William Bonner, meu twitteiro preferido, em entrevista a Revista Veja On Line

William Bonner, o ‘tiozão’ do Twitter

william-bonner-jn

Os brasileiros estão acostumados a vê-lo de segunda a sexta-feira, em horário nobre da TV, sentado atrás de uma bancada, paramentado de terno e gravata e exibindo um semblante fechado, sério – sua forma de transmitir credibilidade ao noticiário do Jornal Nacional, da Rede Globo. Em seu perfil no Twitter, porém, surge outra face do jornalista William Bonner. Na entrevista a seguir, feita por e-mail, ele explica que a rede de mensagens se tornou seu espaço de diversão, um canal para apresentar seu lado descontraído e bem-humorado. Exemplo disso é a forma como ele se apresenta na ferramenta – “tio” Bonner, uma tentativa de ampliar o relacionamento com os seguidores: são cerca de 420.000.

Principais Trechos

Como conheceu o Twitter?
Numa palestra dentro da Globo. Foi apresentado pelo diretor-presidente da área de internet.

O Twitter é seu espaço de diversão?
Sim, é um deles. Eu me divirto com minha família, com leitura, música, cinema, esportes. E com o Twitter.

O que mais o fascina no Twitter?
Tem certa semelhança com meus tempos de rádio. Eu estava na rádio USP, há uns 25, 26 anos. Ao anunciar uma música, fazia lá um comentário qualquer. Ligava a letra da canção a algum fato do noticiário, coisas assim. E o telefone tocava imediatamente no estúdio. No Twitter é isso. Só que com 400.000 “ouvintes” em potencial. E grande parte deles disposta a responder na hora.

Você acredita que pessoas famosas estejam preparadas para lidar diretamente com o público, principalmente no Twitter?
Eu não me atreveria a julgar. De minha parte, digo que estou ali só pra mostrar aos seguidores uma face que meus amigos e colegas já conhecem: o sujeito brincalhão. Por isso, a possibilidade de me tornar alvo de alguma brincadeira é parte do jogo – e encaro isso com naturalidade e bom humor. Aliás, na maior parte das vezes sou eu mesmo que estimulo a “tropa” nesse sentido. Como quando digo que estou com meu “pijamão listrado”, por exemplo. É algo tão ridículo que acabei usando uma foto dessa “indumentária” como fundo em meu perfil no Twitter. Acho altamente recomendável que as pessoas que entram nesse mundo do microblog tenham a capacidade de rir delas mesmas.

Você sempre “twitta” posts muito pessoais, que falam bastante sobre o seu dia a dia fora da TV. Essa foi uma estratégia de aproximação com o público ou o perfil se moldou naturalmente?
Se eu quiser mostrar um lado da minha personalidade que as pessoas ainda não conheçam, terei que abordar prioritariamente o que faço fora da TV. Ao levar filhos à escola depois do toque do despertador, por exemplo. O que faço dentro da TV eu já descrevi didaticamente no livro Jornal Nacional Modo de Fazer, lançado no ano passado. (E destinei meus direitos de autor à escola de Comunicações e Artes da USP, porque não me parecia justo lucrar com uma obra que aborda o trabalho de uma equipe gigantesca de profissionais.)

O Twitter diminui a distância entre você e os espectadores do Jornal Nacional. Por que manter esse canal de comunicação?
Primeiro porque isso é imensamente prazeroso e divertido. É o motivo número um. Mas também porque eu acho que quanto maior for a empatia estabelecida entre mim e o telespectador-twitteiro, mais agradável será, para ele, a experiência de assistir ao Jornal Nacional. Na verdade, eu só passei a “achar” isso depois que os meus “sobrinhos” (sou o “tio” no Twitter) comentaram essa sensação repetidamente.

Você é adepto de outras redes sociais ou de gadgets? Recentemente foi divulgada uma pesquisa americana sobre o vício em iPhone. Você conseguiria viver longe desses dispositivos móveis?
Não frequento outras redes sociais. E, sim: sou viciado em conectividade. A ideia de ficar sem internet me angustia. Eu não lembro mais como era, no meio de uma conversa, uma dúvida surgir e não ser eliminada instantaneamente numa pesquisa digitada no telefone celular mais próximo.

O William Bonner é o âncora do Jornal Nacional ou “tio” do Twitter?
O William Bonner é o âncora do Jornal Nacional, o “tio” do Twitter, o marido da Fátima, o pai do Vinícius, da Beatriz e da Laura, o cliente do dr. Sérgio, o torcedor do São Paulo. Em cada ambiente, em cada circunstância, eu sou um e sou vários. Porque, como você e todo mundo, eu sou rigorosamente quase normal.

  • Tudo mto bem, tudo mto bakna. Mas o tiozão bonner só esqueceu de falar uma coisa…
    Mesmo q ele quisesse falar de trabaio no twitter, ele NÃO pode. A rede glóbulo proíbe em contrato.
    Puta saknation ver o tiozão falando no twitter de receita de brigadeiro. Nda a ver.

  • POR ISSO ELE EH BOMMM… E SAO PAULINOOooo hehehehehhe !!!!! lene.. teu mengo virou fregues do bota?? e o bruno.. tah nascendo pena nele? uAHUahAUAh mais 17 anos sem brasileiro :*****

  • admiro mto bonner,as pessoas tem q ser assim mto profissional no seu trabalho, mas ñ pode esquecer q é um ser humano comum como todos nós, q temos nossos desejos, nossas obrigações e nossos direitos.Mtooo bommm valeuu!!! principalmente prq é são paulino

  • Acreditam que hoje fiz uma prova na Universaidade da materia Tecnica de Entrevista e reportagem , e esse entrevista aqui caiu na prova, ou melhor a prova toda foi ela,mas as perguntas embaralhadas e deveriamos colocar na ordem que achavamos correta.Bom agora esperar para ver a nota, pelo que vi um 5 srsrsr

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.