Governo do Estado envia máquina de dessalinização para garantir água potável à população do Bailique

Medida faz parte das alternativas para amenizar as dificuldades enfrentadas pelas famílias devido à salinização das águas dos rios que banham as ilhas.


O Governo do Amapá enviou ao arquipélago do Bailique uma máquina de dessalinização de água para testes na localidade. A estratégia faz parte das alternativas para amenizar as dificuldades enfrentadas pelas famílias da região devido à salinização das águas dos rios que banham as ilhas.

O equipamento tem capacidade para tratar cerca de mil litros de água por hora, transformando o líquido insalubre em potável, pronto para o consumo. Estima-se que o super dessalinizador funcione em fase de teste por aproximadamente 15 dias, na Vila Progresso, a comunidade mais populosa do arquipélago.

“Estamos buscando várias soluções para aplacar a situação das famílias que sofrem com a falta de água potável no Bailique por causa da salinização do rio. Esse equipamento vai para o arquipélago e vai ficar lá por um período de testagem. Essa máquina é muito similar à que nós vimos no Rio Grande do Norte quando estive lá no mês de junho, justamente em busca de soluções. Estamos com uma expectativa muito boa”, detalhou o governador Clécio Luís.

A máquina funciona com o auxílio do gerador de energia, mas também pode ser adaptada para alimentação através de energia solar. O responsável pela fabricação da máquina, Wester Araújo, explicou como ela funciona.

“É um modelo de salinizador compacto de fácil funcionamento. A bomba de sucção capta a água do rio, leva para os tanques onde recebe um pré tratamento físico químico. O sal é separado da água, a deixando própria para o consumo humano. É importante lembrar que o equipamento já passou por um pré-teste. A água foi examinada em laboratório que comprovou que ela estava livre de substâncias e organismos que possam trazer doenças”, disse Araújo.

Ajuda humanitária

Para atender as famílias de forma imediata, desde janeiro de 2023, o Governo do Amapá já distribuiu cerca de 2,2 mil caixas d’água aos moradores do distrito. Os reservatórios são utilizados como sistemas individuais de captação da água da chuva, servindo como para armazenamento do líquido para consumo.

As famílias também receberam hipoclorito de sódio para tratamento da água. Foram enviados, ainda, água mineral, kits de higiene bucal, kits para vacinação contra a Covid-19 e Influenza e medicamentos.

Rede SENAI de Inovação apresenta solução para a dessalinização da água no arquipélago do Bailique


O SENAI Amapá e o Instituto SENAI de Inovação em Química Verde participaram da Audiência Pública: Desafios Ambientais do Distrito do Arquipélago do Bailique e Estratégias para o seu Enfrentamento. O encontro foi promovido pela Assembleia Legislativa do Estado Do Amapá (Alap), e contou com a participação de entidades públicas da esfera municipal, estadual e federal.

Durante a sua participação, no eixo temático de soluções para a dessalinização da água no arquipélago, a Rede SENAI de Inovação apresentou o projeto para levar água potável para as comunidades ribeirinhas no distrito que fica localizado no delta do Rio Amazonas.

O projeto consiste em uma balsa que capta água salobra do rio e faz o tratamento em uma usina de dessalinização. Após esse processo a água será distribuída para as comunidades afetadas pela salinização provocada pelo oceano atlântico.

A solução apresentada é viável e possível de ser executada de acordo com o gerente executivo de operações do SESI / SENAI Amapá Julio Zorzal. “Em parceria com o IEPA, identificamos a situação da região e propusemos esta solução que utiliza energia renovável para garantir a sua operação e fazer o processo de dessalinização da água”, explica.

O pesquisador-chefe do Instituto SENAI de Inovação em Química Verde, Antônio Fidalgo, falou que o projeto é pensado não só para o arquipélago. “A pesquisa começou a ser realizada em 2022 e será uma solução não só para o Amapá, mas para outros lugares que enfrentam o problema de salinização da água”, pontuou.

De acordo com o deputado estadual Jesus Pontes, propositor da audiência, ressaltou a importância da pesquisa desenvolvida pela Rede de Inovação SENAI na região.

“Uma instituição que pesquisa como o SENAI traz melhorarias não só para a indústria, mas à vida dos brasileiros esse projeto vai trazer a solução que a população precisa”, declarou o parlamentar.

Para o vice-governador do Amapá Antônio Teles Júnior, a contribuição da Rede SENAI de Inovação como parceiro no processo é fundamental. “Nós precisamos criar condições para que os moradores da região. Junto com os parceiros, vamos trabalhar soluções a médio e longo prazo para resolver o processo de dessalinização da água”, disse.

Rede SENAI de Inovação

Por meio de pesquisa aplicada, os Institutos SENAI de Inovação (ISI) promovem o desenvolvimento de novos produtos, processos e soluções industriais customizadas. A rede conta com 26 institutos de inovação e mais de 900 pesquisadores envolvidos em cerca de um mil e trezentos projetos.

E empresas públicas, privadas, governo e universidades do Amapá podem contar com a infraestrutura de ponta da rede através do SENAI Amapá.

Gerência de Comunicação Corporativa SESI/SENAI – AP

CSA informa risco iminente no abastecimento de água de Macapá nos próximos dias


A Concessionária de Saneamento do Amapá (CSA), prezando pelo seu Valor Transparência, vem a público informar que detectou instabilidade no funcionamento da bomba que atende ao sistema de captação de água bruta do Rio Amazonas. Essa instabilidade apresenta risco iminente de interrupção no abastecimento da rede de Macapá nos próximos dias.

As equipes da CSA já estão em operação para minimizar os impactos e, em atenção aos clientes atendidos pela concessionária, a orientação preventiva, neste momento, é que seja feito o uso racional da água por meio de armazenamento em reservatórios domiciliares.

A CSA informa que já adquiriu novas peças para serem substituídas em caráter emergencial e, enquanto o serviço não for finalizado, o sistema funcionará com sua capacidade reduzida.

A CSA iniciou as operações no Amapá no dia 13 de julho deste ano e vem trabalhando em um plano de investimentos para a modernização da rede de distribuição de água e da estrutura dos sistemas existentes para diminuir as intermitências do fornecimento.

Além das equipes de campo, a Central de Atendimento da CSA continua disponível 24h no telefone 0800 086 0116 para mais informações.

Assessoria de Comunicação da CSA

Governo do Amapá leva água potável a famílias atingidas por salinização no arquipélago do Bailique


Balsa com suprimento de água parte do município de Santana para o distrito de Bailique nesta segunda-feira, 18.

Uma balsa abastecida com cerca de 100 mil litros de água potável parte nesta segunda-feira, 18, da área portuária do município de Santana rumo ao Bailique, arquipélago pertencente ao município de Macapá. Ao longo de três dias, serão 500 mil litros de água potável enviados pelo Governo do Amapá para as cerca de 8 mil famílias atingidas pela salinização causada pelo avanço do mar na região.

SAIBA MAIS: Governo planeja ações de assistência aos distritos de Bailique e Vila Velha do Cassiporé.

“Estamos trabalhando de forma integrada entre os diversos órgãos do Estado para garantir assistência efetiva a curto, médio e longo prazo para a população”, disse o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Wagner Coelho.

Além do carregamento imediato de água potável, o Governo também envia para a localidade uma Estação de Tratamento de Água para abastecer, de forma definitiva, as famílias atingidas pela salinização. A estrutura é capaz de produzir 10 mil litros do líquido potável por hora e será instalada em uma balsa que também receberá uma bomba de captação.

A logística da operação consiste em extrair água do Rio Amazonas em pontos próximos ao Bailique que ainda não foram atingidos pela salinização. Uma equipe da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa) trabalha para que a instalação esteja completa na quinta-feira, 21, e a balsa parta para o arquipélago.

Terras Caídas

O avanço do mar sobre os leitos dos rios, causa da salinização da água na região e agravado pela estiagem deste ano, é monitorado pelas equipes do Governo do Estado junto de outro fenômeno: as “terras caídas”.

O fenômeno é caracterizado pela erosão das margens dos rios, que provoca o avanço de sedimentos para os leitos de água e o desmoronamento do solo, ameaçando também a integridade das edificações.

Desde 2015 um grupo de trabalho permanente é comandado pela Defesa Civil do Amapá, que junto de pesquisadores do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (Iepa) e outras instituições, realizam estudos e prestam assistência à população da região afetada.

https://www.portal.ap.gov.br/noticia/1810/governo-leva-agua-potavel-a-familias-atingidas-por-salinizacao-no-arquipelago-do-bailique