Professora de História publica livro sobre trabalhadores africanos na vila São José de Macapá

Uma pesquisa para mestrado sobre como os trabalhadores africanos chegaram ao Amapá e passaram a compor o espaço social da vila São José de Macapá, no século 19, deu origem ao livro “Escravos em Macapá: africanos redesenhando a vila de São José”, da professora do curso de História da Universidade Federal do Amapá, Verônica Xavier Luna. A autora estará autografando a obra durante coquetel de lançamento nesta quinta-feira, 8, a partir das 19 horas, no Centro de Cultura Franco-Amapaense, em Macapá. Trata-se de um livro interessante especialmente para professores, pesquisadores, estudantes, gestores públicos, técnicos e interessados em geral na temática da contribuição dos afro-descendentes na cidade de Macapá.

 

Nas páginas da dissertação e do livro, a professora usa o termo trabalhador africano em vez de escravo, como forma de assegurar e valorizar a identidade étnica do africano. A pesquisa analisa as relações entre os trabalhadores africanos e destes com outros segmentos da população local, principalmente como redesenharam o espaço social urbano da então vila São José de Macapá por meio destas experiências.

 

O período estudado vai de 1840 a 1856, recorte histórico que melhor visualiza o movimento do sujeito social africano na cidade de Macapá. Neste período deu-se, nesta cidade, a maior presença de africanos cativos fugitivos do Grão-Pará, do Maranhão e da Guiana Francesa. A dissertação de mestrado, que deu origem ao livro, tem como título “Entre o porteau e o volante: africanos redesenhando a vila de São José de Macapá”.

O interesse de Verônica Luna em compreender como os trabalhadores africanos se articularam na construção do espaço social da vila ocorreu, inicialmente, por meio dos contatos com professores e alunos da Unifap, logo que ela chegou a Macapá para tornar-se professora no curso de História. Em seguida, conheceu o Curiaú, comunidade de afro-descendentes onde assistiu ao cerimonial do Marabaixo, uma manifestação de origem africana. Ela observou a existência desta manifestação também nos bairros Laguinho e Santa Rita, na cidade de Macapá, e ainda um grande número de moradores afro-descendentes nos dois bairros.

 

O passo seguinte foi constatar que os espaços onde foram formados o Laguinho e Santa Rita foram demarcados para receber os afro-descendentes, transferidos a contragosto, do perímetro urbano de Macapá, durante a gestão do governo de Janary Gentil Nunes. Também chamou a atenção da professora Verônica Luna, as homenagens a dois afro-descendentes, o Museu Sacaca e o Hospital e Maternidade Mãe Luzia, lembrados pelos serviços prestados à população. As descobertas seguintes foram a festa de São Tiago, em Mazagão Velho, uma manifestação de origem africana que celebra a transladação de Marrocos para Mazagão, e o povoado de Cunani, no município de Calçoene, onde em 1885 o afro-descendente e fugitivo Trajano, de posse de um título de capitão dado por autoridades francesas, liderou um movimento de independência do Cunani.

 

SERVIÇO:

Lançamento do livro “Escravos em Macapá: africanos redesenhando a vila São José de Macapá”, da professora Verônica Xavier Luna, da Universidade Federal do Amapá (Unifap). Dia 8 de dezembro de 2011, às 19 horas, no Centro de Cultura Franco-Amapaense, em Macapá. Após a apresentação da obra, será servido um coquetel.  No local, o livro estará à venda a R$ 20,00. Depois do lançamento, será vendido na Banca do Dorimar, Livraria Transmazônica e Livraria Amapense.

  • Excelente feito. Nossa dívida com o povo africano trabalhador, que foi escravizado e sofreu as graves consequencias desta, é imensa, talvez até irreparável. Parabéns à autora. Estou lendo o livro ” DO LADO DE CÁ Fragmentos de História do Amapá”, organizado por cinco historiadores,que também dedica uma parte a este assunto, entre outros. Vale a pena.

  • Obrigada Alcilene, pela divulgação de importante pesquisa que resgata e valoriza a contribuição do trabalhador africano para a nossa cidade.

  • Fico orgulhoso de ter sido aluno da professora Verônica. uma mestra dedicada ao estudo da história. Certamente o seu livro é um valioso instrumento para conhecermos um pouco mais sobre as origens dos afrodescendentes que moram em Macapá.

  • OBRIGADO VERONICA,ESTOU PRECISA DE ALGUMAS FONTE SOBRE O BAIRRO SANTA RITA, POIS VOU DEFENDE MEU TCC, E VOU FALAR SOBRE O BAIRRO SUAS CULTURAS, FAVELA.

  • ESTAVAMOS PRECISANDO DE FONTES PRECIOSAS COMO ESTA, PARA APROFUNDARMOS OS CONHECIMENTOS SOBRE A HISTORIA DOS NEGROS ESCRAVIZADOS EM MACAPÁ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *