• Mantenho meu posicionamento a respeito das atribuições das duas polícias – Civil e Militar. Falta polícia preventiva no Amapá, porque a Polícia Militar, que tem a competência constitucional de polícia ostensiva e preventiva, está funcionando como polícia repressiva e investigativa. Não raro, vejo nos programas policiais, PMs fardados dizendo que investigaram … E onde fica a figura da polícia civil, comandada por delegados de polícia?

  • Descansando Dr Adelmo. É isso que fazem a maioria dos delegados. Vá atras deles nas delegacias. veja em quanto tempo eles fazem um inquérito. Aliás, faça melhor, veja quantos inquéritos algunsdelegados já concluíram com sucesso.

  • A Polícia Militar tem um grupo chamado “Serviço Reservado”. Por que reservado?

    Porque poucas pessoas sabem que existe e por que os policiais estão sempre a paisana. O termo investigar é usado por policiais antigos ou mal instruidos. Acontece que eles não investigam (PN). Eles apenas observam e fazem sondagens com seus informantes. Quem investiga é a Polícia Civil que colhe depoimentos, trabalha emcima de laudos e tarará… Com relação aos índices de mortes, não resta outra “coisa” a dizer se não que é o “resultado de uma ridícula operação denominada start”, que ao invés do coagir o bandido que mata, rouba e trafica,A PM intimida e constrange o cidadão. Ou seja, além de ser vítima da bandidagem, também é vítima do policial. Tem jornalista q enche a boca pra dizer que a operação traz bons resultados para a sociedade com apreensões de foragidos e etc.. Para esses jornalista (que por sinal são amigos), digo que a PM não precisa de uma operação de marketing (do novo comandante) para prender foragidos ou tirar armas de cirulação. Isso acontece todos os dias durante policiamento ostensivo. A culpa pelo constrangimento não é do policial, afinal ele é treinado para lidar com criminosos, mas do comando que quer mostrar serviço, mas acaba pecando.

  • ta diminuindo,entre 26/12/2009 a 08/02/2010 foram 26 mortes só na maternidade,e olha que lá é proibido bebida alcoólica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *