Em Porto Grande, Polícia Civil indicia pastor e esposa que mantinham dois indígenas em condições de trabalho escravo

A Polícia Civil do Amapá, através  da Delegacia de Polícia de Porto Grande, indiciou um casal que manteve dois jovens indígenas (15 e 19 anos de idade) em condições de trabalho escravo.

De acordo com o Delegado Bruno Braz, o caso tornou-se público quando o homem, que se diz pastor religioso, procurou o Conselho Tutelar da cidade pedindo ajuda para trazer os jovens indígenas de volta para sua casa, tendo em vista que eles estavam abrigados na casa de uma vizinha.

O Conselho Tutelar acionou a FUNAI que, com o apoio da Prefeitura de Porto Grande, encontrou os dois indígenas e os apresentou na Delegacia.

“Em depoimento, os dois jovens indígenas, que são primos, disseram que esse pastor passou uma temporada na aldeia deles e os convenceu a vir para Porto Grande com a promessa de que poderiam estudar.

Chegando aqui, em setembro de 2021, foram obrigados a trabalhar vendendo melancias de domingo a domingo na rua, sem que recebessem qualquer salário, eram proibidos de ter contato com outras pessoas, passavam fome, não podiam parar nem para ir ao banheiro, dormiam em condições precárias, enquanto o pastor e sua esposa se aproveitavam da situação.

Uma moradora da cidade tomou conhecimento da situação dos indígenas e os abrigou até a chegada da Funai, que, agora, buscará devolver os jovens para sua aldeia, localizada às margens do Rio Curupi, no município de Paragominas, no estado do Pará”, explicou o Delegado.

Em Macapá, Polícia Civil indicia duas pessoas do estado de Minas Gerais por estelionato virtual

A Polícia Civil do Amapá, por meio da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DR-CCIBER), indiciou duas pessoas, em dois inquéritos policiais, pela prática do crime de estelionato virtual.

De acordo com a Delegada Aurea Uchoa, os indiciados aplicaram golpes através da falsa venda de produtos de maquiagem no atacado, utilizando um perfil falso no instagram.

“Eles se passavam por uma loja situada no Brás, em São Paulo, e realizavam venda online com valores atrativos, fazendo vítimas em todo o Brasil. Em Macapá, duas vítimas compraram cerca de R$ 1 mil cada uma, com a intenção de revender os produtos.

As vítimas efetuaram o pagamento e não tiveram mais nenhum retorno da suposta empresa, até que foram bloqueados. O perfil utilizado no golpe foi retirado do ar mediante solicitação da DR-CCIBER”, explicou a Delegada.

Os indiciados possuem uma relação de parentesco e são do estado de Minas Gerais.
A Delegada informou ainda que as pessoas precisam ser mais cautelosas ao realizarem compras de forma virtual, pois os criminosos criam perfis falsos e anúncios de venda, seja por site, instagram, facebook e olx, para conseguirem aplicar golpes nos interessados.

Assassinos do policial militar são presos em Macapá

Os dois assassinos do policial militar, Ranolfo Silva, 30 anos, morto em uma tentativa de assalto ontem, quarta-feira, 5, em um laboratório de análises clínicas no bairro Santa Rita, foram presos por agentes da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Patrimônio (DECCP), comandados pelo delegado titular, Celso Pacheco.

Os assaltantes são Leandro da Silva Nascimento, que se entregou à polícia, e Jahmerson Alexandre Silva, autor do disparo que matou o policial, que foi preso na casa de parentes. Ambos são detentos do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá ( Iapen) e cumprem as penas em regime semiaberto.

O soldado era da turma de 2018 da Polícia Militar e estava fazendo exames para ingressar no curso da Companhia de Choque, do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Policial Militar morre após tentativa de assalto em laboratório no Santa Rita

O policial militar Ranolfo Silva morreu após ser baleado em uma tentativa de assalto nesta quarta-feira, 5, de janeiro, em um laboratório no bairro Santa Rita em Macapá.

Dois criminosos entraram armados no local e renderam os clientes, entre eles o policial que foi atingido no abdômen. Ele foi socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu.

O soldado era da turma de 2018 da Polícia Militar, estava fazendo exames para ingressar no curso da Companhia de Choque, do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Operação Roleta-Russa: MP-AP e Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio e Forças de Segurança do Estado cumpriram mandados contra integrantes de grupo criminoso em Macapá

Na manhã desta terça-feira (28), o Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do seu Núcleo de Inteligência (Nimp), em conjunto com a Delegacia Especializada de Crimes Contra o Patrimônio (Deccp), e com o apoio da Polícia Militar (Bope e Força Tática), do Grupamento Tático Aéreo Transportado (GTA) da Sejusp e do Grupo Tático Prisional (GTP) do Iapen, Gabinete Militar do MP-AP, deflagraram a “Operação Roleta-Russa”, para dar cumprimento a nove mandados de busca e apreensão e a três de prisão preventiva contra integrantes de um grupo que pratica roubos a residências e a estabelecimentos comerciais e que vende drogas ilícitas.

O cumprimento dos mandados se deu nas residências dos investigados, nos bairros Araxá, Pacoval e Cidade Nova, e no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

A investigação se iniciou na Deccp, sob comando do Delegado Celson Pacheco, em inquérito policial para investigar o grupo que vinha abalando a ordem pública com roubos a residências e a estabelecimentos comerciais, sempre praticando esses crimes com muita violência.

“Devido à complexidade com que se apresentou a investigação, houve a necessidade de cooperação do Gaeco e do Nimp, quando, então, se constatou que os investigados – alguns deles bastante jovens – são pessoas desprovidas de senso de convivência comunitária altruísta, já que não respeitam o patrimônio alheio e nem buscam ganhar seu dinheiro licitamente, por meio dos estudos e do trabalho honesto, e ainda ficou confirmado que eles se dedicavam ao tráfico de drogas na região dos bairros Araxá, Cidade Nova e Pacoval”, informou a coordenadora do NIMP e Gaeco-AP, promotora de Justiça Andréa Guedes.

Dentre os integrantes do grupo criminoso, há uma mãe e seus dois filhos maiores de idade, a respeito dos quais ficou clara a cumplicidade criminosa. Há outro integrante que dissimulava trabalho como motorista de aplicativo, mas que na verdade prestava auxílio ao grupo durante os roubos e o tráfico de drogas.

Ainda durante as investigações, dois dos investigados foram presos em flagrante por roubo. De qualquer forma, foram expedidos novos mandados de prisão preventiva contra eles, que foram cumpridos dentro do Iapen e no Araxá, uma vez que, mesmo presos, continuavam a comandar o restante do grupo que estava em liberdade.

Operação Roleta-Russa

É uma referência a um jogo inconsequente em que o perdedor pagava com a própria vida. No caso, essa é uma característica peculiar dos investigados que, quando saiam para praticar os roubos, diziam ter a consciência de que iam para “o tudo ou nada, ganhar ou perder”, por essa razão, eram extremamente violentos com suas vítimas.

Durante o cumprimento dos mandados, uma mulher foi presa em flagrante por receptação.

A operação foi coordenada pelos promotores de justiça do Nimp e do Gaeco, Andrea Guedes de Medeiros e Rodrigo César Viana Assis, e pelos delegados de Polícia Civil, Celson Pacheco e Leonardo Alves, que reafirmam o compromisso de tentar – dentro de suas instituições e também em ações de cooperação como esta – trabalhar arduamente para combater a criminalidade e promover a sensação de paz na sociedade.

Serviço:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá

Nota do Corpo de Bombeiros sobre a interdição do ‘Fantástico Park’

Nota do Corpo de Bombeiros sobre a interdição do ‘Fantástico Park’ sobre a Inté O Corpo de Bombeiros interditou totalmente, nesta terça-feira (21), o parque de diversões instalado em um shopping de Macapá, após acidente que feriu uma criança. O brinquedo já havia sido interditado após o ocorrido.

Depois de uma perícia realizada pelo Corpo de Bombeiros e a Polícia Científica, concluiu-se pela interdição total pelo período de 10 dias até a conclusão do laudo pericial.

Um inquérito policial foi instaurado pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Dercca) para apurar o caso. Já foram ouvidos os proprietários do parque, o operador do brinquedo, assim como o pai e a mulher que acompanhava a criança.

Brinquedo sai do trilho e deixa pessoas feridas em parque de diversões em Macapá

Um brinquedo conhecido como ‘minhocão’ saiu do trilho na noite desta segunda-feira, 20, e deixou algumas pessoas feridas, entre elas, uma criança de cinco anos, que teve ferimentos graves no abdômen e foi internada no Hospital de Emergências de Macapá (HE).

FullSizeRender

O acidente aconteceu no parque ‘Fantástico Park’, instalado recentemente nas dependências do Amapá Garden Shopping. Após o ocorrido, o Corpo de Bombeiros interditou o brinquedo.

Segundo o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM/AP), coronel Wagner Coelho, o parque fez todo o protocolo e está com a licença para se funcionar dentro da área do Garden.

“Nossa equipe foi acionada logo após o acidente e, de imediato, já interditou o brinquedo que apresentou o problema. Nesta terça, 21 vamos fazer nova inspeção em todo o parque. Existe a possibilidade, sim, de interditar todo”, ressaltou o comandante-geral.

Inaugurado o Complexo de Segurança da Zona Oeste

O Governo do Amapá entregou a nova unidade do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) neste sábado, 18. Com mais este equipamento, o Estado conclui o Complexo de Segurança Pública da zona oeste de Macapá, estratégico para a prevenção à violência e proteção dos mais de 150 mil habitantes da região.

Foram R$ 7 milhões investidos no Complexo, resultado da importante parceria entre o Governo do Estado e a Bancada Federal, que inclui o quartel do 3º Grupamento Corpo de Bombeiros (CBM) e a nova sede do Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE) da PM.

“Essas entregas são resultado de um planejamento para a reestruturação da Segurança Pública iniciado em 2015. Somados todos os investimentos que o Governo do Amapá já realizou, desde infraestrutura, capacitação até novas viaturas, parque tecnológico e equipamentos técnicos, já são mais de R$ 275 milhões, que o Estado seguirá ampliando em 2022″, reforçou o secretário de Justiça e Segurança Pública, Carlos Souza.

 

 

Novo Ciosp

O investimento para a construção do Ciosp na zona oeste de Macapá soma R$ 2.170.610,81. Este novo equipamento da Segurança Pública concentra as coordenadorias Especial de Combate ao Crime Organizado e Organizações Criminosas (Ceccor) e de Operações e Recursos Especiais (Core) – a “tropa de elite” da Polícia Civil do Amapá -, criadas com a lei nº 2507, que moderniza a instituição.

 

O espaço físico é constituído por dois pavimentos com recepção, atendimento às ocorrências, depósitos reforçados de materiais apreendidos em operações policiais, almoxarifado, cartórios, salas para integração com a Polícia Militar e Polícia Científica, carceragem, salas para os delegados e para agentes de polícia, auditório, sala para reunião, para plantonistas, alojamentos e central de operações.

 

BPRE

A nova sede do 14º Batalhão da PM cumpre o trabalho estratégico de policiamento ostensivo em rodovias estaduais como a Josmar Chaves Pinto( antiga JK), AP-020 (Duca Serra), AP-070 (Curiaú), AP-440 (Km 09) e a Rodovia Norte-Sul. Juntas, as rodovias estaduais somam mais de 4 mil quilômetros de extensão. Foram R$ 2.582.613,13 investidos na unidade, que segue o moderno padrão construtivo da Segurança Pública.

São mais de mil metros quadrados de área construída, em dois pavimentos e inclui recepção, salas de atendimento à população, administrativas, de armamentos e carceragem.

 

Quartel do Corpo de Bombeiros

Em julho de 2021, a população da zona oeste recebeu o quartel do 3º Grupamento do Corpo de Bombeiros, que conta com um efetivo de 77 militares e também e é a nova sede do projeto social Bombeiro Mirim Músico.

A edificação conta com mais de mil metros quadrados de área construída, com espaços como salas para atividades administrativas, refeitório, sala de instrução, área de higienização de ambulâncias, de manutenção de equipamentos, guarita e um reservatório com capacidade de 30 mil litros de água.

 

PF e Ministério Público Federal realizam operação para identificar outros responsáveis pelo “apagão” no Amapá em 2020

A Polícia Federal, com o apoio do MPF, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 16/12, a Operação Blackout*. O objetivo é identificar responsabilidade de outras pessoas, físicas e jurídicas, pelo “apagão” que atingiu 13 dos 16 municípios do Amapá entre os dias 3 e 24 de novembro de 2020.
Nas cidades do Rio de Janeiro (3) e de São Paulo (2), mais de 20 policiais federais deram cumprimento a cinco mandados de busca e apreensão em empresas e residências de pessoas que possam estar relacionadas ao ocorrido. A PF busca elementos que indiquem conhecimento prévio dos responsáveis sobre os problemas no sistema elétrico no Amapá.

Nesse caso, apura-se eventual omissão quanto à adoção das medidas preventivas e necessárias por parte dos responsáveis pelo fornecimento de energia elétrica no estado. Sabe-se que que relatórios confeccionados nas vistorias internas, realizados na malha energética amapaense haviam apontado, pelo menos um ano antes, o risco de ocorrer um fato como o de novembro de 2020 devido a superaquecimento na subestação. A inércia dos responsáveis ante essa situação é o que PF e MPF buscam confirmar com mais elementos informativos.


Os envolvidos podem responder por Incêndio culposo e atentado contra a segurança de serviços de utilidade pública, cuja pena somada é de sete anos de reclusão.

Blackout significa queda total de energia. A expressão ficou conhecida após colapso elétrico ocorrido em 1965, quando o Nordeste dos Estados Unidos e parte do Canadá ficaram às escuras por cerca de 12 horas.

Inquérito policial e indiciamentos
Em julho deste ano, a Polícia Federal concluiu inquérito instaurado para apurar o caso. Três diretores da empresa LMTE (Linhas de Macapá Transmissora de Energia) foram indiciados pelo crime previsto no artigo 265 do Código Penal Brasileiro: atentar contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outro de utilidade pública.
A sanção prevista neste caso é reclusão de um a cinco anos e pagamento de multa. Há a possibilidades de que existam mais coautores relacionados ao caso e que possam vir a ser responsabilizados também.

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

Em três meses, Delegacia de Crimes Cibernéticos soluciona mais de 90% das investigações

Com três meses de funcionamento, a Delegacia de Crimes Cibernéticos e Atendimento ao Turista já atendeu mais de 400 ocorrências solucionando 90% dos casos, que, em sua maioria, estão ligados a estelionato. A unidade especializada da Polícia Civil funciona no Aeroporto Internacional de Macapá e foi entregue pelo Governo do Estado em 14 de setembro, como parte das estratégias de fortalecimento da Segurança Pública.

SAIBA MAIS: Estado Forte, Povo Seguro: Governo entrega Delegacia de Crimes Cibernéticos e Atendimento ao Turista

A delegada titular da unidade, Áurea Uchôa, detalhou o desempenho na resolução dos casos e quais os crimes mais recorrentes.

“Conseguimos identificar infratores e concluir as investigações em mais de 90% do total de ocorrências registradas aqui e das encaminhadas por outras delegacias. Estelionato, por exemplo, corresponde a mais de 65% de todos os registros da delegacia”, explicou Uchôa.

“Houve casos que envolviam, inclusive, criminosos de outros estados, como Pernambuco, que aplicavam golpes no Amapá. Conseguimos não apenas identificar os autores como indiciá-los”, completou.

A delegada detalhou ainda que outros delitos correspondentes ao restante dos registros são os crimes contra a honra – calúnia, difamação e injúria -, extorsão e ameaça. No apoio ao turista, são mais frequentes as ocorrências de perda de documentos, extravio de bagagens e furto, embora em menor frequência.

Fortalecimento da Segurança Pública

A Delegacia de Crimes Cibernéticos faz parte da reestruturação da Polícia Civil, que otimiza investigações de casos de corrupção, organizações criminosas e crimes cibernéticos, por meio da Lei nº 2507, proposta e, após aprovação na Assembleia Legislativa do Amapá (Alap), sancionada pelo governador, Waldez Góes, em 13 de agosto.

O projeto permitiu também a criação das Coordenadorias Especiais de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Ceccor) e de Operações e Recursos Especiais (Core).

VEJA TAMBÉM: Governador do Amapá sanciona lei anticorrupção e contra crimes organizados e cibernéticos

Governo anuncia pacote de medidas para segurança pública e proteção social

Medidas incluem novos concursos públicos, aumento do patrulhamento ostensivo e incentivo aos rendimentos dos servidores.

O Governo do Amapá anunciou um novo pacote com oito medidas para o fortalecimento da proteção social e defesa dos amapaenses. Entre elas, estão: novos concursos para Corpo de Bombeiros e Polícias Militar e Científica já 2022; convocações de 150 aprovados do cadastro de reserva do concurso do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen); e incentivos aos rendimentos dos servidores, como aumento da gratificação para voluntários da Reserva.

As ações foram anunciadas nesta segunda-feira, 13, e fazem parte do maior investimento já realizado em Segurança Pública no Amapá. Os resultados do programa Estado Forte, Povo Seguro, possibilitaram o avanço das políticas públicas de Segurança, como enfatizou o governador Waldez Góes.

“É uma reestruturação completa da Segurança Pública que só foi possível graças ao amplo comprometimento de todos […] governo, agentes da Segurança e a Bancada Federal, cada um cumprindo seu papel. Promovemos avanços inéditos com infraestrutura, armamento, novas viaturas, tecnologia de informação, e seguiremos avançando com a estruturação e valorização profissional”, disse o governador.

O secretário de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), coronel Carlos Souza, detalhou cada uma das medidas, que refletem os anseios das tropas e da sociedade.

“Após as entregas importantes, que já refletem em melhor atendimento para a população, seguimos agora medidas para o reforço do efetivo, modernização e incentivo ao rendimento do servidor da Segurança, que resulta no bem comum: a tranquilidade das famílias e de toda a sociedade”, disse o titular da Sejusp.

Veja as medidas

1. Novos Concursos para Polícia Militar, Polícia Científica e Corpo de Bombeiros Militar já em 2022. O processo seletivo ocorrerá na modalidade de cadastro reserva, que possibilitará que o governo convoque mais candidatos de um mesmo certame;

2. Novos critérios para Concursos da Segurança Pública, já em vigor para os concursos anunciados. Uma das principais mudanças é o nível de escolaridade, que passa a ser o médio, sendo o curso de formação de soldados equivalente ao nível superior, como Tecnólogo de Segurança Pública, garantindo um efetivo especializado no exercício das atividades de proteção e defesa. Outras mudanças são a redução da exigência da estatura para os concursos da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, sendo a altura mínima de 1,65m para homens e 1,55m para mulheres, e o aumento na idade máxima para ingresso no Curso de Formação de Oficiais para 35 anos;

3. Fusão da Frota Aérea do Grupamento Tático Aéreo (GTA) e Divisão de Transporte Aéreo (Ditraer) sob administração única, reunindo assim o efetivo de 44 profissionais da aviação e quatro aeronaves para dar ainda mais agilidade no atendimento às ocorrências, assim como mais economicidade e eficiência na gestão dos recursos das frotas;

4. Chamada de 150 aprovados do Cadastro Reserva do Iapen para compor o quadro efetivo da Polícia Penal. O concurso do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) foi lançado em julho de 2018 e já foram convocados 110 candidatos, que encerram o curso de formação na Academia Integrada de Formação e Aperfeiçoamento (Aifa) neste mês de dezembro. Serão, portanto, 260 concursados que reforçarão a segurança das execuções penais;

5. Aumento da Gratificação para Voluntários da Reserva, para os militares recomporem o quadro de atividades. O Governo aprovou o aumento da remuneração de R$ 1.800,00 para R$ 2.500,00. A alteração da lei da gratificação irá simplificar o processo de chamada, sem obrigatoriedade de um teste de aptidão física, com edital específico por entidade;

6. Escala Extra Remunerada com até R$ 1.440,00 de remuneração para os agentes da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar que, voluntariamente, se disporem a prestar serviço além da escala ordinária. É incentivo aos servidores e aumento do efetivo nas ruas, a serviço da população;

7. Premiação por Apreensão de Armas de Fogo com valores que variam entre R$ 300,00 e R$ 1.600,00 de acordo com o tipo e calibre da arma apreendida pelo agente da Segurança. Para os policiais penais, a premiação ocorre por armas que deixarem de entrar na penitenciária. Anualmente, cerca de 700 armas de fogo são apreendidas no Amapá;

8. Assessoria Jurídica para o agente da Segurança Pública por ações no exercício das suas funções. Serão até R$ 3,5 milhões investidos em 2022, por meio de parceria entre o Governo do Estado e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AP), que levará o atendimento jurídico especializado para a defesa dos agentes em cumprimento do dever de proteger os cidadãos.

Resultados Entregues

Com o planejamento iniciado em 2015, o pacote inédito de investimentos na Segurança Pública é fruto da importante parceria entre o Governo do Amapá e a Bancada Federal. Já foram entregues à população a Delegacia da Infância e Juventude, no município de Santana; a Unidade de Policiamento Comunitário (UPC) Macapaba – Extensão do 2º Batalhão da Polícia Militar; o Núcleo da Polícia Científica no município de Santana; o Novo posto da Polícia Militar no distrito de Carnot, em Calçoene e; a Delegacia de Polícia Civil no município de Mazagão.

Também já foram entregues a nova sede do 1º Batalhão de Polícia Militar no Conjunto São José, em Macapá; o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) no Conjunto Macapaba, em Macapá; a Nova sede do Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE); o Quartel do Corpo de Bombeiros Militar na Zona Oeste de Macapá; a nova sede do 6º Batalhão da Polícia Militar, na zona leste de Macapá; além de armamentos, viaturas, ambulâncias, caminhões de combate ao fogo, mobílias, sistema de rádio de comunicação, novo parque tecnológico e equipamentos de perícia criminal.

Nos próximos dias, o Governo do Amapá inaugura o Ciosp da Zona Oeste de Macapá, completando o Complexo de Segurança Pública da região, que inclui o novo quartel do Corpo de Bombeiros.

As estruturas vão dar maior suporte à população da zona oeste, uma das áreas que mais crescem na cidade com bairros como Marabaixo, Cabralzinho, Jardim América, entre outros.

https://www.portal.ap.gov.br/noticia/1312/estado-forte-povo-seguro-governo-anuncia-novo-pacote-de-fortalecimento-da-seguranca-publica

Polícia Federal deflagra operação contra crime de produção, compartilhamento e armazenamento de pornografia infantil

 

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta segunda-feira, 06/12, a Operação Krampus*, com o objetivo de apurar possível ocorrência dos crimes produção, compartilhamento e armazenamento de pornografia infantil.

Foi cumprido um mandado de prisão preventiva contra um homem de 29 anos, residente no município de Santana, região metropolitana de Macapá. Além disso, foram realizadas buscas e apreensões em três endereços ligados ao indivíduo, que também é investigado pelo crime de estupro de vulnerável.

A ação policial teve início por meio de rastreamento na rede mundial de computadores, realizado por organismos internacionais que reprimem crimes de abuso sexual infantil e desaparecimento de crianças.

Esse trabalho resultou na identificação do investigado e apontou que ele teria armazenadas, em equipamentos eletrônicos, mais de 100 imagens em que crianças aparecem em situação de exploração sexual infantil.

A investigação ainda revelou fortes indícios que o homem produziu vídeos/imagens pornográficas com uma menor de idade do seu convívio, o que caracterizaria o crime de estupro de vulnerável.

Essa foi a quarta operação realizada pela PF em 2021 no Estado do Amapá para combater essa prática delitiva. Os trabalhos decorrem da parceria que a Polícia Federal possui com as instituições estrangeiras que reprimem essas ocorrências.

Ascom-Polícia Federal

Polícia Civil prende em flagrante parte de um grupo criminoso que aplica o golpe do falso pix em restaurantes de Macapá

 

A Polícia Civil do Amapá, através da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DR CCIBER) prendeu, em flagrante, dois indivíduos que fazem parte de um grupo criminoso que aplica o golpe do falso pix em restaurantes de Macapá.

De acordo com a Delegada Aurea Uchoa, os dois indivíduos, em mais uma empreitada criminosa, realizaram o pedido em um restaurante de Macapá e enviaram um comprovante falso de pagamento. No momento em que receberiam o pedido, foram abordados e presos pelos Agentes da DR CCIBER.

“O responsável pelo restaurante foi registrar um boletim de ocorrência e, como o fato estava acontecendo naquele momento, conseguimos agir de imediato e ter êxito na prisão. Essa era a décima vez que eles realizavam pedido nesse restaurante.
As investigações continuarão a fim de identificarmos e capturarmos os demais integrantes desse grupo criminoso”, disse a Delegada.

A prisão ocorreu na última sexta-feira, 3. Os dois presos aguardam audiência de custódia.

Operação Papai Noel inicia com patrulhamento ostensivo em áreas estratégicas

Iniciou na manhã desta segunda-feira, 29, a Operação Papai Noel, que anualmente intensifica o policiamento em áreas comerciais, financeiras e logradouros públicos de intenso fluxo de pessoas. As ações seguem até o dia 5 de janeiro de 2022.

Cerca de 5 mil agentes participam das ações, que integram o efetivo da Polícia Militar (PM-AP), Corpo de Bombeiros Militar (CBM-AP), Grupamento Tático Aéreo (GTA), Instituto de Administração Penitenciaria do Amapá (Iapen) além das guardas civis e institutos de trânsito dos 16 municípios do estado.

Somente em Macapá e Santana, serão 115 policiais militares a pé e 43 viaturas, sendo 23 carros e 20 motocicletas.

Para o comandante-geral da PM-AP, coronel Paulo Matias, a operação garante a integridade da população durante os períodos de maior atividade econômica e social do ano.

“A efetividade da Operação se confirma por meio das estatísticas, ano após ano conseguimos a redução das ocorrências por meio de um trabalho que é, antes de tudo, preventivo. Além de ser uma estratégia que não interfere no atendimento dos batalhões às demais ocorrências”, reforçou o comandante.

Segundo o secretário em exercício de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), coronel José Mont’Alverne, a integração das instituições de segurança é o principal pilar da efetividade da operação.

“É com o amplo alinhamento da Segurança do estado e municípios que garantimos o direito dos cidadãos de exercerem sua cidadania plena, transitarem e retornarem para seus lares com a integridade garantida”, disse cel. Mont’Alverne.

https://www.portal.ap.gov.br/noticia/2911/operacao-papai-noel-inicia-com-patrulhamento-ostensivo-em-areas-estrategicas

PF cumpre mandados de busca em garimpos ilegais na região do Oiapoque

A Polícia Federal no Amapá e o Exército Brasileiro, em coordenação conjunta, cumpriram na data de hoje (14), dois mandados de busca e apreensão em garimpos ilegais na região do Oiapoque/AP. As ações da Polícia Federal, denominadas de Operações Russo e Vila Velha, ocorrem no âmbito da Operação Ágata do Exército.


A Polícia Federal identificou, por meio de tecnologia de ponta, que os dois garimpos, localizados em área de difícil acesso, dentro da circunscrição do município do Oiapoque, realizam lavra ilegal de minério, pelo menos desde o início do ano, com considerável degradação ambiental.


Um dos garimpos – denominado russo – próximo da divisa com o município de Calçoene/AP, está no interior da Unidade de Conservação Estadual Floresta Estadual do Amapá – FLOTA. O outro garimpo, denominado Vila Velha, localiza-se entre o limite sul da terra indígena Uaça e o limite norte da Floresta Estadual do Amapá, dentro da Gleba Arapari.

Em razão do acesso remoto, a Polícia Federal contou com o apoio do Exército Brasileiro e suas aeronaves tipo Black Hawk para cumprimento dos mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal – subseção do Oiapoque, que autorizou ainda a destruição do maquinário existente na área.

Inicialmente, os envolvidos podem responder pelos crimes de extração ilegal de minério, usurpação de bem da União e associação criminosa. Se condenados, as penas somadas podem chegar a 9 anos de reclusão e pagamento de multa.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

 

PF cumpre mandados de prisão contra membros de facções criminosas no Amapá

 

A Polícia Federal, com o apoio da COE-BOPE/AP, PRF, GAECO, NIMP e Polícia Civil de Pedra Branca do Amapari, deflagrou na manhã desta quinta-feira (11), a Operação Vikings para cumprimento de 15 mandados de prisão preventiva e outros 13 mandados de busca e apreensão contra membros de organização criminosa atuante no Estado do Amapá.

Cerca de 80 policiais cumpriram as medidas cautelares, que foram expedidas pela Primeira Vara Criminal da Justiça do Estado e resultaram na ação que ocorre nos municípios de Macapá, Santana e Pedra Branca do Amapari. Na capital, as forças de segurança pública cumpriram mandados nos bairros do Araxá, São Lázaro, Universidade e Novo Horizonte.

O objetivo é desarticular as atividades de organização criminosa voltada à prática de homicídios, tráfico de drogas, roubos e outros crimes violentos e que atuam dentro e fora do sistema prisional do Estado.

 

As investigações tiveram início em 05 de abril deste ano, após a prisão de um homem pela PM/AP que fora flagrado com cédulas falsas e uma arma de fogo e apresentado na Polícia Federal.

 

Com o avanço das investigações, descobriu-se que esse indivíduo possuía um posto de comando na organização criminosa. Foram identificados ainda, grupos que realizavam a intermediação de recebimento de drogas, utilizando-se de pequenas embarcações na malha fluvial do Amapá, especialmente em Santana. Em seguida, era feita a distribuição a outros integrantes do esquema criminoso, responsáveis pela venda dos entorpecentes em vários municípios.

 

A PF verificou que a organização criminosa é devidamente aparelhada, com subordinação hierárquica em vários níveis de comandos, divisão de tarefas, e contém, também, um estatuto que disciplina as relações entre os membros.

Dentre os mandados de prisão preventiva, dois foram cumpridos contra indivíduos já reclusos no IAPEN, por indícios de serem os articuladores da organização criminosa de dentro do sistema penitenciário.

 

Inicialmente, os envolvidos podem responder pelos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e associação para o tráfico. As penas somadas podem chegar a 23 anos de reclusão e pagamento de multa.

Durante o cumprimento de um dos mandados de prisão preventiva na ilha de Santana, a PF e o GAECO encontraram aproximadamente 10k de pasta base de cocaína. O homem foi preso em flagrante por tráfico de drogas e levado à Superintendência da Polícia Federal para os procedimentos cabíveis.

 

Vikings: referência à antiga civilização originária da região da Escandinávia, cujo povo era conhecido por ser bárbaro, semelhante ao modo de agir dos integrantes da organização criminosa.   Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá.

 

Polícia Civil descobre e desarticula esquema de falsificação de diplomas na Ueap

 

Após denúncia feita pela Universidade do Estado do Amapá (Ueap), a Polícia Civil deflagrou nesta quinta-feira, 4, a primeira fase da Operação Graduatio, que desarticulou um esquema de registros irregulares de certificados e de falsificação de diplomas nas dependências da instituição de ensino.

A ação resultou na prisão de quatro pessoas e na apreensão de diversos documentos, dinheiro e munições, no município de Macapá. Segundo a Divisão Especial de Combate à Corrupção (Decor) da Polícia Civil,o grupo lucrou mais de R$15 milhões com o registro de aproximadamente 62 mil certificados.

A denúncia partiu da própria Ueap, ao constatar a ação do grupo. Além disso, os Estados de Mato Grosso, Pernambuco e Goiás comunicaram à Polícia Civil do Amapá sobre os diplomas de autenticidade duvidosa.

“Constatamos indícios de irregularidades e tomamos várias providências, entre elas, denúncias ao Ministério Público Estadual e Federal e à Polícia Civil”, disse a reitora da Ueap, Kátia Paulino.

O delegado-geral de Polícia Civil, Uberlândio Gomes, explicou que algumas instituições privadas não credenciadas pelo Ministério da Educação procuravam a Ueap para certificar diplomas – um serviço legítimo que custa R$70.

“Foi possível constatar que servidores estavam cobrando um valor bem acima e não recolhiam as taxas devidas”, frisou o delegado-geral.

Nessa primeira fase da operação, foram identificados os “cabeças” do grupo criminoso e familiares, que criaram empresas de ensino privado para dar vasão aos registros de diplomas que vinham de outros estados. Eles, inclusive, criaram um site onde a autenticidade do diploma podia ser verificada.

Os documentos apreendidos, inclusive, comprovantes dedepósitos e transferências bancárias de altos valores, serão utilizados para comprovar a materialidade dos crimes investigados. Além disso, já foram ouvidas testemunhas que trabalham na Ueap, que relataram como funcionava o esquema criminoso.

Criminosos levam eletrônicos e carro da Unidade do Hospital de Amor em Macapá

 

A sede do Hospital de Amor em Macapá, foi invadida no fim da deste domingo, 24, por pelo menos seis  criminosos que entraram na unidade renderam e amarraram o vigilante. Em seguida roubaram eletrônicos, computadores, notebook. Além disso, um dos veículos do Hospital, modelo Onix, também foi levado ajudando na fuga dos criminosos.

O Hospital de Amor atua na prevenção e tratamento do câncer  e os atendimentos foram suspensos nesta segunda-feira, 25, devido ao roubo. A unidade passará as imagens da câmera do circuito interno a polícia para ajudar na investigação. Até o momento nada foi recuperado.

A Prefeitura de Santana, informou em comunicado que a ação itinerante dos atendimentos da Unidade Móvel do Hospital de Amor, que ocorreria também nesta segunda-feira no município foi suspensa por conta do roubo.

O Padre Paulo usou as redes sociais lamentando o crime.

“Eu tenho vergonha do que aconteceu  entraram no Hospital de Amor e levaram várias coisas, inclusive o carro. Essa notícia é uma facada no peito. Enquanto a gente enterra ou cuida de doentes com câncer outros pisam na nossa dor e na nossa luta”, padre Paulo.

A Unidade do Hospital de Amor em Macapá é localizada na rodovia Norte-Sul, no bairro Infraero II.

 

 

Polícia Federal prende suspeito de aliciar, transmitir e armazenar imagens pornográficas de criança em Portugal Macapá/AP

A Polícia Federal no Amapá deflagrou na manhã desta sexta-feira (22), a Operação Sem Fronteiras, que investiga o cometimento dos crimes de aliciamento de menor para prática de atos libidinosos, armazenamento e transmissão de conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. Policiais federais cumpriram um mandado de busca e apreensão e um de prisão preventiva no município do Amapá, contra um indivíduo de 31 anos, que ainda é suspeito de ter assassinado a tiros um policial militar no bairro novo buritizal no ano de 2018 e na época ficou preso temporariamente 30 dias no IAPEN.
A investigação iniciou a partir de informações da Secretaria de Cooperação Internacional, proveniente da Polícia Judiciária Portuguesa, que recebeu denúncia da mãe de um menor com 13 anos daquele país, de que este participaria de um grupo da rede social Facebook, na qual verificou conversas e trocas de mensagens, fotos e vídeos de cunho sexual entre ele e o investigado.

 

A Polícia e o Ministério Público Português realizaram diligências junto à rede social e identificaram o autor dos fatos como sendo um brasileiro residente no Amapá. De posse das informações, a Polícia Federal verificou que o investigado não utilizava seu nome verdadeiro na rede social e aprofundou a investigação.
O investigado poderá responder pelos crimes de aliciamento de menor para prática de atos libidinosos, armazenamento e transmissão de conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes, e se condenado poderá cumprir pena de até 7 anos de reclusão.
Operação Sem Fronteira* – em referência à atuação da PF, com a parceria das autoridades portuguesas, no combate aos crimes de pornografia praticados contra crianças e adolescentes, inclusive com vítimas em outros países.
Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá Instagram: @policiafederalamapa [email protected] www.pf.gov.br (96) 3213-7500

PF no Amapá cumpre 73 mandados em ação contra tráfico internacional de drogas em nove estados brasileiros. Estado servia como ponto logístico de apoio

A Polícia Federal no Amapá, com o apoio do Ministério Público Federal, deflagrou na manhã desta quarta-feira, 20/10, a Operação Vikare*, com o objetivo de combater os crimes de tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa e lavagem de dinheiro, que utilizava o Estado do Amapá como base operacional de suas atividades relacionadas à importação e transporte de drogas por meio de aeronaves a serem distribuídas para diferentes pontos do país.


