O QUE É ISSO, COMPANHEIRO?

Por Paulo Bezerra. Mestre em administração pública.

 

Foi muito constrangedor ver o Lula na televisão pedindo voto para o candidato Roberto Góes. Eu, e acredito que muitos daqueles que nos anos 80 estudavam em Belém e que, ainda que no seu pequeno espaço de influência, lutaram ferrenhamente pela eleição de Lula, se sentiram traídos. Afinal de contas, o modo de governar do prefeito Roberto Góes é contrário a tudo aquilo que defendíamos e defendemos.

Eu e um pequeno grupo de amigos (Ismael Souza, Ricardo Azevedo e Jorge Bezerra, entre outros) fomos petistas de primeira viagem. Distribuíamos panfletos que eram produzidos na casa do Batista e Eunice, em um mimeógrafo a álcool. Participávamos de reuniões intermináveis em uma pequena sala cedida pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais ao lado do ex-Cine Paroquial (Jovino com Feliciano). Fomos petistas quando isso era “remar contra a maré”.

Em uma das campanhas eleitorais, uma multidão (e eu os meus amigos juntos) foi receber Lula no Aeroporto de Val de Cans, em Belém. Todos cantávamos “Lula lá”. Quando ele apareceu na porta do avião, o alvoroço foi tanto que o aeroporto tremeu, como tremem as arquibancadas dos estádios. Fomos em passeata até a Praça do Relógio, onde houve o comício.

Na sua primeira cerimônia de posse como presidente da república, quando ao criticar seus adversários disse que seu primeiro diploma era o de presidente do Brasil, não contive a emoção e chorei. A eleição de um operário como presidente da república configurava uma simbologia política muito forte.

Eu e muitos dos que participaram dessas lutas não deixamos de sonhar. Ainda sonhamos e lutamos, no nosso pequeno espaço de influência, por uma sociedade mais justa e mais fraterna, em que o poder público seja exercido em benefício do povo e não para enriquecer os maus políticos.

Qual a importância da eleição do prefeito de Macapá para o enorme xadrez da política nacional? Com certeza, menor que zero. Quem quer que seja o prefeito de Macapá, não vai ter nenhuma influência no cenário político nacional. Mas então, porque Lulas veio à Macapá pedir voto para o candidato Roberto Góes, do PDT? Porque se ele pedisse voto aqui para o Roberto Góes, o PDT de São Paulo pediria voto para o candidato do PT em São Paulo, Fernando Haddad. Essa sim (a eleição do prefeito de São Paulo) tem grande influência na política nacional. É uma pena. Macapá foi apenas uma moeda de troca.

O Partido dos Trabalhadores é hoje como os partidos que combatemos no passado e no presente. Não empolga e não permite sonhar. Eu, e tenho certeza que muitos amigos, não vamos “entregar os pontos” nem ser levados pela maré. Vamos continuar sonhando e lutando.

Sinto muito “companheiro” Lula, não existe nenhuma chance de atender o seu pedido.

 

  • me desculpe companheiro,acredito não poder mais chama-lo assim, estás demontrando não ser partidario e sim individualista, pensando so em vc e não no partido, assim como outros integrantes de nosso partido, que abandonaram o partido no 1º turno para apoiar outro candidato, com isto perdemos duas prefeituras e sem motivo justificado, pricipalmente a de Santana, o qual tinhamos o melhor candidato, esta sim honesta e podendo ser uma excelente prefeita,a isto vc não fez nenhuma citação e a de macapá onde tambem tinhamos outra candidata a vice de nossas fileiras, mas não foi importante vc e outros abandonaram o barco e se aninharam em outros braços, braços estes que são oposição a nosso governo federal e sempre criticando o nosso governo, já o pdt não é oposição e sim parceiro de nosso governo federal, então não vejo incoerencia e sim coerencia partidaria.

    • Em governo algum existe só situação,saiba que a oposição faz parte da balança.O governo federal,independente de partido,tem a obrigação de compartilhar a governança com todos indistintamente,pois foi eleito pelo povo brasileiro de todos os partidos.Se fizer o contrário,deve pedir p/sair,não serve p/governar o país.

      • mais uma vez me desculpe carla, um candidato é eleito pelo seu partido e não por todos os partidos,ele é eleito para trabalhar para o povo sim indistintamente, talvez vc esteja cega pelo seu candidato,ou nunca soube o que é partidarismo.Agora se o PT atraves se seus expoente estivessem no palanque de seu candidato, acredito que seu pensamento não seria o mesmo

        • minha cara o que assusta é ver o ex presidente da republica em 2010 (operação maos limpas) dizer que lugar de bandido é na prisao e hoje muda o discurso pedindo voto ao mesmo cidadão é contratorio,e está chamando o povo do Amapá de burro.

          • parece que vcs não entendem mesmo, ou não quem entender, então leêm os comentarios do advogado Joaquim Herbert Cardoso acima que está bem explicado, por mais que não entendo sua decisão de não ser partidario.

        • Então vc esta me dizendo que p/o Sr. Lula ser eleito,não houveram alianças de nenhum outro partido,PT elegeu o Lula sózinho.A prova maior dq PT não vence eleições sózinho esta hj em SAMPA.Fala sério,e ainda diz que não entendo de partidarismo.Outra, não estou cega por candidato ou partido,meu interesse maior é que seja eleito oque seja melhor p/o município de Macapá,àquele que faça a diferença,chega de atraso.

          • MAIS UMA VEZ CARLA, VC SE FAZ DE DESINTENDIDA,FALEI QUE A OPOSIÇÃO NÃO FAZ PARTE DA ELEIÇÃO DE UM POLITICO, QUEM ELEGE É O PARTIDO, SUAS COLIGAÇÕES E ALIADOS, NUNCA OS OPOSITORES;AGORA COM RELAÇÃO A CANDIDATO, ISTO TEM QUE SER DEMOCRATICO PARA VC O SEU É MELHOR HOJE, POIS PELO VISTO, VC JA DISSE ISTO OUTRAS VEZES, FOI REALMENTE O QUE VC ESPERAVA? CONTINUA ACHANDO QUE ELES FORAM HONESTOS E COM TRABALHO QUE VC ESPERAVA? PARECE QUE VC JÁ FOI LULA! ENTÃO!HA! GOSTEI DE UM COMENTARIO SEU QUE DIZ “SE VC QUIZER CONHECER ALGUEM DE PODER A ELE” .

  • É isso aí companheiro! Lembro muito dos fatos descritos, pois estive presente a muitos deles, inclusive tomei da chuva torrencial que caiu naquela noite na Praça do Relógio, em Belém. Também compartilho de sua dor e de seu sonho. Continuarei a e a lutar, também sou brasileira e desistir, jamais!

  • Prezado Paulo, você está coberto de razão: O PT é igual ou pior que muitos partidos! Vide julgamento do mensalão!

  • Um ditado é certo,”se queres conhecer alguém,dê o poder à este”.Taí o Lula tão idolatrado,hj se alia ao que há de pior na politica,que são os corruptos,bandidos,mensaleiros e toda espécie de sugadores do dinheiro público.Lula,um ser que hj me dá nojo,e ainda bem,que não fui responsável por ele continuar na presidência em seu 2° mandato,pois me desencantei logo no 1°.

  • Compartilho em tudo que voê postou amigo. Realmente a cara de constrangimento de Lula pedindo votos para o Roberto Góes é deprimente. Nota-se que é algo forçado. Também depois que ele aliou-se ao Paulo Maluf em São Paulo, era de se esperar qualquer coisa dele. É o poder pelo poder.

  • Saudades do PT da década de 80, o qual era composto por lideranças intelectuais decentes como Florestan Fernandes, Antonio Cândido, entre outros que não só lutavam por um estado democrático, mas também para constituir gradativamente um modelo de gestão pública firmado sob a ética, probidade. Hoje ao ver o Lula expressando sua conivência com a corrupção (pedindo voto ao RG), percebo que ele também é responsável pelo atraso social-econômico no Amapá.

  • Compartilho com tudo que escreveu e postou.Eu tbém chorei de emoção na posse de Lula na Presidência e agora chorei de tristeza ao ver no horario eleitoral pedindo voto para Roberto.Será o mesmo Lula?

