Nota de Repúdio do Sindicato dos Jornalistas e da FENAJ, contra a suplente de deputada, Patrícia Ferraz

NOTA DE REPÚDIO

 

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amapá – SINDJOR-AP, e a Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ, bem como toda a categoria, vêm a público repudiar as declarações desrespeitosas da deputada federal suplente pelo Amapá, Patrícia Ferraz, que via redes sociais gravou vídeo contra os jornalistas do estado e via programa jornalístico televisivo contra o jornalista Seles Nafes.

O SINDJOR-AP e a FENAJ condenam veementemente a atitude da parlamentar e a sua postura contra a imprensa amapaense e contra o jornalista Seles Nafes, que exerce a profissão legalmente. Independentemente de cargo ou partido político, a imprensa local e o jornalista Seles Nafes oferecem serviço especializado que contribui para a sociedade formar a sua própria opinião sobre os assuntos de interesse público. O papel de dar visibilidade às ações da parlamentar cabe ao assessor de imprensa, e temos excelentes profissionais no mercado local.

O SINDJOR-AP e a FENAJ alicerçados na lei maior que rege a categoria consideram que os jornalistas profissionais do Amapá, assim como o jornalista citado Seles Nafes, não ferem o Código de Ética do Jornalismo. A imprensa profissional se destaca pela excelência no profissionalismo, credibilidade e competência.

page2image66215440

As declarações da deputada federal suplente, Patrícia Ferraz, são consideradas para o SINDJOR-AP e para a FFENAJ um ato grave que demonstra a falta de respeito com a imprensa amapaense. A atitude fere o direito constitucional da liberdade de imprensa. O SINDJOR-AP e a FENAJ, bem como os jornalistas, se solidarizam entre si e com o profissional ora desrespeitado, pela postura da deputada federal suplente, Patrícia Ferraz.

O SINDJOR-AP e a FENAJ condenam toda forma de cerceamento da liberdade de imprensa e expressão, exigindo retratação pública. O SINDJOR-AP já deu ciência a todo o Brasil, por meio da Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ, sobre o lamentável episódio.

Não há democracia sem liberdade de imprensa, e não há liberdade de imprensa sem jornalistas.

Macapá(AP), 4 de junho de 2020.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amapá-SINDJOR-AP Federação Nacional dos Jornalistas-FENAJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *