Versões sobre o caso do filho do Sadala

Um caso que tomou conta das redes sociais e do noticiário foi a agressão sofrida pelo filho do ex-juiz Ofirney Sadala, atual pré-candidato a prefeito de Santana.

O jovem, de 22 anos, que estaria conduzindo um veículo sem habilitação, fugiu da viatura dos militares e foi agredido em frente de casa após parar o carro. A ação foi filmada por câmeras da residência.

O caso trouxe a tona uma sequência de erros. O primeiro foi jovem ter saído de casa sem habilitação, o segundo ter fugido dos PMs, o terceiro a agressão dos militares ao motorista e o quarto os xingamentos de Sadala aos policiais.

Veja a versão de cada sobre o fato

Capitão Rondinele Marques, do BPRE

“Vi as imagens, inclusive do cidadão [Sadala] tentando fazer com que os policiais não dessem seguimento na ocorrência e xingando os nossos servidores públicos. Todos estavam equivocados, mas um erro não justifica o outro. Dirigir sem CNH é uma infração, mas quando a pessoa provoca perigo de dano, ela se torna um crime. Existem relatos de que pessoas quase foram atropeladas na fuga”.

Ofirney Sadala

“Eu tentei acalmar e resolver porque sabia que o procedimento da PM estava todo errado. Dirigir sem habilitação não é crime e direção perigosa acontece somente perto de escolas, hospitais ou aglomerados de pessoas. A minha rua é deserta. Eu entrei em casa e fui ver as imagens. Quando me deparei com as cenas, fiquei indignado. Sai na varanda de casa e disse que eles eram covardes. A Polícia Militar não merecia homens como aqueles”.

  • De todo modo, independentemente da versões apresentadas, duas coisas são indiscutíveis, quem dirige sem habilitação, de forma irresponsável e colocando em risco a própria vida e de terceiros, deve ser severamente punido, e quem agride, espanca, tortura e constrange também. E se o autor destas barbaridades for agente do estado, pago pela coletividade e com o dever de protegê-la e respeitar as leis, a punição deverá ser mais severa ainda.

    Espero sinceramente que a devidas punições de fato sejam aplicadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *