Promotoria do Meio Ambiente realiza audiência pública sobre poluição sonora

Com o objetivo de discutir os efeitos nocivos à saúde, à segurança e ao bem-estar da coletividade, a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Conflitos Agrários, Habitação e Urbanismo de Macapá (PRODEMAC), por meio do promotor titular, Marcelo Moreira, promoveu Audiência Pública sobre a Poluição Sonora nos estabelecimentos comerciais na orla do Santa Inês.

A Audiência é uma continuação de reuniões relacionadas ao Inquérito Civil Público nº 26/2012, realizadas anteriormente com donos de bares, restaurantes e estabelecimentos similares, juntamente com moradores da orla do Santa Inês, representantes de órgãos ambientais, Departamento Estadual de Trânsito, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros, Conselho de Segurança Pública e população em geral.

“Recebemos várias denúncias dos donos de estabelecimentos e de moradores do Santa Inês sobre a perturbação do sossego, venda de drogas em alguns pontos e o alto número de ambulantes que vendem bebida alcoólica após o fechamento dos bares e restaurantes. Após as denúncias, algumas propostas foram pontuadas e vamos reunir para averiguar os procedimentos cabíveis”, informou o promotor de Justiça Marcelo Moreira.

 

SERVIÇO:

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá

  • Não é só a orla do Santa Inês que sofre com a poluição sonora. TODA A CIDADE DE MACAPÁ padece desse mal. É AGONIZANTE para os macapaenses terem que se submeter a escutar tamanha “barulheira” e mal gosto por parte daqueles que deveriam ter educação e respeito ao próximo.

    Penso que só notificação e advertência verbal por parte do MP e da polícia não vão corrigir esse mal em Macapá.

    O que deve ser feito é a APREENSÃO imediata dos equipamentos sonoros, e ainda APLICAÇÃO DE MULTAS severas a quem desobedecer o limite estabelecido em lei.

    Autoridades competentes, uni-vos!

    Vamos combater essa poluição sonora que tanto assola o povo macapaense!

    • Disse tudo Luan,se não doer no bolso dessas figuraças,não vai resolver o problema.Costumo ouvir de visitantes que aqui é fim de mundo e terra de índios.Ainda sem argumentos,dou resposta na bucha,mas sei que na verdade os visitantes tem lá suas razões,pq aqui parece mesmo o c…do mundo e quanto aos índios,acho-os mais civilizados que os urbanos.Dizem que aqui pode faltar comida na mesa,mas não falta um bom som p/esfolar.AFF!

  • È muito importante que se resolva o problema da poluição sonora, mas convenhamos que a poluição ambiental como lixo, matos, etc na cidade tbm deve ser resolvida, com multas severas pra quem joga lixo nas ruas e deixa o mato crescer em frente das casas.Fiquemos em alerta!!!!Grata.

  • Não é só na orla. Aqui do lado tem um bar que funciona quando quer, até a hora em que querem, com o volume que querem. Além de ocuparem a calçada. Agora colocaram uma mesa de sinuca obstruindo toda a calçada. Sem falar das inúmeras crianças que ficam no bar, muitas delas trazidas pelos pais.

  • É o orgulho de todo lazarento, ter uma buchudinha pra encher a cara e uma caixa de som pra por na porta de casa e roubar o sossego dos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *