Parque Zoobotânico de Macapá

* Marco Antonio Chagas. Doutor em Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável

A área do Parque Zoobotânico de Macapá encontra-se entre dois municípios que tendem a unificação ocupacional de seus limites em médio prazo (cornubação). Com a transformação da área em Unidade de Conservação Municipal (Lei Municipal no 1.670/2009) o espaço sobre proteção do Poder Público passou de 56 hectares para 107 hectares. Isso é de grande relevância, a considerar a especulação imobiliária que pressiona os espaços públicos e a constatação cartorial de que a área de 107 hectares é integralmente de propriedade do município de Macapá, não incidindo sobre a mesma qualquer ocupação particular.

Existe na área um mosaico de amostras de vários ecossistemas amazônicos, incluindo cerrado, floresta e ressaca. Essas amostras estão inseridas na área de 107 hectares do Parque Municipal e tem forte apelo para atividades de educação ambiental.

No espaço público designado como Parque Natural Municipal está instalado o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá – IEPA, importante parceiro para gestão da unidade de conservação.

O Conselho Consultivo e o Plano de Manejo são instrumentos de gestão do Parque Municipal e suas implementações são oportunidades para a unidade ser apropriada pela sociedade, principalmente pela comunidade do entorno. A figura jurídica dos “zoos” não é provida de instrumentos que possam o legitimar perante a sociedade, como acontece com a categoria Parque Natural Municipal.

Em 2008, com apoio do Ministério Público Estadual, foi elaborado o Projeto de Revitalização do Parque Zoobotânico para uma fauna abrigada de 221 animais. O projeto foi atualizado em 2011 para uma população de 105 animais, distribuídos em 23 aves, 52 répteis e 30 mamíferos. Entre 2008 e 2011 houve uma perda de 116 animais. Qual a atual população de animais abrigada no Parque?

“O Abandono dos Zoológicos”, publicada na Revista Isto É, edição de 27 de julho de 2011, denuncia a trágica situação dos “zoos” brasileiros e a necessidade de repensar os modelos de gestão dessas áreas com maior envolvimento das empresas que utilizam a natureza para gerar riqueza quase sempre não redistribuída junto à população onde operar.

O projeto de revitalização do Parque é belíssimo e pode ser redimensionado para atender as exigências legais e com o bom senso do IBAMA diante da situação geral dos “zoos”, devolver a sociedade amapaense esse espaço de tantas histórias e oportunidades de ócio criativo.

Parque-Macrodiagnostico Parque-1

  • Bom dia, sou Caled Matheus, aluno do décimo semestre de arquitetura do CEAP. Pretendo para a entrega do meu TC fazer uma revitalização no parque zoobotânico, Para isso tenho ideias bem interessantes e positivamente ambientais para la, porem venho tendo dificuldades para ter algumas informações como plantas, históricos e tudo mais, por isso qualquer ajuda ou apoio seria muito bem vinda, se pudéssemos nos encontrar ou manter contato agradeceria muito qualquer ajuda que fosse, desde já meu muito obrigado.

Deixe uma resposta para caled Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *