Artistas amazônidas lançam música e clipe “Kwá Yãné Rẽdawa – Esse é o nosso lugar” em manifesto poético pelo dia da Amazônia

A música Kwá Yãné Rẽdawa, que em nheengatu significa “esse é o nosso lugar”, é um abraço fraterno entre os estados que compõem a Amazônia brasileira, a mãe do Brasil. Ela faz parte do projeto Vozes da Amazônia, que também se desdobrará em clipe e evento presencial para marcar o próximo Dia da Amazônia, 05/09/22, almejando tornar-se um festival nos próximos anos.

Mais do que um projeto em homenagem à Amazônia, ele é feito pelas próprias vozes da região. “Nós somos guardiões da maior biodiversidade do planeta com nossos saberes, costumes, tradições e cultura. Somos vozes diversas que se desenvolvem de forma única nos territórios desse universo verde”, diz o idealizador do projeto Silvan Galvão.

Sete estados da Amazônia Legal estão representados nessa poesia da floresta: do Pará, Silvan Galvão e Nilson Chaves são autores, intérpretes e anfitriões do projeto. Outros dois paraenses fazem parte da música: o compositor Joãozinho Gomes, na letra, e a atriz Dira Paes, que interpreta um poema. Do Amapá, a cantora Patrícia Bastos traz sua contribuição; Graça Gomes é a sonoridade do Acre; o Amazonas é representado pela artista Ellen Fernandes; a cantora Euterpe é a voz de Roraima; Bado representa Rondônia; e Genésio Tocantins fala de seu estado.

O videoclipe procura ilustrar essa imensa riqueza, gravando cada artista em seu lugar natal, mostrando a floresta, o povo e os costumes. “Neste projeto, a Amazônia é a protagonista”, diz Silvan.

O videoclipe será lançado no dia da Amazônia, 05/09, nos canais do Silvan Galvão e do Projeto Saúde e Alegria e a música estará nos principais canais digitais (pré save) com apoio do Selo Alter do Som.

O pré-lançamento será no evento presencial Vozes da Amazônia que acontece durante todo o dia 03/09 em São Paulo, na Cervejaria Tarantino, com shows, intervenções artísticas, venda de artesanato e degustação da culinária amazônica. Três dos nove artistas que interpretam a música estarão presentes e farão a primeira apresentação ao vivo da canção: Nilson Chaves e Silvan Galvão, do Pará, e Patrícia Bastos, do Amapá.

Parceiro da iniciativa, o Projeto Saúde e Alegria, que atua na região de Santarém/PA, também exibirá o clipe em eventos do Projeto Vozes pela Ação Climática, que está organizando com diversos parceiros na semana da Amazônia. “Nós estamos buscando dar visibilidade às expressões do povo da Amazônia que a muito custo tenta manter essa floresta em pé, porque depende dela de corpo e alma pra sobreviver, e pela sua importância para o equilíbrio do clima no planeta”, diz o coordenador do PSA, Fabio Pena.

Fotos: https://drive.google.com/drive/u/0/folders/1YbauwiL3_1CjVgH1sQck7XDTw4wVWo-A

 

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA
f e r v o – comunicação, conteúdo & relacionamento
Priscila Cotta
55 93 9976.9353 ou 11 98098.1978
Fabiana Cardoso
11 98280 4489
Kwá Yãné Rẽdawa – Esse é o nosso lugar
Autores:
Silvan Galvão – Pará
Nilson Chaves – Pará
Joãozinho Gomes – Pará
Interpretação de texto: 
Dira Paes – Pará
Vozes:
Silvan Galvão- Pará
Patrícia Bastos – Amapá
Nilson Chaves – Pará
Ellen Fernandes – Amazonas
Graça Gomes – Acre
Euterpe – Roraima
Bado – Rondônia
Genésio Tocantins – Tocantins
Direção do clipe
Priscila Tapajowara – Pará
Letra:
De Porto Velho a Manaus,
Palmas, Belém, Boa Vista
De Macapá a Rio Branco
Versos da mesma poesia 
Amazônia 
Amazônia
Vamos juntos entoar 
Um canto encanto nortista 
Vamos cantar nossa língua
Nativa sabedoria
Amazônia 
Amazônia
Kwa Yanerendawa
Kwa Yanerendawa
Texto interpretado por Dira Paes: 
“Esse é nosso lugar!
Este ato nortista,
este encontro de vozes da mata
que ecoa, agora:
que sai das almas dos artistas
como à franja do horizonte
esplende-se a aurora,
que ora e grita à hora
em que Tupã medita – edita, pai,
deleta o que dita o idiota! –
é a voz que te dirá quem somos
– sumanos somamos
humanos suprimos –
nesta floresta ímpar,
neste primor divino onde
vivemos e dividimos voo
com passarinhos; nós sabemos
do calor do grande ninho,
sabemos entoar para
que abram-se caminhos, intuir
para que abracem-se sacis
e dancem nossos hinos.
Sabemos solfejar os trinos
que entoam os sabiás; e sábios,
sabemos desfiar
nossos destinos, e hábeis, guardar
o grande ninho
como fazem com a rosa
os seus espinhos… “
De São Luís a Parintins 
Alter do Chão, Jalapão, Pacaraima
Do marabaixo a floresta
Cantos da mesma magia
Amazônia 
Amazônia
Belezas de uma herança
No rosto, no sotaque e no olhar
Navegando na   história
Da nossa força nativa
Amazônia 
Amazônia
Kwa Yanerendawa
Parceria e Distribuição: Selo Alter do Som

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *