• “Dizem que um dia alguém cantou…
    Que por amores Lisboa se perdeu!
    Por amores se perde quem lá voltou.
    De amores se perde quem lá nasceu.

  • Não, minha cara. Isso aí é Mouraria. É o início da Rua dos Cavaleiros. Ali, no ínício da Rua fica o Centro Comercial da Mouraria e a entrada pra estação do Metro (Martim Moniz). Abraço.

  • AMO-TE LISBOA VIRADA AO TEJO
    (Rogério Martins Simões)

    Dizem que um dia alguém cantou…
    Que por amores Lisboa se perdeu!
    Por amores se perde quem lá voltou.
    De amores se perde quem lá nasceu.

    Dizem que um dia alguém contou.
    Que uma moira cativa no Tejo desceu.
    Por amores, Lisboa, a moura libertou,
    De amores, por Lisboa, a moira morreu.

    Juntaram-se os telhados enfeitiçados,
    Apertadinhos os dois e entrelaçados,
    Num fado castiço, numa rua de Alfama.

    E o Tejo, que é velho, beija a Cidade:
    Morre-se de amor em qualquer idade,
    Perde-se por Lisboa, quem muito ama!

    Lisboa, 20 de Junho de 2006
    Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,
    (Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

    (Registado no Ministério da Cultura
    – Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –
    Processo n.º 2079/09)

Deixe uma resposta para Evandro luiz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *