No Amapá, mês de conscientização sobre a leucemia incentiva doação de medula óssea

A campanha fevereiro laranja busca chamar a atenção da sociedade sobre os sinais e sintomas da leucemia para facilitar o tratamento precoce, além de estimular o cadastro para doação de medula óssea, que pode ser feito na recepção do Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá (Hemoap).

A leucemia é um tipo de câncer sanguíneo que afeta diretamente os glóbulos brancos (leucócitos), células de defesa atuantes no organismo contra infecções. A doença é caracterizada pelo crescimento anormal de células cancerígenas que substituem os glóbulos brancos saudáveis na medula óssea.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), aproximadamente 10 mil novos casos da doença devem ser registrados em 2022. A leucemia tem diversos subtipos, mas pode ser classificada como “aguda” ou “crônica”. O tipo agudo é quando a doença avança rapidamente, enquanto o crônico progride de forma mais lenta.

A medula óssea, local onde as células sanguíneas são fabricadas, é um tecido líquido-gelatinoso que compõe os ossos e é popularmente conhecida como “tutano”. Dependendo do tipo de leucemia, é possível tratar por meio de quimioterapia associada a outros procedimentos, mas o transplante de medula óssea é indicado para leucemias agudas ou que representam risco de intermediário a alto.

De acordo com a médica hematologista do Hemoap, Rafaela Quintas, a origem da leucemia, na maior parte dos casos, é desconhecida, mas alguns agentes podem predispor seu aparecimento.

“Exposição excessiva à radiação, benzeno e agrotóxicos podem ser fatores de risco. A prevenção está relacionada a não exposição a esses fatores e exames de rotinas para facilitar o tratamento precoce, caso a doença seja identificada”, alertou a médica.
Apesar de ser uma doença normalmente silenciosa, é possível identificar alguns sinais e sintomas: Cansaço, fraqueza, mal-estar, manchas vermelhas pelo corpo, sangramentos pela gengiva ou nariz, febre, perda de peso sem intenção, aumento do baço e fígado e linfonodomegalias. É indispensável procurar um hematologista quando houver alterações no hemograma, como contagens altas ou muito baixas de leucócitos, por exemplo.

Cadastro para doação de medula óssea
Um dos maiores desafios para quem precisa de transplante de medula óssea, é encontrar um doador compatível. A chance de compatibilidade é de 1 para 100 mil.
No Amapá, para se tornar um doador é preciso procurar o Hemoap, portando documento oficial com foto. O cadastro é feito na recepção do hemocentro.

Os critérios para se tornar um doador de medula óssea são: ter entre 18 e 35 anos de idade, estar em bom estado geral de saúde, não ter doença infecciosa ou incapacitante e não apresentar doença hematológica, neoplásica ou autoimune.
O Hemoap fica localizado na avenida Raimundo Álvares da Costa, 1093 – Centro, e funciona de segunda a sexta, das 7h30 às 12h30.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.