XIX Parada do Orgulho LGBT de Macapá define Madrinha e Padrinho da edição 2019

A comissão organizadora da Parada do Orgulho LGBT de Macapá definiu a Jornalista Ana Girlene e o Prof. Antônio Sardinha como Madrinha e Padrinho do evento.Essa definição simbólica valoriza os aliados e aliadas da comunidade LGBT no Amapá, pessoas que promovem os direitos humanos e políticas públicas voltadas a esse segmento.

Professor Antônio Sardinha e Jornalista Ana Girlene são o padrinho e madrinha da XIX Parada do Orgulho LGBT de Macapá

De Mãos Dadas por um Brasil de Todas as Cores

Chegamos à 19ª edição da Parada do Orgulho LGBT de Macapá — a mais antiga da Amazônia. Pertencemos à fronteira final do norte brasileiro, a um dos menores e mais pobres estados do país, que igualmente enfrenta crise econômica e casos endêmicos de corrupção. Em meio a muitos problemas, mazelas e descaso, por que existe todo ano um evento que leva dezenas de milhares de pessoas LGBT às margens do Rio Amazonas?

Porque somos brasileiras e brasileiros que acreditam em um futuro melhor para o Brasil. Somos negras e negros que valorizam a sua ancestralidade e lutam por uma sociedade justa e igualitária. Somos mulheres transexuais, lésbicas e bissexuais que cansaram do assédio e creem no modelo prático de uma sociedade em que a violência não seja tolerada. Somos homens héteros, transexuais, gays e bissexuais que querem exercer o direito fundamental de ir e vir de mãos dadas com quem se ama. Somos a juventude que tem fé no que virá e o poder de superar o atual momento de dificuldade pelo qual atravessa nosso país.

Nossa capital morena não tem sido mãe gentil a seus filhos e suas filhas. Casos de violência contra a população LGBT, nas ruas de Macapá, tornam-se evidentes através de xingamentos e agressões físicas. São tempos difíceis nas terras do Cabo Norte. Porém, dentre as dificuldades, encontramos cidadãs e cidadãos à disposição de lutar, por não negarem auxílio e apoio oferecendo prestígio e conhecimento a serviço de uma nova sociedade, um novo país. Eis as mulheres e os homens que são as heroínas e os heróis do cotidiano tucuju: como as merendeiras de Suzano e os bombeiros de Brumadinho, compartilham esperança e alimentam a fé em dias melhores.

A Comissão Organizadora da Parada do Orgulho LGBT de Macapá homenageia duas grandes personalidades de nosso cotidiano amapaense, ícones de solidariedade, carinho e praticantes de ações públicas que transformam vidas de muitas cidadãs e cidadãos. Por esses motivos tão simples e, ao mesmo tempo, demasiado importantes, apresentamos a jornalista Ana Girlene e o professor Antônio Sardinha como, respectivamente, Madrinha e Padrinho da XIX Parada do Orgulho LGBT de Macapá.

Ana Girlene, jornalista, policial civil, há 11 anos no comando da bancada do programa Café com Notícia, prestadora de serviço à sociedade amapaense com isenção e respeito aos seus ouvintes. Desde jovem, Ana almejava alçar voo no jornalismo. Em sua trajetória, conquistou respeito por sua conduta profissional. De igual maneira, rapidamente recebeu o reconhecimento e a admiração dentro e fora do contexto do ofício que escolheu. Nossa poderosa madrinha dispensa apresentações por já enaltecer momentos do cotidiano de filhas e filhos amapaenses e fortalecer os corações de irmãs e irmãos componentes do arco-íris tucuju.

Antônio Sardinha é professor da Universidade Federal do Amapá, coordenador do curso de Pós-Graduação em Estudos Culturais e Políticas Públicas. Atua na luta pelos direitos humanos LGBT há 10 anos. Adotou nossa terra como sua e está na linha de frente da formação de uma nova geração de jornalistas no Amapá. Mestre de acessível diálogo, Sardinha é considerado, indiscutivelmente, um dos máximos exemplos de docentes comprometidos com o compartilhar de sabedoria e conhecimento mesmo além de muros institucionais. Nosso padrinho é ímpar por sempre prestar apoio ao presente movimento junto a formulações e articulações de políticas públicas à população LGBT do Amapá.

Esses são apenas dois dos muitos cidadãos e cidadãs, brasileiros e brasileiras de vozes e atos que não fogem à luta e acreditam em um Brasil de todas as cores.

De mãos dadas por um Brasil de todas as cores.

Comissão Organizadora da XIX Parada do Orgulho LGBT de Macapá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *