Projeto Identidade Amapá Cultural vai mapear arte amapaense

Foto: Márcia do Carmo

Um banco de dados com informações de todas as manifestações artístico-culturais do Amapá começou a ser feito na segunda-feira, 30 de maio, pela SECULT (Secretaria de Cultura). É o projeto Identidade Amapá Cultural que vai catalogar artistas e produtores, por segmento, para identificar as marcas da cultura amapaense e fechar o mapeamento das manifestações.

“É o primeiro passo para a valorização da nossa cultura, estamos fazendo o diagnóstico para conhecermos as dificuldades e dar um impulso à nossa arte”, disse Cleide Façanha, técnica da secretaria.

O governador Camilo Capiberibe esteve na abertura do projeto que teve ainda a presença do secretario Nacional de Cultura, Henilton Parente, que fez uma explanação sobre a Lei Rouanet. As técnicas responsáveis pelo projeto, Cleide Façanha e Janice Carvalho, falaram sobre a responsabilidade em conduzir o Identidade Amapá que vai identificar as demandas e localizar os artistas em todo o Estado. Os cadastros serão distribuídos em todos os municípios através das prefeituras e coordenadorias de cultura que enviarão as informações para a SECULT. Em Macapá os artistas podem fazer o cadastro em doze pontos de cultura.

A proposta das técnicas é transformar as informações em um manual que sirva de guia para as agências de turismo de todo o Brasil e sejam valorizadas na programação de roteiros turísticos. O governador Camilo ressaltou que fazer cultura no Amapá não é fácil, principalmente pela falta de conhecimento dos empresários sobre a Lei Rouanet.

“O Identidade Amapá vai auxiliar apontando os que fazem cultura e podem ser beneficiados pela Lei Rouanet e por outras de incentivo à arte. Os empresários ainda não compreenderam a Lei, ela é boa para todo mundo, estou me comprometendo em intermediar o diálogo entre os empresários e produtores, daqui a um ano quero fazer balanço positivo da aplicabilidade da Lei no Amapá”, disse Camilo.

Mariléia Maciel
Assessora de Comunicação Social
Secretaria de Estado da Comunicação Social

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *