Elza Soares cantou “até o fim”

Por Lilian Monteiro, jornalista, negra e ativista


Sem Elza Soares, a luta de pretos, pretas e mulheres vítimas de violência, carregam a bagagem de seu legado. A voz do milênio silenciou neste 20 de janeiro, mas junto com ela ecoou uma determinação sem igual, uma força descomunal, de quem luta , luta  e sempre caminha junto com o tempo, sem esquecer do mais importante: suas raízes e seu amor pela vida, apesar da melancolia dos tombos da vida.

Elza, muito obrigada por tanto aprendizado, por tanta entrega, por me ver forte a cada canção cantada por ti, obrigada por me fazer fechar os olhos ouvindo espumas ao vento, por me fazer levantar  e olhar na mesma direção contra a discriminação e o preconceito cada vez que ouço “a carne mais barata do mercado é carne negra”. Entre outros tantos sucessos que fizeram de ti a diva que ‘cantou até o fim.

E que tua musicalidade e talento continuem nos encorajando: “A mulher do fim do mundo é aquela que busca, é aquela que grita, que reivindica, que sempre fica de pé. No fim, eu sou essa mulher”, …

Muito Obrigada, diva!

  • … É a carne que vai de graça pro presídio, pra debaixo do plástico e vai de graça para o subemprego.
    Que Deus cuide de sua alma e que, em sua memória, possamos proteger os mais vulneráveis que sofrem discriminação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.