• Puxa! Até eu tinha esquecido como a Floriano é linda!!! Uma pena que já a tenham esquecido de novo, pois já não existem tantas flores como mostrar a foto, infelizmente.

  • Lene, vc sabe como fazer as coisas com inteligência: primeiro noticia a violência que assola a outrora pacata Macapá, deixando a todos aflitos. Em seguida nos mostra que a cidade não é de todo só desencanto. A primeira, lamentamos. A segunda é o bálsamo da primeira. Valeu!!!

  • conserteza bem florida novamente,mas a iluminação ja esta deixando a desejá e os pedalinhos não estão funcionando aos domingos.coisa muito comun em nosso estado, tudo começa muito bem, depois vai se esquecendo,esquecendo,esquecendo…
    prova disso nosso “LUGAR BONITO” já está se tornando “LUGAR FEIO”, nosso “BONDINHO” então nem se fala.

  • me criei nesta praça, esta praça era um gigantesco gapó, uma floresta e tinha um imenso lago no meio que eu tomava banho, as finais de tarde quando o sol estava se pondo eu meu irmão Vanildon e muitos amigos depois de uma pelada de futebol em um campinho de terra batida descíamos uma ladeira que era um caminho no meio do mato pra frente da ksa do caveirinha e todo mundo se armava com nossas baladeiras e vinha uma revoada de Japiim e o caverinha que hoje é um ilustre advogado dava a ordem de disparar as baladeiras pra cima dos japiins, nesta praça tarde da noite eu o Carlito, o léo, o Dunga, o cabeça todos amigos da antiga íamos ficar de tocaia no meio do mato pra tentar matar a matinta pereira que vinha da fortaleza de Macapá pra dormir neste matagal por volta de meia noite rsrsrs, nossa ksa era de madeira e ao lado tinha uma fabrica de sabão era rua de chão batido e a energia ia embora meia noite, uma vez peguei minha baladeira e atirei na cabeça do seu Congós que tava passando porre arrastando uma gurijuba e ai seu Congós correu atrás de mim e entrou em ksa tentando me pegar, o papai o grande Nonato leal expulsou o velho Congos e me deu uma surra de fio elétrico, nossa foi barra, na nossa ksa aos domingos ia pra lá o Aymore Batista, Paulo Guerra, Ezequias Ribeiro de Assis, Sebastião Montal’verne, Cordeiro Gomes(segura o balde), Alcyr Araújo,Humberto Moreira Zé Criolo e eu ficava vendo aquela extraordinária música meu pai gritava pra mim..(Vinilton minino vai ali no canto comprar mais cerveja)e eu ficava entre o vai e vem dos whiskes, cervejas, composições, bate papos de intelectuais, esta praça é um referencial na minha história de vida, foi revitalizada pelo Comandante Anibal Barcelos e hoje aqui em Recife bem longe do meu lugar guardo na memoria esta praça Floriano Peixoto aonde eu tive minhas primeiras namoradas, aprendi a tocar violão e meu pai me levava de bicicleta pra Escola Paroquial Padre Dário pra estudar, e de bicicleta eu ia com ele pra Rádio Educadora aonde meu pai ia fazer seu programa de rádio com o Moacir Banha enfim são tantas as lembranças… um dia eu volto quando tivermos um Governo que não olhe as magoas e nem rancores olhe a capacidade técnica de amapaenses como meu Pai Nonato leal que esta com sua arte esquecida pelo Estado e de muitos amapaenses desta praça que ajudaram a construir o Amapá de hoje. Eu tenho história e esta história o sociedade e o povo deste estado julgara assim como de muitos que deixaram o estado exonerados pelo jovem Governador Camilo, mais já fui jovem, afoito e cheio de sonhos, espero que o Governador faça o seu próprio sonho encima de suas convicções e não perseguindo, exonerando e desprezando pessoas como eu que aos meus 55 anos de idade tinha tanta experiência pra dar a jovens músicos que agora começam a tocar assim como na areá das Ciências Sociais..Venilton Leal. amapaense da Cepa,Rua Desembargador Assis de Vasconcelos (Praia do Pina) Boa Viagem Recife.081-82434925

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *