Prefeitura de Macapá firma cooperação técnica com a Fiocruz para elaboração do Jardim Terapêutico Tucuju

A Prefeitura de Macapá firmou nesta terça-feira (21) uma cooperação técnica com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O acordo prevê a criação de um Jardim Terapêutico Tucuju. O projeto será executado no Bioparque da Amazônia e pretende estimular a fitoterapia complementar através da criação de canteiros de espécies medicinais e aromáticas, principalmente amazônicas.

“Este momento é histórico e muito importante para a produção científica macapaense. Essa parceria com a Fiocruz nos orgulha pelo reconhecimento. O acordo celebra uma troca de saberes, valorizando a sociobiodiversidade. O Bioparque da Amazônia é um ativo grande e não deve ser visto apenas pelo viés do turismo ecológico, afinal ainda chegará o dia em que o parque não será mais somente do Amapá, e sim do mundo”, destacou o prefeito de Macapá, Dr. Furlan.

O projeto do Jardim Terapêutico pretende também identificar espécies medicinais arbóreas, que servirão como instrumento didático para revitalização da fitoterapia amazônica, caracterizada pelo uso de cascas, resinas, raízes e folhas das espécies locais.

De acordo com o diretor-presidente do Bioparque, Marcelo Oliveira, o município de Macapá é o primeiro da região norte a celebrar um acordo de cooperação técnica com a Fiocruz nesse patamar.

“O parque é um laboratório vivo que reflete a Amazônia. O Jardim Terapêutico é um projeto inovador, que significa um avanço para a pesquisa científica dentro da unidade. O primeiro passo será a identificação biológica e genética das espécies. Tudo isso, através de um resgaste da história do Bioparque, que na época do Mestre Sacaca já era utilizado como fonte de pesquisa das ervas e plantas medicinais”, frisa o presidente.

Acordo

O termo tem como objetivo a cooperação técnica e científica entre ambas as partes, no desenvolvimento do projeto intitulado Jardim Terapêutico Tucuju. A Fiocruz disponibilizará a equipe técnica do Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS), além de prestar assistência no perfil químico de todas as espécies vegetais selecionadas para o projeto e no processo de herborização, que consiste na coleta de plantas vivas e secá-las para estudo científico de uma coleção botânica destinada à pesquisa.

“A Fiocruz entrará com aporte técnico científico para construção do Jardim Terapêutico, que busca o resgate do uso tradicional das plantas medicinais. Iremos juntar os dois diferentes saberes: das populações amazônicas e o acadêmico. No início, será agregado à literatura já existente do bioma amazônico, que é riquíssimo. Depois partiremos para o estudo da bioprospecção, com o levantamento étnico botânico”, explica o coordenador do Sistema Nacional das Redes Fito, doutor Jefferson Pereira Caldas.

Conforme o acordo, caberá ao Bioparque coordenar a execução do projeto, criando um grupo de Grupo de Trabalho composto pelos diversos parceiros, como o Instituto de Pesquisa Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa), além do acompanhamento e divulgação de resultados parciais e anuais.

Jardim Terapêutico

Em longo prazo, o projeto destinará um espaço físico para realização de oficinas e produção de fitoterápicos caseiros; capacitará agentes de saúde para inclusão da fitoterapia no atendimento na saúde pública; realizará atividades de educação ambiental com plantas medicinais; implantará unidades de cultivo de plantas medicinais.

O Jardim Terapêutico permite várias vertentes, como a cadeia de bioprodutos para região. Afinal, faz parte da cultura amazônica a utilização das ervas medicinais no tratamento de diversas enfermidades.

A cerimônia de assinatura do termo de cooperação com a Fundação Oswaldo Cruz contou com a presença do diretor técnico do Iepa, Allan Kardec, e do secretariado municipal.

— 

Prefeitura Municipal de Macapá

http://www.macapa.ap.gov.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.