Nota de Esclarecimento – Sesa

A SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE,

através da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS), informa:

Com relação aos casos de óbitos ocorridos recentemente e informados de forma precipitada por parte de alguns veículos de mídia local, que especularam como possíveis causas destas mortes grupos de bactérias, em especial a KPC (KlebsiellaPneumoniaeCarbapenemase), destaque-se:

– A partir de análises epidemiológicas / laboratoriais emitidas pela CVS e Laboratório Central do Amapá (Lacen/AP), não há quaisquer relações diretas ou de convergência entre as causas dos casos veiculados;

– Existe um processo de investigação epidemiológica corrente. Dessa forma, ao final serão emitidos pareceres às famílias enlutadas, respeitando, assim, os princípios éticos, de sigilo e de respeito ao humano;

– Não ocorreu qualquer mudança no perfil de resistência bacteriana das unidades prestadoras de serviços de saúde da capital;

– As unidades hospitalares contam com Comissão Interna de Infecção Hospitalar (CCIH), que monitoram as ações de prevenção das infecções constantemente;

– O Lacen/AP monitora de forma rotineira as unidades prestadoras de saúde estaduais.

Assim, com a finalidade de dirimir quaisquer dúvidas que possam suscitar transtornos de saúde pública, a SESA informa à sociedade civil, em definitivo, que está em alerta e esclarece: não há circulação de bactérias multiresistentes nas unidades de saúde do Estado, e qualquer mudança na realidade da saúde pública do Amapá que venha a causar eminência de risco epidemiológico, a Secretaria de Saúde do Amapá, através de profissionais competentes da área, manterá a sociedade devidamente informada.

 

  • Ok! Que bom que a Secretaria de Saúde se posicionou publicamente. Apenas registro uma observação quanto ao tom das entrevistas e da nota. Esse burburinho todo não partiu dos meios de comunicação, mas chegou até eles em grande parte por intermédio de agentes do próprio governo do estado. Salvo aqueles que por orientação política fazem desse mais um motivo para apimentar críticas ao GEA, os demais veículos fizeram seu trabalho de alertar a população quanto a algo que até então não estava sendo esclarecido pelo poder público. Outro aspecto trata da questão “ética”. Muito embora os casos relatados envolvam famílias, é comum que ao envolverem pessoas públicas a repercussão seja maior. Os boletins médicos, em um dos casos, foram divulgados em notas pela própria família. No outro caso, por colegas de trabalho. A não ser pelo uso indevido para fins políticos, não vejo onde está a falta de ética. Boletins médicos são oferecidos até em entrevistas coletivas quando se trata de pessoas públicas. Vide José Alencar, Lula, Ivete Sangalo… etc

    • Será que divulgar fatos ocorridos na tal sucateada Saúde é Crime??? É o fim do mundo!!! Concordo plenamente que se deveria consultar outros laboratórios em centros mais avançados. Mas, a falta de Humildade é predominate nesses aloprados… que Deus nos ajude!!!

  • Só para complementar. Alguém com maturidade no governo tem que orientar seus interlocutores a encarar críticas, observações, comentários, notícias e outros como parte NORMAL do processo. Essa pré-disposição para o revide e o milindre é irritante e contraproducente. É como se de repente todos tivessem a idade mental de um adolescente que não pode ser cobrado, criticado, etc.

    • Gostei do seu comentário. A mídia local não pode silenciar diante dos fatos. Minha preocupação é saber quantos precisam morrer para que a SESA faça os devidos esclarecimentos ao povo que paga impostos altíssimos, e tome as devidas providências.

  • Alcilene minha avó entrou ano passado no São Camilo apenas com um quadro de hipertensão! Lá dentro adquiriu uma bactéria que afetou o estômago. Foi transferida para a UTI e os médicos a desenganaram, já que ela não estava reagindo aos medicamentos. Por um milagre ela conseguiu sobreviver, mas até hoje não se recuperou totalmente, tem problemas sérios intestinais…

  • UMA NOTA DA SESA UM POUCO TANTO SEM “GRAÇA” !
    SERÃO DESCULPAS ?
    NAO PODEMOS ESQUECER QUE JÁ SÃO 4 FAMILIAS CHORANDO A PERDA DE SEUS ENTES…
    E AGORA ? QUEM SERÁ O PROXIMO ?
    NAO DESMERECENDO A CREDIBILIDADE DO LACEN/AP, MAIS POR QUE NAO OUVIR OUTRO LABORATORIO DE FORA DO ESTADO DO AMAPÁ ?
    OREMOS E UM BOM FINAL DE SEMANA PARA TODOS.
    QUEM VIVER VERÁ !

  • Não vejo onde o Governo do Estado está vendo precipitação da mídia em divulgar o risco de haver uma bactéria super resistente provocando infecções em pacientes dos hospitais públicos amapaenses. A mídia está fazendo o papel dela, que é alertar a população e cobrar providências de quem de direito. Mas que é estranho pessoas estarem morrendo dentro desses hospitais, com infecção generelizada, isso é. Em vez de estar levando o caso para o lado político, o Governo do Estado deveria estar dando uma solução não apenas para o caso da tal bactéria, mas também para os inúmeros problemas nos hospitais públicos, como falta de leitos, equipamentos, falta de medicamentos para doentes de câncer e soropositivos e de pessoas necessitadas de hemodiálise. Aos jornais, que continuem cumprindo com sua obrigação, que é de informar.

    • Tá correta suas colocações,a imprensa tá fazendo seu papel,informando à população,não vejo erro ou falta de ética nisto.O estado e seus agentes de saúde,devem sim,estar atentos p/o problema e solucioná-los o mais rapidamente possivel,com saúde não se brinca.Outra,doenças não dão em poste,seres humanos estão com suas vidas em constantes ríscos,fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *