maior fluxo financeiro e social do ano.

Segundo Carlos Souza, é a primeira vez que a Operação Papai Noel será realizada com a remuneração por serviço extraordinário militar, decretado pelo governador Waldez Góes em junho deste ano, e que assegura este importante reforço do trabalho operacional.

O gestor destacou ainda que a estratégia integra militares da Polícia Militar (PM/AP) e do Corpo de Bombeiros (CBM/AP), Grupo Tático Aéreo (GTA), Departamento Estadual de Trânsito (Detran/AP), Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen), Polícia Rodoviária Federal (PRF), além das guardas civis e companhias de trânsito dos 16 municípios do estado.

“Essa integração das forças de segurança assegura, mês a mês, a redução de crimes, resultados otimizados também com a consolidação de todos os investimentos já realizados pelo Estado e que envolvem tecnologia, viaturas, equipamentos táticos e, claro, a ampla cooperação das nossas polícias”, frisou o secretário da Sejusp.

O secretário-adjunto do Gabinete do Governador, Teles Junior, ressaltou os indicadores econômicos que reforçam a utilidade das ações preventivas neste período de aquecimento das atividades econômicas.

“Mais de R$ 1 bilhão são movimentados entre os meses de novembro e dezembro com os pagamentos, inclusive de 13º. É um valor que equivale a 5% do PIB do Amapá e vem acompanhado das datas de maior relevância no ano para os setores de comércio e serviços”, detalhou Teles Junior.

A comandante-geral da PM/AP, Cel. Heliane Braga reforçou que a Operação representa um importante incremento na segurança, contudo, o efetivo e as escalas para o policiamento regular executado em todos os municípios permanecem inalterados.

“Esta estratégia, de manutenção da atividade ordinária em conjunto com os reforços operacionais garantiu mais de 37% de redução dos crimes violentos ao longo de todo o ano de 2022 em comparação com o ano passado. É um resultado a ser celebrado por toda a sociedade e que demonstra a eficácia das forças de segurança do Amapá”, concluiu a comandante-geral.

https://www.portal.ap.gov.br/noticia/2911/operacao-papai-noel-6-mil-agentes-da-seguranca-publica-intensificam-policiamento-no-amapa

Governo do Amapá ativa patrulhamento aéreo de segurança com drones

Entrega do aparato ocorreu nesta segunda-feira, 10, no Quartel do Comando-Geral da PM.

O Governo do Amapá ativou nesta segunda-feira, 10, o patrulhamento com drones dos órgãos de segurança pública e defesa social do Estado. A tecnologia poderá ser utilizada em operações de busca e salvamento, incursões em áreas de risco, combate a incêndios e gerenciamento de crises.

Os drones foram entregues às polícias Militar (PM/AP) e Civil (PC/AP), Grupamento Tático Aéreo (GTA), Corpo de Bombeiros Militar (CBM/AP) e Polícia Científica.

Segundo o governador, Waldez Góes, os drones que o Estado adquiriu são o que há de mais moderno no mercado e, com mais esta entrega, as forças policiais do Amapá somam mais uma ferramenta estratégica de defesa, combate e repressão à criminalidade. O chefe do Executivo enfatizou, ainda, que o Governo já acumula mais de R$ 323 milhões em investimentos estruturantes para a Segurança Pública.

“Os nossos investimentos para o sistema de Segurança Pública do Amapá continuam firmes, para o combate ao crime e a preservação de vidas. E estamos entregando hoje mais um serviço de ponta, em termos de tecnologia e treinamento. É uma vitória para toda a sociedade, que é a beneficiada de todos estes investimentos”, frisou Góes.

VEJA MAIS FOTOS AQUI

Resultado de mais de R$ 360 mil investidos do programa Estado Forte, Povo Seguro, estas aeronaves são equipadas com câmera termográficas de alta resolução, que permitem identificar pessoas mesmo na mais completa escuridão, com transmissão das imagens a distâncias de até 10 km, alto-falantes, faróis e outros acessórios. Foram 40 agentes de todo o sistema de segurança estadual capacitados para a pilotagem das aeronaves.

“A entrega de hoje, primeiro, demonstra a forte integração dos órgãos de Segurança. Tanto poderão operar individualmente quanto em conjunto como já demonstramos. E é um serviço de eficiência no patrulhamento das áreas de difícil acesso”, detalhou o secretário de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Um dos usos possíveis são as áreas de ressaca e outros locais com grandes extensões. O Estado já testou a tecnologia no patrulhamento do bloco de rua A Banda, ocorrido em 31 de julho, que posicionou drones diretamente conectados ao Centro Integrado de Operações de Defesa

https://www.portal.ap.gov.br/noticia/1010/estado-forte-povo-seguro-governo-do-amapa-ativa-patrulhamento-aereo-de-seguranca-com-drones