O que estão formando mesmo?

Na última quinta-feira a violência chegou aos extremos na Escola Tiradentes, uma das mais tradicionais de Macapá, outrora reconhecida como das mais organizadas e melhores escolas públicas.

Pistolas e revolveres estiverem presentes no “pára pra acertar”, entre irmãos e namorados de meninas que brigam em frente ao colégio.

Isso no turno da manhã.

Há tempos se sabe, que alunas desse colégio, “saem na porrada” em frente a escola, e são filmadas pelos garotos que depois publicam os vídeos do youtube, e também repassam em celular.

Autoridades, pais (sim, senhores pais) e educadores, tem que buscar juntos solução, antes que tragédias aconteçam, a imprensa noticie, a cidade se comova, mas a geração já esteja comprometida.

A violência nas escolas está no limite. #fato.

Professores e diretores estão assustados e com medo e várias escolas não trabalham mais com o turno da noite. O que é a pior alternativa. Fora da escola, mais drogas, bebidas e violência.

  • Sobre essa questão, não entrarei nem no mérito da falta de estrutura das Escolas Estaduais, que está precária. Mas questiono principalmente a presença da Família na formação de seus filhos, devido a correria(os que trabalham) dos tempos modernos os pais simplesmente esquecem que tem filhos e “delegam” a formação e educação de suas crianças única e exclusivamente a Escola, como se nós Professores tivessémos como substituir Pai e mãe. Aos pais mais carentes temos ainda a questão da “bolsa família”, que na prática, matriculam o filho só para garantir a bolsa, e tanto faz se o mesmo vai ou não para escola, se estão estudando. Como Professor sinto na pele todos esses problemas, ja que trabalho com adolescentes do Ensino Médio 2º e 3º anos. Acredito que uma maior participação dos pais junto com a formação sistemática que a escola pode proporcionar uma melhora significativa dentro da educação.

  • Um ponto importante que precisa de destaque, é que a violência escolar vem acompanhada de outros fatores,ela não surge e termina dentro da sala de aula. Esta “Ramificação” estar dentre os mais diversos tipos de violência que cercam os jovem quase que diariamente (A violência Familiar, Social, Policial, Verbal, Física, Comportamental, Etc…), o aluno influenciado por estes tipos de violência em casa, na midia televisiva ou na rua é meio de transporte para que esta violência chegue as escolas. Então surge a pergunta: O que nós professores,Gestores e pais estamos fazendo, para combater as causas, procurarando entender e tentar controlar suas conseqüências?

    Pais delegando a escola a criação de seus filhos, Professores sem formação “continuada” que lhe proporcione compreender a realidade ao nosso redor e assim garantir que os jovens aprendam e finalmente Gestores preocupado em desviar recursos ….

    Não vamos esquecer que a certeza da impunidade entra como fator agravante, pois muito desses alunos são filhos de pessoas influentes na sociedade, que fazem e acontece tendo até mesmo a proteção daqueles que deveriam nos defender e proteger!

  • Colega Murilo,
    Entendo a educação como um instrumento de controle do Estado, juntamente com a família e a religião, dentro dessa ótica os órgão de controle trabalham para preparar o indivídio para a convivência na sociedade, já percebemos que a nossa sociedade está deteriorada e que a família não está cumprindo o seu papel e a religião só amedronta o indívíduo, será que não está na hora do estado trazer para sí essa responsabilidade? o espaço aqui é pequeno e não vamos nos aprofundar, mas sou contra a interferência da familia na educação. isso pode parecer estranho vindo de um professor, mas pense, o aluno nunca, NUNCA vai se comportar na escola como ele se comporta em casa, por isso, a família ver seu filho por uma ótica diminuta e rasa. quantas e quantas vezes vc não ouviu de uma mãe: o meu filho não faz isso. claro, que o quê ele faz na escola, ele não faz em casa. já o comportamento na escola indica como o indivíduo vai se comportar na sociedade, mas o para o comportamento social o estado tem controle; a polícia, a justiça, o IAPEN, e por aí vai.
    Foi o estado com a sua ausência, o governo com o seu descaso que criaram esse caos na sociedade, e é ELE que tem que dar uma resposta para situação que só piora a cada dia.

    • Você está certo! o problema é que criaram um tal de ECA, que parece se preocupar mais em defender os direitos das crianças e adolescentes e acaba esquecendo de que para cada direito adiquirido se tem um Dever ímplicito ai fica complicado.

  • Jovens sem rumo, es a questão da base da nossa violência. Boa parte da população carcerária são de jovens. O que falta? Projetos consistentes de políticas públicas. O que se viu nos últimos anos foi a farra do dinheiro público sendo roubado e mal gerenciado. Então pensem bem, o problema está aqui, ele é nosso. Não gosto de justificar a causa como se fosse um problema brasileiro. E sim do Amapá. Se o dinheiro for investido de forma planejada e séria, aí nós teremos resultados. Se tivermos polícia interagindo com a comunidade poderemos ao menos inibir a criminalidade. Os bairros carecem de bibliotecas, as rádios locais e tvs oferecem culturalmente o que há de pior . Faltam empregos aos jovens. Não há o que fazer muito, uma vez que o poder público é omisso em tudo. A corrupção precisa ser combatida imediatamente. Precisamos colocar pessoas descentes nos governos.

  • Sou professor de uma escola na zona norte, fatos como esse acontece sempre, porém quando a policia chega a diretora ignora e acha conveniente o dialogo, na semana seguinte continua tudo de novo. Acredito que se a policia fizesse o papel dela e entregasse os brigões ao ciosp, onde ambas iriam responder um processo provavelmente essas pessoas iriam pensar duas vezes antes de criar confusão, escola é um local para aprender e não um campo de batalha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.