Cerca de 300 policiais federais foram às ruas para cumprir 24 mandados de prisão preventiva, além de 49 mandados de busca e apreensão. No Amapá, foram cumpridos quatro mandados de busca e dois mandados de prisão preventiva, em empresas e duas residências localizadas em Macapá, também em um aeródromo particular.


Além dos mandados na capital amapaense, foram alvos pessoas físicas e empresas com endereços nos estados do Pará (Belém e Ananindeua), Amazonas (Manaus e Itacoatiara), Piauí (Teresina), Ceará (Fortaleza), Mato Grosso do Sul (Campo Grande, Paranhos e Aral Moreira), São Paulo (capital e Sorocaba); Rio de Janeiro (capital) e Paraná (Foz do Iguaçu e Londrina) .


A ação de hoje teve origem em maio de 2020, quando investigações da Polícia Federal, no Amapá, descortinaram movimentações suspeitas de aeronaves, além da descoberta dos destroços de um avião de pequeno porte, que ficou atolado em uma região no município de Calçoene/AP. Este estava, em grande parte, destruído por um incêndio, propositalmente causado para tentar esconder crimes praticados.

Os policiais ainda perceberam que o avião estava adaptado para transportar drogas, semelhante ao que é feito com outros apreendidos em ações policiais Brasil afora. Ao lado dos destroços, foi encontrada uma vala, possivelmente para armazenar os entorpecentes transportados naquela oportunidade. Os investigadores levantaram informações de que uma outra aeronave pousou no mesmo local e resgatou os tripulantes e a carga.

Com o avanço da investigação, verificou-se que o proprietário do avião foi preso em julho do mesmo ano no Paraguai, enquanto pousava uma outra aeronave carregada com 425kg de cocaína. A aeronave de pequeno porte utilizada para resgate das pessoas e carga, que havia caído em Calçoene/AP em março, fora vendida a um outro indivíduo, que, em novembro de 2020, também foi preso em flagrante na cidade de Ipixuna/PA, próximo a Paragominas/PA, transportando 450kg de “skunk”, logo após deixar Macapá, saindo de um aeródromo desta capital.

No Amapá, a Polícia Federal encontrou indícios de que este aeródromo fornecia apoio logístico, como combustível para a aeronave fazer esses voos aos demais Estados brasileiros, bem como a outros países fornecedores da droga, como Colômbia e Venezuela. O local também foi utilizado como ponto de apoio para realização dos preparativos da aeronave de modo a deixá-la em condições para voar com autonomia para longas distâncias, como retirada de bancos, fornecimento de combustível em carotes, o que é proibido, e assim trazer a maior quantidade de drogas possível.

Com o aprofundamento do trabalho da Polícia Federal no Amapá, chegou-se a uma grande e articulada organização criminosa com participação de brasileiros e estrangeiros, voltada à prática de diversos crimes, notadamente o tráfico internacional de drogas, por meio de uma rota que passava por países da América do Sul, principalmente Colômbia e Venezuela e tinha o estado do Amapá como uma de suas bases logísticas fundamental, de onde as drogas partiriam para outras regiões do Brasil.

Ficou evidenciado, ainda, que empresas de “fachadas” de outros Estados participavam do esquema para ocultar e mesmo dissimular o dinheiro amealhado ilegalmente. A organização criminosa possuía, na estrutura, mecânicos de aeronaves, pilotos, operadores financeiros responsáveis por transacionar os valores obtidos pelas atividades ilícitas, além de terceiros que recebiam quantias em contas pessoais e empresas, cujo objetivo era dar aparência de licitude aos valores obtidos com a prática criminosa.

Uma das empresas foi constituída no ramo de cosméticos, sob a administração de uma mulher de origem colombiana, residente em Sorocaba/SP, o que facilitava o acesso a produtos químicos usados no refino de drogas. Constatou-se indícios de que a mulher, de 42 anos, já havia sido presa em 2012 por tráfico de drogas e era a principal responsável pelo fornecimento de drogas da organização criminosa.

A investigação revelou também que uma empresa do ramo de venda de peixes no Rio de Janeiro/RJ foi identificada como integrante da organização criminosa, cuja atuação consistia em esconder as drogas no meio da carga de peixe, na tentativa de dificultar o trabalho da polícia.

Além dos mandados de prisão e busca e apreensão, a Justiça Federal no Amapá, após representação da Polícia Federal, ainda impôs medidas de sequestro de bens, direitos e valores de 68 pessoas físicas e jurídicas:
95 veículos, entre carros, caminhões e motos, boa parte de luxo, com proibição da
transferência de propriedade;
3 aeronaves com indisponibilidade e restrição de uso;
19 embarcações com indisponibilidade e restrição de uso;
Indisponibilidade de diversos imóveis em nome de 41 pessoas físicas e jurídicas;
Bloqueio de ativos financeiros de pessoas físicas e jurídicas que chegam ao montante de R$ 5.800.000,00 (cinco milhões e oitocentos mil reais). Os valores são individuais, ou
seja, aplicados a cada envolvido.

Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelos delitos de tráfico internacional de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro. As penassomadas podem chegar a 51 anos de reclusão, além do pagamento de multa.

*Vikare pertence à Mitologia Grega, sendo conhecido pela sua tentativa de deixar Creta
voando. A tentativa foi frustrada, resultando em queda Mar Egeu. Então o nome da
operação faz referência a duas tentativas frustradas de voos que sairiam do Amapá, uma
porque a aeronave caiu (causas desconhecidas) e uma segunda aeronave foi
interceptada.