POP FANTASMA apresenta SKIPP is DEAD, “Blast off!”

É possível contar uma história num formato compacto como o de um EP? O músico amapaense radicado em São Paulo SKIPP is DEAD procura fazer isso nas cinco faixas de seu lançamento de estreia, Blast off!.

Foto: Victoria Bastos/Divulgação

O disco conta a história de um pirata espacial refugiado de uma guerra intergaláctica. Utiliza para isso uma gama musical que inclui influências do indie rock, da linguagem chiptune (que reproduz sons de antigos videogames) e até da música do Amapá (o marabaixo, manifestação folclórica local, dá o ritmo em Kessler syndrome, e tem um zouk, ritmo da fronteira do Amapá com Guiana Francesa, em Venus in flames). Mas SKIPP esclarece que a ideia não é fazer um disco conceitual formal.

“Eu queria contar uma história através de música, mas sem fazer das músicas reféns de uma narrativa. Dito isso, eu resolvi usar o EP como um elemento dentro da história, e não necessariamente a ferramenta principal que narra os acontecimentos”, conta SKIPP.  “A ideia é que os eventos da história sejam contados por meio das redes sociais e outras mídias de apoio como videoclipes, imagens promocionais, curtas e até outros singles. Quem acompanha pelo instagram, por exemplo, já está a par do plot principal envolvendo a maligna Corporação H3, que caça o Pirata Espacial e tenta a todo custo censurar o seu barulho”.

SEM ‘ERA UMA VEZ’

Para conseguir chegar a esse resultado, ele ouviu muito o clássico The rise and fall of Ziggy Stardust and The Spiders From Mars, de David Bowie (1972), mas outras influências foram importantes. “Eu aprendi muito com Gorillaz sobre como narrar uma história em um disco, sem o auxílio de um ‘era uma vez’ literal nas letras”, conta. “Mas sou muito fã de sci-fi em geral, então muitas referências vieram de inúmeros lugares que não só a música. Posso citar como referências cinematográficas Blade runner, 2001: Uma odisséia no espaço, além de uma infinidade de filmes B que eu andei assistindo durante o processo”, conta. Jogos como The outer worlds e Elite dangerous também ajudaram a imaginar a história.

O disco tem poucos convidados (Bruno Mont’Alverne tocou baixo nas duas primeiras faixas) e coube a SKIPP tocar e programar praticamente tudo. Mas ele ainda precisou imaginar e reimaginar o projeto para a internet. “Esse projeto já estava pronto antes da pandemia. Porém eu tive que adaptar algumas coisas para funcionar nas interwebs, já que a ideia inicial era fazer uma ponte que ligasse os shows e o material digital”, conta SKIPP. Aliás, para construir a sonoridade do disco, ele usou simuladores de “sintetizadores analógicos, arpeggiators e inúmeros filtros que tentam aproximar o som ao que era ouvido nas antigas TVs de tubo, ou nos falantes de Gameboys”.

STROKES DO BREGA?

Blast off! ainda tem o tal lado indie rock – e por acaso, SKIPP is DEAD é conhecido como o “Strokes do Brega”. A referência à banda novaiorquina vem de outros projetos do músico.

“Desde que cheguei em São Paulo eu faço parte de uma banda chamada The Strokes Cover BR, cover oficializado pelo Julian Casablancas”, conta SKIPP. “Digamos que oito anos tocando Strokes por aí mexem com a cabeça de um ser. Então a parte guitarrística do EP conta com riffs e arpejos que se complementam de forma polifônica, o que é característica da banda. Mas que também tem muito a ver com a linguagem do chiptune que eu tanto amo”.

Pega aí Blast off!, com SKIPP is DEAD, e o clipe da faixa de abertura, Primal instincts.

Via – Ricardo Schott / Pop Fantasma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *