Embrapa Amapá completa 40 anos nesta sexta-feira, 13/8

 

A Embrapa Amapá, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), completa 40 anos nesta sexta-feira, 13/08, gerando tecnologias para atender vários públicos do setor agropecuário do Amapá e Estuário Amazônico. Nesta data, os gestores e parte da equipe técnica estão em atividades de campo com agricultores em localidades da Colônia do Matapi, município de Porto Grande. Na tarde do próximo dia 30/8, será realizada uma live comemorativa, com o chat da transmissão aberto ao público em geral. A empresa está em teletrabalho desde março de 2020, d evido a pandemia do novo coronavírus e funcionando presencial nas atividades essenciais com equipes em revezamento.

Sediada em Macapá (AP), a Embrapa Amapá atua em aquicultura e pesca, recursos florestais, proteção de plantas e agricultura sustentável. O portfólio de pesquisa inclui espécies como tambaqui, pirarucu, tracajás, camarão-da-amazônia, bubalinos, cipó-titica, pau-mulato, castanha, açaí, banana, mosca-da-carambola, soja, milho, feijão, mandioca, café, entre outros.

Boa parte destes estudos geram ativos tecnológicos para subsidiar ações de agricultura sem queima e combate ao desmatamento no Amapá, em alinhamento às diretrizes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Também contribui com tecnologias sociais, a exemplo das fossas sépticas biodigestoras instaladas em comunidades ribeirinhas do Estuário Amazônico.

A Embrapa Amapá tem em seu quadro quase 100 empregados, entre assistentes, técnicos, analistas e pesquisadores, e conta com a colaboração técnica de bolsistas e estagiários.

 

Apoio do Território Federal

Os primeiros trabalhos de pesquisa geraram e adaptaram tecnologias de baixo custo para culturas alimentares, culturas permanentes, pecuária e indicações a respeito da utilização racional dos recursos naturais disponíveis no estado. Foi importante o apoio do Governo do Território Federal do Amapá, ao proporcionar as condições que permitiram que os objetivos fossem alcançados de forma satisfatória.

 

O êxito no trabalho serviu de incentivo para a diretoria da Embrapa desvincular o Núcleo da Embrapa do Pará e dar autonomia à equipe do Amapá criando a Unidade de Execução de Pesquisa de Âmbito Territorial de Macapá (UEPAT de Macapá). Com a transformação do Território em Estado do Amapá, em 13 de agosto de 1991, passou a ser chamado de Centro de Pesquisa Agroflorestal do Amapá (Embrapa Amapá), atendendo as necessidades de pesquisa, inovação e tecnologias do recém-criado estado do Amapá, incluindo as relações de fronteiras na bac ia Amazônica do País.

 

Pioneiros

Entre os pioneiros da Embrapa Amapá ainda na ativa, há profissionais com uma história de vida entrelaçada na evolução deste centro de pesquisa. É o caso da analista Maria das Graças Figueiredo Pimentel, lotada no Setor de Gestão de Pessoas (antigo RH), que veio transferida da Embrapa do Pará para compor a equipe do então núcleo de apoio ao centro de pesquisa; o analista Antônio Carlos Pereira Góes e o pesquisador Emanuel Cavalcante, que em janeiro deste ano fizeram 41 anos de ingresso na Embrapa.

 

A equipe pioneira abraçou a missão de instalar o Núcleo de Pesquisa Agropecuária do Amapá (vinculado à atual Embrapa Amazônia Oriental/ Pará) e contava ainda com os técnicos agrícolas Sinval Rola e Janer Gazel, este último o atual Secretário Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR). Eles compartilharam das dificuldades de testar tecnologias para agricultura em áreas desprovidas de estrada asfaltada, transporte regular e tantas outras.

No campo experimental de Matapi, por exemplo, fizeram a avaliação de um experimento de sistema de produção de mandioca, milho e feijão instalado por uma equipe precursora da Embrapa.  O atual chefe-geral da Embrapa Amapá, Antonio Claudio Almeida de Carvalho, também faz parte de uma geração que desbravou os primeiros anos do centro de pesquisa. Ele ingressou na Embrapa Amapá em 1987 recém-graduado em Agronomia, no primeiro concurso público deste centro de pesquisa.

 

Parceiros    

Os parceiros da Embrapa, como governos federais, estaduais e prefeituras, são reconhecidos como co-protagonistas dos esforços visando o desenvolvimento sustentável. Os avanços são comemorados pelos assistentes, técnicos, analistas, pesquisadores, bolsistas, estagiários e terceirizados. Conquistas obtidas em parceria com diversos parceiros e públicos, como agricultores em geral, extrativistas, quilombolas, indígenas, instituições de pesquisa, entidades de classe, instituições de ensino, financiadores, gestores e técnicos federais, estaduais e municipais, imprensa, extensão rural e parlamentares. A bancada federal do Amapá também tem uma história de colaboração com diversos projetos ao longo dos anos, por meio de emendas parlamentares ao Orçamento Geral da União: Aline Gurgel, André Abdon, Cabuçu Borges, Camilo Capiberibe, Davi Alcolumbre, Fátima Pelaes, Janete Capiberibe, João Alberto Capiberibe, Jurandil Juarez, Luiz Carlos, Marcos Reátegui, Papaléo Paes (in memoriam), Professora Marcivânia e Roberto Góes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.