Polícia Militar encontra bebê raptado da Maternidade Mãe Luzia

Num esforço concentrado das Polícias Civil, Militar e Federal, foi encontrada na tarde desta sexta-feira, 18, a suspeita de raptar uma criança da Maternidade Mãe Luzia, no último dia 10.

Policiais do 2º Batalhão da Polícia Militar chegaram até a mulher, por meio de denúncia anônima, através do 190. Ela reside no bairro Brasil Novo. O retrato falado, feito por peritos da Polícia Federal teve como base o depoimento da mãe da criança, Serinã Waiãpi, de 31 anos, da Aldeia Aramirã, da tribo Waiãpi, no município de Serra do Navio, auxiliou os policiais na identificação da mulher.

O rapto da criança mobilizou toda a segurança pública do Estado, que contou com o apoio da Polícia Rodoviária Federal, que fez barreiras na BR-156, além da Polícia Federal que reforçou a segurança no Aeroporto Internacional de Macapá, bem como auxiliou o Núcleo de Inteligência da Polícia Civil.

Na casa da suspeita, durante uma revista as roupas divulgadas nas imagens do circuito interno de vídeos do hospital foram apreendidas. Diante dos indícios de crime, os policiais conduziram a mulher e a criança à superintendência da Polícia Federal, e lá ficou constatado, por meio de exames especializados, que se trata do índio que havia sido raptado há uma semana da Maternidade Mãe Luzia.

Durante o depoimento, Maria Olinda confessou ter raptado o bebê aos delegados federais e da Polícia Civil. Mas, somente a conclusão da investigação vai revelar se ela agiu sozinha ou se outras pessoas tiveram participação e principalmente a motivação do crime.

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Marcos Roberto da Silva, disse que a ajuda da sociedade foi fundamental para elucidar o caso e revelou que o trabalho conjunto das forças que compõem a segurança do Estado é fundamental em situações que requerem o trabalho operacional e de inteligência.

“Finalmente vamos poder dormir tranquilos, porque sabemos que a criança está com a mãe. Medidas de segurança já foram tomadas para evitar que casos como este voltem a se repetir”, declarou o secretário.

José Maria
Assessor de Comunicação

  • Infelizmente é muito difundida a tola idéia de que as forças policiais são capazes, sozinhas, de solucionar todos os crimes que se continuam no tempo como o do exemplo e os que fogem ao flagrante. Ser cidadão é justamente isto, ter direitos, sim, mas também assumir seus deveres. Toda a população TEM de aprender a ser ativa na prevenção e solução dos problemas de segurança, assim há ganho para todos, principalmente em nossos bolsos, pois diminuiremos a febre de querer extrapolar os efetivos policiais, já que nenhuma polícia no mundo vai conseguir ser onipresente. Estas forças podem e devem agir de forma racionalizada e efetiva. Parabéns aos órgãos envolvidos e, principalmente, parabéns ao nobre e verdadeiro cidadão que não se deixou intimar pelo difundido e canhestro estigma de “dedo-duro” e resolveu contribuir com a sociedade, vindo de fato a solucionar o crime.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *