Governo do Estado e Exército Brasileiro celebram cooperações em benefício do Amapá

Governador Clécio Luís recebeu comandante Militar do Norte (CMN), Luciano Guilherme, e demais generais da organização.


A cooperação entre o Governo do Estado e o Exército Brasileiro tem beneficiado o Amapá por meio de diversos serviços, desde obras estruturantes a ações sociais. Nesta terça-feira, 17, o governador Clécio Luís recebeu no Palácio do Setentrião a visita do comandante Militar do Norte (CMN), Luciano Guilherme, e demais generais da organização.

Na ocasião, o governador agradeceu as parcerias com o Exército e os militares por prestarem assistência a civis amapaenses, como na pandemia de Covid-19; na 1ª edição do projeto Mais Sorriso, na terra indígena Wajãpi; obras da BR-156, além de ceder área para a construção do novo Hospital de Emergências (HE) de Macapá.

“Nessa peleja de desafios do Amapá, o Exército é um grande parceiro, temos uma relação muito boa. Todas as vezes que nós pedimos apoio do Exército estamos sendo atendidos com muita disponibilidade. Isso faz a diferença na oferta dos serviços à população”, comentou o governador.

A comitiva, liderada pelo general de brigada Marcus Vinícius Gomes Bonifácio, comandante da 22ª Brigada de Infantaria de Selva (BIS), também foi integrada pelo general de divisão Alcio Costa, comandante da 8ª Região Militar; general de brigada Sá Corrêa, chefe do Centro de Coordenação de Operações/CMN; e general de brigada Francisco de Souza, chefe do Estado-Maior do CMN.

Os generais do CMN convidaram o governador para participar de uma operação com militares americanos em novembro, em Clevelândia do Norte (Oiapoque) e em Ferreira Gomes.

O Comando Militar do Norte é a instituição do Exército Brasileiro criada com o objetivo de aumentar a capacidade operacional, o gerenciamento administrativo e proporcionar melhores condições de emprego da Força Terrestre na Amazônia ocidental, que abrange os estados do Amapá, do Pará, do Maranhão e o norte do Tocantins. Ela integra 30 organizações militares, totalizando cerca de 12 mil homens e mulheres.

Governo do Estado e Comando Aéreo Regional se unem para revitalizar a Base Aérea no município de Amapá

Parceria foi firmada durante encontro entre o governador Clécio Luís e o comandante do 1º Comar, major-brigadeiro do ar Raimundo Nogueira.


O Governo do Estado vai ganhar reforço do 1º Comando Aéreo Regional (Comar), ligado à Força Aérea Brasileira (FAB), para revitalizar o museu à céu aberto da Base Aérea que fica no município de Amapá. As tratativas iniciaram nesta segunda-feira, 16, num encontro entre o governador Clécio Luís e o comandante do 1º Comar e presidente da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica, o major-brigadeiro do ar Raimundo Nogueira, que visita o Amapá nesta semana.

A intenção é, por meio da revitalização, valorizar a memória da aviação amapaense a partir da estrutura que fica em Amapá, município que foi a primeira capital do território, em 1943, distante mais de 300 quilômetros de Macapá.

“Vamos juntos ver os meios jurídicos para tirar do papel esse projeto. Temos todo o interesse em resgatar a experiência da Base Aérea americana, que também é a história do Amapá”, comentou o governador Clécio Luís.

Além da base aérea, o 1º Comar também sinalizou interesse em auxiliar na qualificação dos servidores que integram o Grupo Tático Aéreo (GTA) do Amapá, assim como apoiar o estado em novos projetos.

“O governador e o Amapá podem contar conosco no sentido de garantir a segurança aérea e também de reforçar, em diferentes projetos, a importância da aviação para o estado e para a Amazônia”, afirmou o major-brigadeiro.

No encontro, o governador agradeceu à FAB o apoio ao estado em vários momentos, especialmente na pandemia de Covid-19 e no apagão, que ocorreram em 2020, e na ação Mais Sorriso, realizada pelo Governo em junho, na Terra Indígena Waiãpi.

Participaram da visita representantes do GTA, Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e Gabinete do Governador, além do presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Amapá (Sinduscon-AP), Glauco Cei.

FICCO/AP, em conjunto com a Força Tática da PM do Amapá, prende duas pessoas em flagrante com mais de 7kg de crack

 

Os indivíduos foram encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal no Amapá para a formalização dos procedimentos.


Macapá/AP. A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado no Amapá (FICCO/AP), a partir de uma ação de rotina com a Força Tática da PM do Amapá, prendeu, na tarde desta segunda-feira (16/10), duas pessoas por tráfico de drogas.
A equipe da Força Tática patrulhava a zona sul da capital amapaense quando foi informada que um roubo teria acabado de acontecer no bairro do Trem. Após a informação, os policiais deram início às buscas objetivando esclarecer os fatos ligados à denúncia, e descobriram que os indivíduos haviam empreendido fuga em direção ao aeroporto da capital.
A equipe, então, iniciou uma varredura pelo canal do Beirol e avistou duas pessoas, com as características citadas na denúncia, correndo em direção a uma casa nas proximidades da Avenida Acelino de Leão.
Os policiais conseguiram abordar os dois indivíduos e constataram que, com eles, havia uma mochila com 7,4 kg de crack. Foi dada a voz de prisão aos abordados e, em seguida, os dois foram encaminhados à Superintendência da Polícia Federal no Amapá para a formalização da prisão em flagrante. Após os procedimentos, os presos seguiram para o IAPEN.
Os presos podem responder pelo crime de tráfico de drogas. Caso condenados, as penas podem chegar a 15 anos de reclusão.
Fazem parte da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado no Amapá (FICCO/AP) a Polícia Federal, PRF, PM, PC, IAPEN e SEJUSP.

Ariel Moura é indicada ao Prêmio Multshow com música ‘Língua Intrusa’

Cantora concorre na Categoria Brasil por meio de votação popular.

A cantora amapaense Ariel Moura está representando o Amapá no Prêmio Multshow 2023. Ela é a primeira artista do Amapá a ser indicada à premiação, que é uma das mais importantes do cenário musical nacional.

Ariel concorre na Categoria Brasil, uma novidade da edição deste ano, que reúne representantes de todos os estados do país. Essa categoria é dividida em duas fases. Na primeira, 27 músicas que estão em destaque em cada estado concorrem em votação que levará à segunda etapa.

As músicas mais votadas por região seguem para a etapa final, que contará com 5 finalistas, os quais concorrerão ao troféu da categoria. Os nomes serão revelados no dia 15 de outubro. Nas duas etapas, os vencedores serão escolhidos por voto popular. A votação é bem simples e pode ser feita no link: https://encurtador.com.br/vKL38, basta entrar e seguir os passos de login para poder concluir seu voto.

A música indicada para concorrer é “Língua Intrusa”, uma composição de Joãozinho Gomes e Enrico Di Micelli. “Essa canção faz parte do meu primeiro álbum e é uma grande alegria para todos nós, porque é algo que fortalece e empodera os nossos artistas, além de mostrar a força da nossa música também”, relata Ariel.

Norte no Prêmio Multshow

Na Região Norte, 7 artistas participam do prêmio. São eles: Brunno Damasceno, representando o Acre com a canção “Consciência de Classe”. Do Amazonas, Karen Francis concorre com “Cardume”. O Pará tem como representante Luê, com “Preamar”, enquanto Gabriê foi a escolhida de Rondônia com “Magia Leonina”. De Roraima, Marília Tavares concorre com “Me Dói Imaginar”. E do Tocantins, Pedro Libe foi indicado por “O Corpo Não Mente (feat com Hugo e Guilherme)”.

Ariel

É cantora, compositora e atriz. Está na carreira profissional desde 2015. Em 2016, participou do programa The Voice da Rede Globo. Desde então, realizou diversas apresentações. Atualmente mora em São Paulo e tem como influências musicais: o Soul, o Jazz, o Pop e a Música Popular Brasileira, onde assume ainda as raízes do Batuque e do Marabaixo como suas grandes referências.

Este ano, além de diversas apresentações na capital paulista, Ariel conquistou o troféu Lamartine Babo no 53° Festival Nacional da Canção (Fenac), em Minas Gerais, com a performance da canção “Geandra”, também de Enrico Di Miceli e Joãozinho Gomes. Canção que também deu à atriz o 1º lugar na 40ª Feira Avareense da Música Popular (Fampop).

52ª Expofeira do Amapá traz viagem pela história e cultura dos municípios em pavilhão dedicado à criação do ex-Território

‘Pavilhão Amapá 80 Anos’ destaca belezas e potenciais turísticos de cada região do estado.

Um pavilhão inteiro da 52ª Expofeira apresenta a cultura dos 16 municípios para o público que participa da programação no Parque de Exposições da Fazendinha, em Macapá, até 8 de outubro. O Governo do Estado idealizou o ‘Pavilhão Amapá 80 Anos’ para contar a história de criação do ex-Território e sua trajetória até os dias atuais.

Os stands foram ocupados com diversas expressões culturais, turísticas e econômicas dos municípios, que apresentaram histórico, degustação da gastronomia local e políticas públicas de desenvolvimento.

Quem passeou pelo ambiente se deparou com uma variedade cultural única e expressiva do jeito amapaense de ser. A estudante de Letras, Larissa Silva, de 22 anos, aproveitou as exposições para conhecer municípios mais distantes e apreciar as belezas da região, expressas em fotografias.

“Tá muito bonito, mostrando a cultura, a arte, é um espaço muito rico culturalmente. Aproveitei a exposição das pinturas, fotografias dos municípios, como Oiapoque, onde eu não conhecia os artistas, vim para passear e estou adorando”, conta a jovem.

Entre os municípios, Pedra Branca do Amapari aproveitou o momento e visibilidade da Expofeira para apresentar o projeto Gotas de Vida, que tem a proposta de levar água potável para regiões de difícil acesso. O vice-prefeito, Marcelo Santos, esteve presente no stand recebendo o público.

“É uma iniciativa que propõe uma água com pH muito melhor do que o da água mineral e essa água é distribuída na região, ajudando na agricultura, no consumo, entre outras atividades. Além disso, trouxemos um pouco o nosso turismo, nossos serviços, estamos mobilizando toda uma equipe nesses 10 dias de Expofeira”, conta Santos.

Santana

Para a apresentação, o município trará uma temática diferente por dia abordada pelas secretarias da cidade. A apresentação de abertura ficou por conta do setor educacional, com informações sobre o I Simpósio Intervencional de Educação de Santana.

Itaubal, Pracuúba e Amapá

Os municípios de Itaubal, Pracuúba e Amapá trouxeram degustação para a feira, com queijos, geleias, manteigas, bolinho de gurijuba e doces.

Os espaços apresentaram a gastronomia e os potenciais turísticos das regiões, que irão expor durante os 10 dias de programação da 52ª Expofeira Agropecuária do Amapá.

Laranjal do Jari

O município no sul do Estado aproveitou o momento para apresentar o artesanato e as iguarias. O espaço traz a apresentação da história da região e serviços ofertados no local.

“Estamos com um stand aqui, ocupando esse espaço para apresentar a todos os visitantes da Expofeira o nosso município e suas belezas. É uma valorização da nossa economia e da nossa cultura”, reforça o secretário de Cultura de Laranjal do Jari, Jairo Santos Silva.

Interatividade faz visitante mergulhar na história da arqueologia do Amapá durante a 52ª Expofeira

Totem do Iepa traz informações sobre os sítios arqueológicos e as peças encontradas neles.

Conhecer a história da arqueologia amapaense num simples toque de tela, é uma das experiências que o público pode ter ao visitar a 52ª Expofeira do Amapá, que acontece no Parque de Exposições da Fazendinha, em Macapá, até 8 de outubro.

O totem interativo está no stand do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa) e mostra um pouco da história pré- colonial amapaense. O ambiente digital é possível obter informações sobre os sítios arqueológicos e as peças encontradas neles. Algumas datam mais de mil anos atrás.

O Iepa tem catalogado materiais de 140 sítios que estão espalhados por todo o Amapá. Eduardo Pantoja, de 20 anos, é estudante de biologia e se interessou por arqueologia quando estudou história na Universidade Federal do Amapá (Unifap), onde chegou a cursar dois semestres.

“Me interessa bastante esse assunto. Visto que tem muitas pessoas que ainda não conhecem a nossa história, principalmente, vindo desse período pré-colonial, dos povos indígenas, então o Iepa, quando traz essas novidades é muito interessante porque abre olhares e isso é sensacional”, considerou.

 

A arqueóloga, Daiane Pereira, é do núcleo de pesquisa do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa). Criado há 18 anos, ele reúne coleções arqueológicas oriundas do estado, algumas datadas de 7 mil anos. O núcleo levou uma pequena amostra de peças para exposição com o intuito de instigar a curiosidade dos visitantes.

“São coleções principalmente de cerâmica, material lítico, que é como a gente chama nessa rocha manipulada, seja ela lascada ou polida. Mas a gente tem coleções de material ósseo também, de remanescentes humanos. A gente tá falando de coleções basicamente pré-coloniais, ou seja, antes da chegada do europeu, nessas populações indígenas”, explicou Daiane.

Amapá no Senado”, mobilizado pelo senador Randolfe e GEA, finaliza com show de imagens do Estado nas torres do Congresso Nacional

A pedido do senador, na noite de hoje (13), imagens do Amapá foram projetadas nas torres do Congresso Nacional e Planalto Central recebeu iluminação nas cores do Estado.


Fotos: Diego Scardone

O Amapá foi destaque em Brasília desde o dia 11 com uma série de ações de valorização da cultura e das potencialidades do Estado. O dia 13 marca o aniversário de 80 anos de criação do ex-território Federal do Amapá e para comemorar o senador Randolfe Rodrigues, líder do Governo no Congresso Nacional, mobilizou o Governo do Estado, Sebrae-AP, Senac-AP, Bancada Federal e autoridades.

A ideia foi realizar um grande pacote de ações que envolveu a Sessão Especial em homenagem ao Estado, culinária amapaense, Feira do Selo do Amapá, Exposição artística e além de divulgação dos livros sobre o Amapá no Conselho Editorial.

Os festejos na capital do Brasil finalizaram com a projeção de imagens do Estado nas torres e nas cúpulas do Congresso Nacional, além de uma iluminação especial no Palácio do Planalto com a cores: amarelo, azul e verde, que compõem a bandeira do Amapá.

“Nós organizamos tudo com muito amor e deixamos essa surpresa para o final. É incrível ver a nossa cultura, história e pontos chaves da nossa identidade projetados para o mundo”, afirmou o senador.

“Simultaneamente, o Marco Zero do Equador também foi iluminado com o material que produzimos. Foi lindo demais!”, completou o parlamentar rodeado de amapaenses que assistiram a projeção ao vivo, em Brasília, e cantaram parabéns ao Estado.

Amapá 80 Anos: desfile de 13 de setembro valoriza tradição e beleza das bandas marciais e fanfarras

Na quarta-feira, 13, são 14 bandas que irão desfilar na Avenida Ivaldo Alves Veras, em Macapá.


Um dos pontos de destaque do desfile cívico desta quarta-feira, 13, será a apresentação de 13 bandas marciais e fanfarras de escolas de Macapá, Santana e Laranjal do Jari, além da banda de música do Centro de Educação Profissional Walkíria Lima.

Em 2023, o desfile traz o tema ‘Amapá 80 anos’, com momentos de valorização da representatividade da população amapaense. As apresentações começam às 17h, no Sambódromo, na Zona Sul de Macapá, e reúnem mais de 4 mil alunos de 57 escolas estaduais.

Música na avenida

O estudante Ruan Cristian é maestro da banda do Colégio Amapaense há 6 anos. Ele conta que em todas as edições procura inovar nas performances. Em 2023, os componentes se apresentam com instrumentos percussivos e melódicos.

“Estamos muito empolgados, até porque já temos um histórico de vitórias em concursos”, disse o maestro.

O diretor do Colégio Amapaense Irlando Castro detalha que a instituição está pronta para o desfile. Esse ano, eles defendem o subtema “A luta pela Vida e pela posse da terra”. A escola vai levar mais de 100 integrantes pela avenida, entre participantes da banda, professores e demais alunos.

“Nossa banda show está pronta, nossos estudantes também. Acredito que será um evento com grande participação da sociedade”, pontuou o diretor.

A banda marcial da Escola Estadual Gabriel Almeida Café também promete dar show na avenida Ivaldo Veras. O grupo é composto por 43 músicos que ensaiam cerca de duas horas todos os dias. 

O diretor da instituição, Isacksson Nathan, detalha que, além dos músicos, a escola levará outros estudantes e o corpo técnico, somando 120 componentes.

“A expectativa é a melhor possível. Vamos com força total para a avenida. Estamos convocando a torcida para acompanhar a apresentação, já temos tudo organizado só esperando o desfile”, disse o diretor.

O desfile inicia com a apresentação da Banda da Polícia Militar. Em seguida entram as bandas das escolas Antônio Ferreira Lima Neto; Colégio Amapaense; Alexandre Vaz Tavares; Esther da Silva Virgolino; Nilton Balieiro; Gonçalves Dias; Antônio Cordeiro Pontes; Gabriel Almeida Café; Tiradentes; Maria do Carmo Viana; Zolito de Jesus Nunes; Almirante Barroso (Santana); Mineko Hayashida (Laranjal do Jari); e do Centro de Música Walkiria Lima.

Programação dos desfiles

Data: quarta-feira, 13

Participação: 57 escolas de Macapá e Santana

Bandas marciais e de fanfarra: 12

Hora: 16h30

Local: Sambódromo de Macapá

 

Data: quinta-feira, 14

Participação: nove escolas

Hora: 17h

Local: distrito de São Joaquim do Pacuí

 

Data: sexta-feira, 15

Participação: nove escolas

Hora: 17h

Local: distrito de Santo Antônio da Pedreira.

Amapá 80 Anos: Cortejo do Banzeiro encerra o desfile de 13 de setembro


O cortejo do Banzeiro do Brilho-de-fogo irá encerrar o desfile de 13 de setembro, no Sambódromo. O desfile faz parte da programação Amapá 80 Anos, realizada pelo Governo do Estado do Amapá (GEA) e uma série de atrações estão previstas para todos os municípios, até setembro de 2024. O Banzeiro do Brilho-de-fogo é um projeto cultural de iniciação musical e valorização da cultura regional, que em 2023 completa dez anos de existência.

O Banzeiro irá se apresentar com cerca de 120 batuqueiros, pelotão do Jardim do Banzeiro, formado por crianças, e Cordão das Açucenas, com mulheres. Multicolorido e festivo, o cortejo levará para o Sambódromo um repertório autoral e também canções dos festejos tradicionais do Amapá, como ladrões de marabaixo, bandaia das rodas de batuque, e de autoria de artistas amapaenses. Ao som dos tambores juntam-se também chocalhos e os instrumentos de sopro, formando a base musical do Banzeiro.

No dia 13, os desfiles iniciam às 17h, acompanhados pelas bandas da Polícia Militar, marciais e fanfarras. Mais de 4 mil alunos de 57 escolas estaduais irão se apresentar no desfile que contará a história destas oito décadas. Um passeio pelo passado presente e futuro, além de homenagens às personalidades que ajudaram a construir a memória do povo amapaense. Nos dias 14 e 15 os desfiles serão realizados nos distritos de São Joaquim do Pacuí e Santo Antônio da Pedreira.

Esta é a primeira apresentação ao vivo do Cortejo do Banzeiro após o período da pandemia. “O Banzeiro já faz parte da cultura do Amapá, ganhou o coração das famílias, artistas, homens, mulheres e crianças, que mesmo após a parada obrigatória, voltaram com muita vontade de desfilar no cortejo. A saudade era tanta que todas as noites o pátio da Casa do Artesão enche de integrantes antigos e novos”, disse o coordenador do projeto, Adelson Preto.

“Muitas crianças que faziam parte do pelotão dos batuqueiros mirins do Banzeiro, voltam agora participando da ala adulta, isso é de muito valor para nós, que estamos desde o início na condução deste projeto, pois significa que ele é importante e amado. É um prazer retornarmos em uma programação tão simbólica e memorável”, afirma Laura Silva, instrutora.

Os ensaios acontecem até dia 12 de setembro, às 19h, na Casa do Artesão. A coordenação informa que ainda estão abertas as vagas para novos integrantes. No dia 13, após a apresentação das escolas e bandas, e de servidores da Secretaria de Estado da Educação (SEED), o Banzeiro entra na Ivaldo Veras para encerrar a programação do dia.

Mariléia Maciel
Assessoria de Comunicação – Projeto Banzeiro do Brilho-de-fogo
Fotos: Yan Melo

Amapá 80 Anos: Museu Joaquim Caetano abre no feriado de 13 de setembro e traz viagem pela história do ex-Território

Museu terá o acervo histórico disponível para visitação do público de 9h às 18h desta quarta-feira, 13.

Para o feriado de 13 de setembro, o Museu Histórico Joaquim Caetano da Silva estará de portas abertas de 9h às 18h para receber o público, que queira realizar uma viagem pela história do ex-Território do Amapá. O prédio fica na Avenida Mário Cruz, nº 0376, no Centro de Macapá. A entrada é gratuita.

O acervo do museu traz material bibliográfico, documental, fotos, peças, vestimentas, material arqueológico de diversos povos da região, além de acervo sobre o ex-Território, como artefatos no Núcleo Janary Gentil Nunes, com mesa de trabalho utilizado pelo ex-governador, documentos, fotos, livros pessoais e muito mais.

Até o próprio prédio onde o museu funciona integra a história de 80 anos do Amapá, sendo a edificação a primeira Residência do Governador, como explica a coordenadora de Preservação do Patrimônio Histórico da Secretaria de Estado de Cultura do Amapá, Simone de Jesus.

“O visitante vai encontrar peças do primeiro governador, além de conhecer todo o processo de mineração, como foi a chegada da empresa Icomi, a construção da hidrelétrica, tudo que integra essa história do território e do Amapá, que está comemorando 80 anos, assim como o prédio onde o Museu está, que tem uma relevância histórica, ele é o terceiro prédio mais antigo do estado, datando de 1895, e quando foi criado o território federal, o governo que foi instalado aqui, também já foi a Intendência, prefeitura, delegacia e até jornal”, explica.

Com possibilidade de visita guiada, o local estará recebendo estudantes, turistas e a população em geral durante o feriado. O momento promete ser uma oportunidade de realizar uma imersão na história do Amapá.

“Será como se o visitante estivesse há 80 anos conhecendo o Amapá, nosso acervo garante essa viagem no tempo, com possibilidade de atribuir conhecimento e curiosidades”, explica.

Museu Histórico do Amapá Joaquim Caetano da Silva

A edificação é histórica e foi construída no século XIX, inaugurado em 1895, com características neoclássicas, fachada simétrica de composição e coroamento com fronte triangular, bem característico localizado no centro de Macapá.

O local foi a primeira residência oficial do governador, na época Janary Nunes, 1944, e virou o Museu Territorial em 1948. Em 1967, o lugar foi reestruturado ganhando o nome de Joaquim Caetano da Silva. O lugar abrigou outros órgãos públicos importantes.

Das reformas registradas, destacam-se a de 1932, quando o prédio passou por adaptações para abrigar a Prefeitura de Macapá; em 1960, outra reforma incluiu divisões internas na estrutura; já em 1980, foi realizada uma reforma para que o local abrigasse a Procuradoria-Geral e a Defensoria Pública do Amapá e em 1993, o local se tornou o Museu Histórico do Amapá Joaquim Caetano da Silva.

A última reforma, finalizada em 2021, garantiu a reestruturação com climatização e adequação de estruturas comprometidas pelo tempo. O Museu funciona de segunda à sexta-feira, de 9h às 18h e nos sábados de 9h às 13h.

Com exposições e apresentações culturais, `Amapá 80 Anos´ será celebrado no Senado Federal

Programação segue até quarta-feira, 13, dia de comemoração dos 80 anos do Amapá


Em homenagem aos 80 anos de criação do Amapá, o Senado Federal será palco, durante três dias, de uma programação especial para celebrar a cultura e a história do povo amapaense. O evento, com exposições e participação de artistas do estado, terá presença do presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, do governador Clécio Luís, bancada federal e demais autoridades políticas e personalidades nacionais.

A celebração, que inicia nesta segunda-feira, 11, e seguirá até quarta-feira, 13, em Brasília, é uma iniciativa do mandato do senador Randolfe Rodrigues e integra a comemoração “Amapá 80 Anos” do Governo do Estado.

A sessão especial no Plenário do Senado, para marcar a criação do Amapá, também homenageará os 77 anos de história da Rádio Difusora de Macapá, emissora oficial do estado notabilizada como a voz das comunidades da Amazônia, na região.

“Estamos em um ano marcante na trajetória cultural e política do Amapá, então levar toda a grandeza e riqueza que temos para que o país inteiro veja e conheça, traz toda a importância que nos destaca como um estado de grandes expectativas para o futuro e que reconhece, no seu passado, a caminhada que trilhamos para construção do que queremos projetar, nos próximos 100 anos, com base na cultura, sustentabilidade e desenvolvimento consciente e coletivo”, destaca a secretária de Cultura, Clicia Vieira Di Miceli.Os artistas Patrícia Bastos e Jhimmy Feiches abrem as apresentações com o coral do Senado e a Orquestra da Escola de Música de Brasília, sob a regência do Maestro Joaquim França.

“Ainda me considero um estreante perto dos artistas que eu acompanho, que são os meus ídolos aqui do Amapá. Este não será só um momento importante na minha carreira, mas um momento para representar o Amapá e contar um pouco da história do que é o nosso estado. Vou cantar a música Jeito Tucujú, do compositor Val Milhomem, com Patrícia Bastos, só de fazer esse dueto já seria uma grande vitória, mas estar em Brasília e apresentar para os nossos representantes é como receber a bênção para continuar defendendo a arte amapaense”, destaca o cantor, Jhimmy Feiches.

A programação também terá a união musical do Marabaixo e o Rap, com a apresentação da música “Flow Marabaixo”, do artista Pretogonista, que se apresenta com o grupo Raízes da Favela, além de uma diversidade de atividades culturais.

A celebração artística em Brasília, foi garantida em parceria com Governo do Amapá, coordenada pela Secretaria de Cultura (Secult). Amapá 80 anos
A programação “Amapá 80 Anos, conta com uma diversidade de atividades em todo o estado para promover o autoconhecimento e a integração entre o povo amapaense e sua história.

Vários eventos fazem parte da programação, como a feira “Folia Literária do Amapá”, “Virada Cultural Pop”, além de festivais, orquestras e lançamento de editais para o setor cultural.

A 52ª Expofeira do Amapá e o Carnaval 2024 também integram a celebração dos 80 anos de criação do estado.

História
Até o início da década de 1940, as terras do atual estado do Amapá pertenciam ao Pará. Em 1943, o governo brasileiro desmembrou a área, criando o Território Federal do Amapá, com objetivo de estabelecer uma região de defesa, proteção e desenvolvimento para a Amazônia durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1988, com a Constituição Federal, o Território foi elevado à condição de Estado a partir do Decreto-lei nº 5.812.

Governo do Estado promove debate sobre as perspectivas da concessão florestal no Amapá

Será apresentado um panorama das concessões florestais e as oportunidades para a prática do manejo comunitário.

A partir de quinta-feira, 31, o Governo do Amapá promove dois dias de debate sobre o papel da concessão florestal no desenvolvimento econômico e sustentável. O encontro acontece no Palácio do Setentrião, na capital, e também vai abordar a geração de recursos para o Estado e municípios a partir das concessões, resultando em mais políticas públicas para a população.

INSCREVA-SE AQUI 

O debate também vai apresentar um panorama das concessões e as oportunidades para fomentar o manejo comunitário. A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) é responsável pela organização do evento, com o apoio do Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepé), da Embrapa, do Serviço Florestal Brasileiro e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

A secretária de Meio Ambiente, Taisa Mendonça, destacou que essa é uma oportunidade para fortalecer as medidas que buscam impulsionar o crescimento econômico, com respeito ao meio ambiente.

“O manejo florestal sustentável é uma das ferramentas mais importantes para promover desenvolvimento econômico regional, então, essa é uma iniciativa que busca proteger e criar mecanismos para que a gente possa avançar nessa questão, com responsabilidade social e ambiental”, disse a secretária.

Na quinta-feira, 31, o evento acontece das 14h às 18h. Na sexta-feira, a programação será das 9h às 18h. O seminário é voltado para técnicos e gestores das instituições envolvidas, representantes de empresas do setor florestal e da sociedade civil e organizada.

O objetivo é estimular e fomentar a discussão em torno das concessões florestais, promover a integração das instituições envolvidas e informar a sociedade civil sobre o desenvolvimento das práticas de manejo.

No Amapá, quatro cidades com plantações atingidas por fungos entram em situação de emergência

Terras indígenas em Calçoene, Oiapoque, Pedra Branca do Amapari e Porto Grande enfrentam doenças no cultivo de mandioca, base da alimentação da população local

Brasília (DF) – Quatro cidades do Amapá obtiveram, nesta segunda-feira (7), o reconhecimento federal de situação de emergência em razão de doenças causadas por três fungos e uma bactéria em plantações de mandioca nas terras indígenas de Oiapoque. Integram a lista os municípios de Calçoene, Oiapoque, Pedra Branca do Amapari e Porto Grande.

A Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária do Amapá (Diagro) e a Embrapa, em conjunto com a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), detectaram nas plantações fungos dos gêneros fusarium e colletotrichume a bactéria fitoplasma. Eles causam uma série de problemas e impedem a produção de raízes com eficácia. O tubérculo não se desenvolve e, portanto, não há aproveitamento do que foi plantado.

A mandioca é a base da alimentação do povo da região de Oiapoque, que abriga 66 aldeias e uma população estimada em mais de 10 mil indígenas. Estudos identificaram que as pragas atingem todas as áreas de plantio e impactam quase toda a produção de farinha.

Com o reconhecimento federal, os municípios atingidos poderão solicitar recursos do Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR), por meio da Defesa Civil Nacional, para atendimento à população indígena afetada pelo desastre. O repasse pode ser usado, por exemplo, na compra de cestas básicas e água, entre outros.

Também nesta segunda-feira, os municípios de Valente, na Bahia, e Acopiara, no Ceará, receberam o reconhecimento de situação de emergência devido à estiagem.

Como solicitar recursos federais para ações de defesa civil

A solicitação de recursos para ações de defesa civil deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Além de acoes de socorro e assistência às vítimas, os repasses também podem se destinados ao restabelecimento de serviços essenciais e à reconstrução de infraestrutura destruída ou danificada.

Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a valor ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos.

https://www.gov.br/mdr/pt-br/noticias/no-amapa-quatro-cidades-com-plantacoes-atingidas-por-fungos-entram-em-situacao-de-emergencia

Idealizador da exploração de energia eólica no Amapá, Davi lança o maior mapeamento sobre o potencial energético do estado

O senador, que destinou R$ 5 milhões para a realização estudo, diz que medida pode alavancar economia do estado


Durante o lançamento do projeto “Potencial eólico _offshore_ da Margem Equatorial Brasileira e o Potencial Energético do Amapá”, nesta segunda-feira (31), em Macapá, o senador Davi Alcolumbre (AP) disse que o estado deu um importante passo na busca por possíveis soluções para superar os gargalos na produção e fornecimento de energia elétrica.

O projeto é o maior mapeamento em curso no país para identificação do potencial eólico offshore, no mar. O Amapá é o principal contemplado no levantamento, que tem como foco a Margem Equatorial Brasileira.

A região total no centro do estudo corresponde a 38,6% do litoral do Brasil, incluindo o Rio Grande do Norte, líder nacional em geração eólica em terra e um dos potenciais polos de investimentos futuros em complexos eólicos offshore, com os primeiros jà à espera de licenciamento. Os estados do Ceará, Piauí, Maranhão e Pará também farão parte do projeto.

Um dos principais articuladores para identificar o potencial da produção de energia eólica no estado, Alcolumbre destacou ainda que, comprovada a capacidade do Amapá nesse tipo de exploração, governo e população ganham, juntos, com mais desenvolvimento, inovação e sustentabilidade.

“Estamos falando de mais qualidade na geração de energia elétrica, da criação de empregos e, consequentemente, de mais renda para as famílias, além, claro, do avanço na economia estadual, na inovação e na sustentabilidade”, destacou Alcolumbre. Desde de 2020, ano que o Amapá sofreu seu maior apagão energético, o parlamentar luta para “que o estado não reviva um dos capítulos mais tristes de sua história”. Ainda em 2020, quando era presidente do Senado Federal, Alcolumbre e o ex-senador e atual presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, articularam com técnicos do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER) a realização de um estudo sobre o potencial de energias renováveis do Amapá.

“Eu me lembro de que, na época, muitas medidas a curto prazo, necessárias, foram tomadas e imediatamente eu e o senador Davi já tentamos alinhavar soluções mais permanentes para o Amapá e que também gerassem desenvolvimento e projetassem o estado como uma potência energética que ele pode ser”, contou Jean Paul Prates.

O evento desta segunda-feira foi promovido pelo mandato do senador Davi em parceria com o SEBRAE, o governo do estado do Amapá e o Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis, sediado no Rio Grande do Norte e considerado a principal referência do SENAI no Brasil em pesquisa, desenvolvimento e inovação em energia eólica, solar e sustentabilidade. O objetivo do projeto apresentado, cujo prazo de validade é de dois anos, é comprovar a viabilidade da implantação de torres eólicas em território amapaense e da costa equatorial.

Esse estudo sobre o potencial eólico viabilizará investimentos em toda margem Equatorial e, principalmente, no Amapá. Além do mapeamento do potencial eólico offshore da Margem Equatorial Brasileira, o projeto terá como resultado o primeiro Atlas Eólico e Solar do estado do Amapá. O senador Davi trabalha na publicação do Atlas com previsão de entrega para o ano que vem.

Davi foi o responsável pela destinação de R$ 5 milhões para a concretização do estudo. Além de Alcolumbre, participaram do evento o governador Clécio Luís; o secretário-executivo do Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional, Valder Ribeiro, deputados federais e estaduais, prefeitos e vereadores entre outras autoridades e lideranças políticas.

Antes do evento em Macapá, em outra parte da programação, Alcolumbre e o governador Clécio apertaram o botão que oficialmente pôs em operação uma das estações que irão medir os potenciais eólico e solar no estado. A estação foi inaugurada no SENAI, em Santana.

A estação de Santana lançada hoje é considerada a mais moderna da Margem Equatorial. “Temos o que há de melhor e mais moderno nesta nova estação”, acrescentou Alcolumbre.

Atualmente, seis municípios possuem a estação de medição de potencial eólico e solar – Laranjal do Jari, Oiapoque, Tartarugalzinho, Amapá, Porto Grande e Santana.

*_Mais economia para o estado_*

De acordo com o senador, com esse projeto, o Amapá está dando o “pontapé inicial” na vanguarda da agenda ambiental, da descarbonização, das energias renováveis e da transição energética. “Nossa expectativa é de que, até 2024, o Brasil tenha determinado o seu potencial eólico da Margem Equatorial, com um ambiente legal para viabilizar a exploração da nova fronteira energética brasileira, capaz de alavancar a indústria naval, a indústria de energia e aerogeradores, gerando empregos e renda para a transformação de vidas e uma transição energética justa no nosso querido Amapá”, afirmou.

Outra meta do estudo, segundo Davi, é, confirmado o potencial eólico do Amapá, atrair mais investimento para o estado e aumentar a geração de emprego e renda para a população.

Também presente no evento, o governador Clécio Luís reconheceu o empenho do senador Davi para a “concretização de mais um sonho para o Amapá” e também ressaltou a relevância do projeto para o crescimento do estado e suas consequências para o desenvolvimento regional. “Daqui a um ano estaremos entregando um Atlas para que o setor privado possa investir no Amapá para gerar energia eólica e solar. E, com isso, criar emprego, renda e novas fontes de energia, notadamente renovável”, frisou o governador.

O diretor do SENAI-RN e do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis, Rodrigo Mello, ratificou a necessidade do projeto para conhecer o real potencial do Amapá para a exploração de energia renovável. “Estamos apresentando o projeto, o início da operação, da instalação dos equipamentos que vão gerar os dados necessários, os levantamentos para se chegar ao potencial de geração de energia eólica e energia solar. Isso é muito relevante porque a qualidade e o volume de dados que existem na região ainda são baixos”.

O coordenador de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação (PD&I) do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis, Antonio Medeiros, também acredita que o levantamento será primordial para compreender a integração energética da Margem Equatorial brasileira. “Nós damos agora o _start_ das medições no Amapá e um aspecto fundamental disso é que medir variáveis climatológicas numa região que é bastante influenciada pelo clima da Amazônia contribui para que possamos entender toda a influência da Zona de Convergência Intertropical sobre o clima da Margem Equatorial”.

_Apresentações_

Durante o evento de lançamento do mapeamento, foram realizadas apresentações do diretor do SENAI-RN e do ISI-ER, Rodrigo Mello, do coordenador de P&D do ISI-ER, Antonio Medeiros, e dos pesquisadores do Instituto, Vanessa de Almeida Dantas e Jean Souza dos Reis.  Atividades já desenvolvidas e quais serão os produtos entregáveis aos brasileiros e especificamente aos amapaenses foram detalhados pela equipe.
Mello também apresentou resultados da análise “Impactos Socioeconômicos da produção de energia eólica nos municípios do Rio Grande do Norte”, desenvolvida pelo MAIS RN – Núcleo de Gestão Estratégica da Federação das Indústrias do RN (FIERN) – a pedido do SENAI.

O trabalho, explicou ele, mostra que municípios com parques eólicos instalados no Rio Grande do Norte deram um salto nos últimos anos em geração de riquezas, empregos e criação de negócios.

*Assessoria de Imprensa*
*Senador Davi Alcolumbre*

De geração em geração, mazaganenses mantêm vivo o costume das máscaras na Festa de São Tiago

Arte de confeccionar as ‘caraças’ passa de pai para filhos. Em 2023, Governo do Amapá investe R$ 1,2 milhão nos festejos.


É a tradição mantida por gerações de mazaganenses que faz acontecer a Festa de São Tiago, com toda a sua beleza, devoção e importância histórica. Um dos costumes que faz parte da celebração é o uso de máscaras tradicionais, também chamadas de caraças, amplamente utilizadas no Baile de Máscaras, que acontece no dia 24 de julho e é um dos momentos mais importantes da festa.

Na atualidade, quem conduz esse processo é o funcionário público Elisardo Pinto, de 63 anos. As máscaras são fabricadas a partir de moldes, com papel de jornais, revistas e com cola. Cada uma é pintada de forma individual, com a ajuda dos familiares. A luta, hoje, é para manter a tradição das “caraças” contra as máscaras industrializadas, que não são proibidas.

“É a nossa contribuição para a nossa cultura. Nossa colaboração para esse belo episódio da festa, que é o nosso Baile de Máscaras”, resume o mazaganense.

A produção de seu Elisardo é adquirida pela organização da festa. Em 2033, o Governo do Estado apoia a celebração com o repasse de R$ 1,2 milhão garantindo a estrutura de palco, cercas de contenção, sonorização, aluguel de cavalos para as encenações, aquisição de material e confecção das indumentárias, incluindo a Festa das Crianças.

Baile de Máscaras

O momento faz parte das encenações das batalhas entre mouros e cristãos.De acordo com o enredo, os mouros achavam que haviam conseguido a morte de cristãos, envenenados na “Entrega dos Presentes”, quando ofereceram comida envenenada sob a justificativa de trégua.

O baile inicia por volta 20h, depois da novena na igreja. Após um ritual no qual pedem proteção, os mascarados “invadem” o Barraco de São Tiago, dançam e se divertem até ao amanhecer do dia 25. Nos primeiros raios do sol, são os mascarados que levam as imagens de São Tiago e São Jorge para a capela, onde acontece a missa campal em louvor ao santo homenageado.

Festa de São Tiago

Tradição vinda da África ainda no século 18, a Festa de São Tiago retrata a história de um soldado anônimo que lutou ao lado dos cristãos e garantiu a vitória na Guerra Santa contra os mouros.

A festividade mistura as cerimônias religiosas com cavalaria e teatro a céu aberto, encenado pelos próprios residentes da cidade histórica, durante os 13 dias ininterruptos de programação, que acontece de 16 a 28 de julho.

Por meio da articulação do Governo do Estado, o tradicional festejo foi incluído no Calendário Nacional de Ministério do Turismo, uma ferramenta on-line que reúne os principais eventos de todo o país.

CSA realiza manutenção programada na ETAM no próximo domingo (23/07)

A Concessionária de Saneamento do Amapá (CSA) informa que no próximo domingo (23/07) será realizada uma manutenção programada para interligação da rede elétrica ao novo sistema de geração de cloro da Estação de Tratamento de Água de Macapá (ETAM). A unidade está em fase final de construção e a interligação se faz necessária para a ativação de seus painéis de controle.

Durante a manutenção, que ocorrerá das 14h às 20h, o fornecimento de água estará temporariamente comprometido nas regiões sul e central de Macapá. Após os serviços, o abastecimento retornará gradativamente.

Os bairros impactados são: Alvorada, Central, Santa Rita, Nova Esperança, Jesus de Nazaré, Laguinho, Pacoval, Perpétuo Socorro, Cidade Nova I e II, área do aeroporto, São Lázaro, Santa Inês, Trem, Novo Buritizal, Buritizal, Muca, Beirol, Açucena, São José, Marco Zero, Zerão e Universidade.

A concessionária orienta aos moradores destas áreas que armazenem água suficiente para suas necessidades durante o período de manutenção. Para outras informações e registro de ocorrências, o canal de atendimento da empresa está disponível 24 horas no telefone 0800 086 0116.

Produtos certificados com Selo Amapá são destaque em evento sobre comércio internacional

Promovido pelo Governo do Estado, Amapá Export Day apresentou exposição com itens de produção genuinamente tucuju, como chocolates, produtos de beleza e cerâmica.


Os produtos certificados com o Selo Amapá ganharam ainda mais destaque no Amapá Export Day, evento promovido pelo Governo do Estado, na terça-feira, 18, na capital, para debater estratégias de ampliação dos bens e serviços locais no comércio internacional. Na exposição, os participantes puderam conhecer cerca de 30 produtos genuinamente amapaenses, como farinhas, chocolates, biscoitos, picolés, açaí, produtos de beleza, fitoterápicos, cerâmicas, dentre outros.

O Selo Amapá é um certificado que atesta a origem e agrega valor econômico e ambiental aos itens. A marca também garante que eles são produzidos com matéria-prima da biodiversidade local, de origem animal, vegetal e mineral, um fator que gera reconhecimento no comércio nacional e no exterior. 

Desde a implantação do programa, em 2017, já são mais de 150 empresas amapaenses com itens certificados, que, no total, somam mais 800 produtos com o selo origem. Para o Presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Amapá, órgão responsável por coordenar o Programa no Estado, eventos como o Amapá Export Day fortalecem as empresas certificadas com o selo.

“Sobretudo para demonstrar mundo afora que ‘ficamos adultos’, não só pela emancipação política, mas principalmente, pela nossa capacidade de emancipação econômica” destacou, Jurandil Juarez.

Oportunidades

Durante o evento, algumas empresas tucujus foram selecionada para participar de exposições internacionais, escolha que marca o início de grandes oportunidades para empreendimentos.

Entre eles, está a Ybyrá Biodesign da Amazônia, que foi ranqueada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) para ser a única empresa a representar o Estado do Amapá na rodada Exporta BR Imóveis, evento de negociações internacionais, que vai acontecer em João Pessoa, de 16 a 18 de agosto.“Diante de tudo isso, quero dizer que a gente está muito feliz de ter o apoio do Governo do Estado e de múltiplas instituições e personagens que estão dando as mãos para desenvolver o Amapá, alicerçado ao impulsionamento da bioeconomia sustentável, que nós sabemos que é o setor que mais cresce no Amapá, no Brasil e no mundo”, declarou o diretor da Ybyrá, Yuri Bezerra.

A Ybyrá Biodesign da Amazônia trabalha com a produção de mesas, cadeiras, bancadas, luminárias, dentre outros móveis, tendo como matéria-prima o reaproveitamento de troncos de árvores tombadas de forma natural e de resíduos de empresas com áreas de madeira certificada, como a TW Forest.

Com recursos articulados por Davi, municípios do Amapá recebem carros e máquinas para impulsionar o setor produtivo


Após uma intensa agenda no Amapá, nesta segunda-feira (17), o senador Davi Alcolumbre (AP) comemorou a entrega de mais de 2,5 mil equipamentos, entre carros, motoniveladoras e motores rabeta para 14 municípios amapaenses. As doações foram feitas via Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) com o objetivo de impulsionar a produção rural e ajudar famílias que vivem desse tipo de renda. 

Os recursos para a compra de todo aparato, no valor de mais de R$ 19 milhões, foram articulados por Alcolumbre, além dos R$ 12 milhões para pavimentação de vias em Macapá, Santana e Oiapoque. Totalizando um investimento de R$ 31,9 milhões.

Ao todo, foram doados 2,5 mil motores rabeta (R$ 2,8 milhões), 50 pick-ups (R$ 12,4 milhões) e cinco motoniveladoras (R$ 4,2 milhões) às regiões de Calçoene, Cutias, Ferreira Gomes, Itaubal, Laranjal do Jari, Mazagão, Pedra Branca do Amaparí, Porto Grande, Pracuúba, Santana, Tartarugalzinho, Vitória do Jari e Oiapoque. Os demais municípios, assim como a capital, Macapá, já receberam máquinas e equipamentos entregues anteriormente.

Ao lado do ministro da Integração e Desenvolvimento Regional, Waldez Góes e do governador Clécio Luís, além de lideranças políticas locais, Alcolumbre disse que os equipamentos entregues são de extrema importância para, principalmente, mudar a realidade de dezenas de famílias amapaenses.

“Hoje é um dia de muita comemoração para nosso estado. Estamos ampliando a capacidade de produção de pessoas trabalhadoras que, com o suor de seu rosto, sustentam suas famílias e contribuem para o Amapá. Hoje, por meio desses equipamentos, estamos dando mais condições para que o trabalho dessas pessoas seja realizado de forma mais digna e efetiva. Com isso, ganha o produtor, ganham as famílias e ganha o estado como um todo”, frisou o parlamentar. Ainda nesta segunda-feira, o senador participou da inauguração da nova sede provisória da 11ª Superintendência Regional da Codevasf, em Macapá.

O ministro Waldez Góes ressaltou a importância da iniciativa para acelerar a produção rural dos trabalhadores do campo. “Isso faz valer o olhar para esse setor tão importante para o Amapá e para o Brasil. Temos um presidente da República que tem esse olhar e temos também os parlamentares como tomadores de decisão nos espaços de poder tanto nas Câmaras quanto no Senado, a exemplo do senador Davi Alcolumbre que tem esse compromisso e dedicação que possibilitam o desenvolvimento e o crescimento da nossa produção rural”, afirmou.

Para o governador Clécio Luís esse é um compromisso de sua gestão com o desenvolvimento regional e com os trabalhadores rurais. “ São muitas entregas que fortalecem o primeiro setor e desenvolvem o Amapá como um todo. Esta é a terceira de uma série de ações que beneficiam o setor produtivo do estado, fruto das articulações e da atenção ao nosso estado do senador Davi para incentivar, cada vez mais, esse setor fundamental para nossa economia”.

Asfaltamento de vias

Ainda na segunda-feira, um importante passo foi dado para a pavimentação de vias importantes no Amapá. Com recursos também articulados por Davi Alcolumbre, um total de mais de R$ 12 milhões, foram assinadas as ordens de serviço (OS) para a pavimentação das Linhas B, C e F, em Macapá, e também em Santana e em Clevelândia do Norte. “Hoje, demos os primeiros passos para, finalmente, aprimorarmos a infraestrutura de importantes vias dos municípios do nosso estado. Com essa pavimentação, estaremos dando um passo importante no que diz respeito a oferecermos aos amapaenses: mais mobilidade, mais segurança e, consequentemente, bem-estar”, frisou o senador.

*Assessoria de Imprensa*
*Senador Davi Alcolumbre*

Com percentual de vagas dedicadas às mulheres, SENAI Amapá e Grupo Equatorial ofertam curso de eletricista


Mercado aquecido, formação profissional de excelência e necessidade de pessoas qualificadas. Esses são os elementos que juntos, fazem da Escola de Eletricistas do Grupo Equatorial, em parceria com o SENAI Amapá, um programa de sucesso. O objetivo é a formação de profissionais para atuar no setor de distribuição de energia elétrica.

Direcionada para jovens e adultos maiores de 18 anos, e sem idade limite para se inscrever, a nova turma é formada com 35% das vagas direcionadas para mulheres, que reforça o compromisso da concessionária com a garantia da representatividade feminina e igualdade de gênero nas operações do setor elétrico.

Tatiani Paiva, aluna da Escola de Eletricistas, reforçou que enxergava a profissão como predominantemente masculina, mas viu na Escola de Eletricistas a oportunidade de realizar um sonho. “Esse curso vai mudar a minha vida, pois sempre tive vontade de ser uma profissional desse segmento. Nunca é tarde para realizar um sonho”, pontuou.

A diretora de Operações do SENAI, Alyne Vieira, define a parceria entre as instituições como um casamento. “Nós entramos com a qualificação da mão de obra e a Equatorial e as empresas parcerias com a oferta de emprego para esses profissionais formados, o que resulta em um casamento entre SENAI e mercado de trabalho”, declarou.

Para a gerente de Gente e Gestão da CEA Equatorial, Rayssa Assunção, a empresa tem o compromisso com o desenvolvimento profissional. “Queremos qualificar mão de obra especializada para atuar no setor elétrico e com isso garantir qualidade de vida para as pessoas e seus familiares”, frisou.

Sobre o curso

A qualificação possui carga horária de 40 horas semanais, totalizando três meses e meio de formação. Os estudantes desenvolvem habilidades técnicas na área, além de raciocínio lógico, comunicação e relacionamento interpessoal, ampliando a empregabilidade dos participantes.

No curso serão ministradas também, aulas de condução de veículos de médio e grande porte utilizados pelas empresas do Grupo Equatorial.  Os estudantes recebem ainda, uma ajuda de custo mensal para auxiliar na conclusão da formação.

Gerência de Comunicação Corporativa SESI/SENAI – AP

Senac Amapá oferta 444 vagas gratuitas para cursos em Macapá e Santana

Além dos cursos profissionalizantes, o Senac disponibiliza vagas para cursos técnicos nas áreas de saúde e tecnologia

O Programa Senac de Gratuidade (PSG) divulga edital para cursos gratuitos no município de Macapá e Santana. São 339 vagas para Macapá, entre eles dois técnicos na área da saúde e tecnologia, e 105 vagas para o município de Santana. O edital está disponível no site: www.ap.senac.br.

Para o município de Macapá, são disponibilizados 13 cursos, sendo Assistente de Marketing e Vendas, Administrador de Redes, Assistente de Tecnologias da Informação, Técnico em Informática, Assistente de Secretaria Escolar, Cabeleireiro Assistente, Manicure e Pedicure, Agente de Informações Turísticas, Auxiliar de Cozinha, Recreador, Frentista, Recepcionista em Serviços de Saúde e Técnico em Enfermagem.

Em Santana, 4 cursos estão disponíveis, que são: Assistente de Marketing e Vendas, Vendedor, Operador de Computador e Recepcionista em Serviços de Saúde.

Podem se candidatar pessoas de baixa renda, que sejam alunos matriculados ou egressos da educação básica, trabalhadores empregados ou desempregados, cuja renda familiar mensal per capita não ultrapasse 2 (dois) salários mínimos. O candidato que se enquadra neste perfil e ficou interessado em um dos cursos deverá preencher a ficha de inscrição on-line, podendo concorrer somente a uma vaga.

As inscrições serão realizadas exclusivamente pela Internet, no endereço eletrônico disponibilizado no edital, nos dias 4 de julho, para as vagas disponíveis no município de Macapá e 5 de julho, para as vagas disponíveis em Santana.

O resultado deste processo seletivo fica disponível no dia 7 de julho, a partir das 14h, no site do Senac Amapá.

Ascom/Senac Amapá