    • Pode acreditar que é.Eu só fui enganada no 1º mandato,mas no 2º,já sabia quem era esse “pobre” (?) operário que enganou milhões de brasileiros e brasileiras,cumpanheiros.

    • E companheira o lulinha ta igual a musica da claudinha leite ” No soy quien de verdad parezco y perdón no soy quien crees ” rsrrsrs

  • Um excelente relato, lembro desse dia em Belém, um discurso aclamado e inconfundivel do nosso representante, mas hj não acredito que haverá algum ou alguém que possa mudar essa forma de governar.

  • Sem combate para o Lulete em Macapá… Aliás aqui, a maioria dos pedidos dele são gols contra…É só contar…

  • As alianças políticas nacionais, atualmente, sufocam as alianças políticas locais. Isso é fato!
    Dai, os “absurdos”, aos olhos nada pragmáticos – na acepção lulista da expressão “pragmatismo político”.
    Destarte, não há quem exerça o comando do Poder Executivo, ou do Poder Legislativo, sem alianças políticas.
    Alguém me socorre, por favor, com um exemplo de partido político que, na História do Brasil e, mais recentemente, nos pós-ditadura (de 1985, até hoje), governou só – um simples municipiozinho, ou um Estado; uma simples Câmarazinha de Vereadores, ou Assembléia Legislativa.
    Ninguém governa só, senhores e senhoras!
    Esse negócio de partido único é coisa do pós-guerra, na Rússia e no Leste Europeu, até o final dos anos 80; e, atualmente, na China, em Cuba e na Coréia do Norte.
    Ah! Saudosismos à parte, também, há partido único nos livros de História Contemporânea.
    Partido político puro, com filiados impolutos, no Brasil, só haverá se mudarmos a Constituição Federal, a educação etc.
    Partido político é instituição inerente à democracia, construída para reunir pessoas, seres humanos, que erram e/ou acertam.
    É assim, no mundo inteiro: do Japão ao Gabão; de Cururupú a Nova Iorque; de tartarugalzinho a Koala Lumpur etc.
    No Brasil, a divisão do Poder (que emanda do povo – CF 1° Parágrafo Único), como disposta na Constituição Federal, não possibilita que o Chefe do Poder Legislativo, ou o Chefe do Poder Executivo, “governe” unicamente com um partido, o seu partido. É pressuposto da democracia brasileira fazer aliados e construir alianças políticas (às vezes, de última hora); ou, faz adversários figadais … para o resto da legislatura, ou para o resto do mandato.
    Mas, construir alianças com quem?
    Não tem “pobrema”, como diz a personagem do Zorra Total …
    Em Belo Horizonte – MG, o principal cabo eleitoral do Prefeito Márcio Lacerda (PSB), reeleito no 1° turno, é … Aécio neves (PSDB).
    Em Curitiba – PR, o candidato do PDT, Gustavo Fruet (ex PSDB, que massacrava o PT, na Câmara dos Deputados, no primeiro Governo Lula), na disputa no 2° turno, tem o apoio do … PT.
    Em Macapá – AP, o candidato do PSOL, Clécio 50 (em quem votarei), é aliado ao PTB, em Santana – AP, e, em Macapá – AP, está aliado e recebe apoio do … DEM (ex- ARENA, ex- PFL etc.), a quem, desde a maternidade, então combatia e, em alguns setores desse partido, sequer ousa-se falar, sob pena de ser excomungado politicamente; e, por ai afora …
    O PSOL está errado?
    Randolfe está errado?
    Clécio está errado e deve dispensar apoios?
    Claro que não!
    Hoje, em matéria de aliança e apoio político, dependendo das circusntâncias e do contexto político, ninguém deve desprezar ninguém, muito nenos pode cobrar postura reta e proba de ninguém.
    Farinhas do mesmo saco? Também, Não! Acordos políticos, eleitorais, de conveniência (em torno de programas … às vezes prá boi dormir) etc., como ocorrem todos os dias neste país e, muitas vezes, ignoramos.
    A questão é tão séria que, às vezes, somos levados a uma “sinuca de bico”: escolher entre o menos pior (o que, a meu ver, não é o caso destas eleições).
    Mas, convenhamos, não se deve usar dois pesos e duas medidas.
    Lula está sendo coerente com o seu discurso e a sua prática, políticos, desenvolvidos nos últimos anos.
    Lula & Sarney + Lula & Jáder + Lula & Maluf = Lula & Roberto. Faz sentido!
    Alguém acredita, aí, que Lula governaria o Brasil (como governou) se não construisse as alianças políticas que conhecemos?
    Alguém duvida que Collor, que, como sabemos, foi afastado do Poder por muitissimo menos do que hoje vivenciamos, se não batesse de frente com o Congresso Nacional e/ou houvesse construído boas alianças políticas, e/ou fosse menos presepeiro, não terminaria o mandato de Presidente para o qual foi eleito (com a mão-santa do Roberto Marinho, da Globo).
    Cobrar postura política de Lula, com base nos românticos e universitários “anos 80”, me parece romântico e acadêmica demais, no sentido anos 80 dessas palavras. Portanto, demodê!
    O Mundo evoluiu. As relações sociais, políticas, econômicas e culturais, evoluíram.
    Cada um de nós tem a sua própria história política – uns mais, outros menos, ativistas.
    Em São Paulo, o PDT não foi e não é aliado do PT. Por exemplo: Paulinho da Força Sindical, está com Serra.
    Ao pedir votos para o Bob Papuda, Lula está cumprindo pauta política de natureza nacional, visando governabilidade para Dilma, acordos no legislativo federal e eleições futuras. Só, somente só!
    Eleições em Macapá não são moeda de troca para eleições em São Paulo. Nunca foram e nunca serão.
    Assim fosse, Lula escolheria outras cidade e capitais – maiores que Macapá – portanto, com maior densidade e importância política.
    Em verdade, carecemos, sim, de um grande pacto político estadual, de um projeto de Estado, a médio e longo prazo, que suplantem diferenças políticas, ideológicas e de outros matizes, em que não se excluam e se privilegiem classes sociais, grupos econômicos, religiosos etc.
    Devemos nos unir e discutir as nossas virtudes e os nosso defeitos. Sem isso, vamos continuar sectários (politicamente) e atrasados (economicamente). Enquanto isso, a caravana passa …
    Vamos deixar de ciricotico, nos unir a Clécio 50 e vencer as eleições.
    Isso é o que importa, por enquanto.

    • vc não esta sendo coerente com o seu comentario, pois vc não esta sendo partidario e já disse perdemos duas prefeituras por esse individualismo de petista local, como vc disse, temos que aprender a sermos partidarios e esquecer este saudosismo, somos pt e acabou, quem não quizer, que saia do partido como randolfe saiu e foi ser oposição a nós, agora ele quer nosso apoio nuuuuuuunca.estou com Lula e Dilma e VIVA O PT

      • Vc vive de ideologias e alienação,não vê que o mundo e as pessoas mudam seus rumos.Sai da mesmice,o PT tá fragmentado,esta é que é a realidade, Lulete.Teus heróis passaram à defender bandidos,vivem do poder pelo poder.Pense nos miseráveis que são reféns desta politica suja.

        • mais uma vez, vc prova não ter maturidade politica suficiente,não ofendi ninguem para vc partir para este caminho,traga ideias que debateremos,quanto ao pt,todas as pesquisas mostram um indice de aceitação de quase 80% de nosso governo pela população brasileira.isto não pode ser contestado por vc, pois é a realidade em que o País vive hoje.Temos que melhorar e vamos conseguir.

    • O texto do Paulo Bezerra e exelente assim como seu comentario, porem ha um cancer neste país que precisa urgente ser combatido, a corrupçao, os apoios politicos que deveriam ser de interesse reciproco por conta de ideais e de programas de governos parecidos, onde as forças se uniam em prol da ´populaçao, mais o que se ver hoje, sao partidos que nao tem nada a ver com outro se unirem porque simplesmente foram alugados, vendidos resumindo tudo ver o “mensalão”, que em todos os cantos do pais existiu, existe, e existirá, se a corrupçao na for pelo menos minimizada.Finalizando a ” salada” e tao grande nos partidos que hoje nao se sabe mais o que ESQUERDA E DIREITA, E O QUE IDEAL POLITICO, GRANDE EXEMPLO A METAMOFOSSE DO EX-PRESIDENTE LULA.

    • Caro Joaquim,
      Meus parabens pela bela exposição de conhecimento politico.
      Você tem razão.
      O muro de Berlim caiu,Cuba está se abrindo e a Rússia é uma potência que não depende dos outros.
      Vaga ingenuidade de quem acredita que vai vencer sozinho.
      Tudo depende de união de forças.
      Lula lá mostrou como se governa com Maluf, Sarney, Gilvan, Lucas, Capirotos e todos os coroneis do nordeste.
      Nosso Lula lá virou estrela internacional.
      Se não se pode com o inimigo se alie a ele, diz o ditado popular.
      Esta história de indignado e revoltado fica para pessoas de mente fraca e sem credibilidade como Carlos Lobato, Reginaldo Borges, Gilvan Barbosa que atende pelo codinome de GB, Giba Café que atende pelo codinome de Gaiamum e Silvio Souza..

  • Amigo Paulo, a sua desilusão com o PT/LULA é a mesma que esperimento também na condição de um ex filiado. O PT, que hoje está no poder, tem prática antagônica a história de lutas construída na oposição, cuja bandeira principal pugnava pela moralidade com a coisa pública.

  • O PT tem´que deixar de ser refém do PSB, e recuperar a sua autoestima políca, e lançar candidatura própria. Fora PSB, fora Cãomilo (MEDUSA) tudo que olha/toca vira pedra.

  • A função do Estado é promover o bem comum. Isso é fato. Produzir o bem comum não é marca de nenhuma sigla partidária. Querer a igualdade também não o é. O político altivo, o verdadeiro estadista, é aquele que busca a promoção do bem comum sem estar atrelado a pseudoideologias partidárias. Ele deve governar para todos para que o equilíbrio social seja traduzido numa sociedade pacífica. É muito triste, como bem expôs o ímpar Paulo Bezerra, você se decepcionar com figuras que outrora se depositava confiança, apreço. A carência de bons políticos em nosso país, infelizmente, está intimamente ligada à carência de bons cidadãos. Estamos vivendo uma realidade em que é bastante comum e perigoso se dizer “todo homem tem seu preço”. Nossas escolhas políticas, alguns afirmam, estão diretamente ligadas à nossa postura moral. Dia após dia convenço-me da responsabilidade que tenho em ensinar o melhor para meus filhos, pois temo pelo mundo que eles encontrarão num futuro não tão muito distante.

  • O Estado tem a função de promover o bem comum. Isso é fato. A promoção do bem comum, portanto, não é exclusividade de nenhuma sigla partidária. O político altivo, o verdadeiro estadista, governa para todos, indistintamente. O seu bom governo produz o equilíbrio social, traduzido numa sociedade pacífica. O seu desgoverno beneficia os seus, aqueles que tripudiam sobre a desgraça dos mais necessitados. O bom político não precisa estar atrelado a pseudoideologias partidárias. Basta apenas ele ser preparado e querer trabalhar para por em prática as suas boas intenções. Mas infelizmente no nosso país a política transformou-se nesse mercado putrefado. É muito triste, como bem expôs o ímpar Paulo Bezerra, você se decepcionar com representantes políticos por quem outrora se tinha admiração, apreço. A carência de políticos bons em nosso país, pode-se dizer, está diretamente ligada à carência de bons cidadãos. Tornou-se muito comum e até perigoso dizer que “todo homem tem seu preço”. Alguns afirmam que nossas escolhas políticas estão intimamente relacionadas à nossa postura moral. Diante disso tudo, convenço-me a cada dia da minha responsabilidade em ensinar o melhor para meus filhos e da minha obrigação em ser um bom exemplo para eles, pois a falta de referências pode levá-los ao insucesso. Temo pelo mundo tendencioso que eles encontrarão num futuro não tão distante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *