Amapá registrou 338 casos de HIV/Aids em 2021

 

Segundo dados do Serviço de Assistência Especializada e Centro de Testagem e Aconselhamento (SAE/CTA), em 2021, o Amapá registrou 338 novos casos de HIV/Aids. Desse total, a prevalência é de 62% para homens, com faixa etária de 21 a 30 anos.


Comparando com o ano de 2020, que fechou com 268 casos, houve aumento de mais de 21% nos diagnósticos. Para a coordenadora do SAE/CTA, Virginia Moreira, esse aumento pode ser reflexo direto de uma cultura que não prioriza a prevenção.

“Reforçar a prevenção através de ações de conscientização é fundamental para que essa ideia fixe socialmente. Precisamos sempre abordar o assunto e trabalhar enquanto agentes na disseminação da importância da prevenção através do preservativo”, disse.

No Amapá, o SAE/CTA é referência no tratamento de pessoas que convivem com HIV/Aids. Para ter acesso ao serviço, é necessário realizar o teste em uma Unidade Básica de Saúde (UBS). Com o encaminhamento, a unidade refaz os testes do paciente para que ele possa ter acesso ao serviço de assistência.

A unidade dispõe de consultas, realiza exame de carga viral (para identificar o volume de vírus presente no sangue), exame CD4 (que avalia o sistema imunológico para saber os fatores de contaminação e transmissão), além de dispensar a medicação adequada para cada paciente.

Conviver com HIV não significa ter AIDS
A sigla HIV diz respeito ao vírus da imunodeficiência humana (human immunodeficiency virus). A Aids é a Síndrome da imunodeficiência adquirida (Acquired Immune Deficiency Syndrome), estado avançado do vírus no organismo que se estabelece quando o paciente não segue o tratamento adequado.

Pacientes soropositivos podem nunca desenvolver a Aids, desde que façam o tratamento com antirretrovirais, que impedem a multiplicação do vírus e tornam a carga do HIV indetectável. O consenso médico é de que o vírus indetectável também significa não transmissível.

Transmissão e sintomas

A contaminação pelo vírus da imunodeficiência humana acontece durante a troca de fluídos corporais (sêmen, secreções vaginais, leite materno e sangue). Outra circunstância de risco é o compartilhamento de materiais perfuro cortantes previamente contaminados.

“Cada pessoa deve possuir um kit de manicure e de sobrancelhas, com pinças e alicates próprios. Quem faz tatuagem necessita estar alerta para as condições do material do estúdio e do ambiente”, adverte a coordenadora do SAE/CTA.

Perda de peso, dor de cabeça, cansaço excessivo, garganta inflamada, febre baixa, perda de apetite, dores nas articulações, sudorese noturna e diarreia estão entre os sintomas mais comuns da infecção por HIV.
Na fase mais avançada podem surgir doenças oportunistas como pneumocistose, histoplasmose, herpes, candidíase, meningite, tuberculose, entre outras.

Por serem sintomas amplos, o paciente pode ter dificuldade de relacionar ao vírus, por isso é indispensável realizar o teste de HIV quando houver suspeita de contaminação.

Prevenção combinada
O uso o simultâneo de metodologias preventivas é conhecido como Prevenção Combinada e engloba ações como: conscientização, testagem regular para Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), uso de preservativos e profilaxias de pré e pós exposição ao vírus (PEP e PrEP).

A Profilaxia Pré-Exposição diminui a possibilidade de infecção pelo HIV para quem se expõe a situações de risco e é indicada para grupos de maior vulnerabilidade, como profissionais do sexo e usuários de drogas, por exemplo. A PrEP é uma combinação medicamentosa que impede que o vírus se estabeleça e se espalhe pelo organismo.

A Profilaxia pós-exposição é um recurso emergencial indicado para as pessoas que se expuseram a situações em que possam ter sido infectadas pelo vírus HIV. A PEP é um tratamento que dura 28 dias e precisa ser iniciado o mais rápido possível, com prazo máximo de 72 horas.

“A prevenção combinada deve ser difundida como um recurso possível, não como única opção. O uso da camisinha feminina, masculina e a diminuição da exposição a situações de alto risco de contágio ainda são as medidas mais efetivas de prevenção”, completou Virginia Moreira.

As profilaxias não previnem outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) como herpes, sífilis e gonorreia.
A PrEP é disponibilizada pelo SAE/CTA e a PEP pelo sistema básico de saúde, através de UBS.

O Serviço de Assistência Especializada e Centro de Testagem e Aconselhamento fica localizado na Rua Jovino Dinoá, 1251, centro. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.