Laguinho menos Laguinho

Partiu o eterno menino Macunaíma. Humilde, alegre, simples, muito querido por todos que puderam conhecer um pouco dessa personalidade carismática. Discreto, e ao mesmo tempo brilhante e vibrante, quando soltava sua voz na avenida do Samba. Leve de corpo e de alma.

Macunaima-361

Macunaíma era o puxador oficial da Universidade de Samba Boêmios do Laguinho, mas também ajudou com seu talento, outras escolas de Samba, como Piratas da Batucada.

O “Herói Laguinhense”, título que ganhou de Boêmios do Laguinho, perdeu a batalha contra um câncer de esôfago, e faleceu neste domingo, em Fortaleza.

Comunidade do Samba, do Laguinho, autoridades e amigos, se juntaram em grandes movimentos de solidariedade pra ajudar no tratamento de Macunaíma, mas a doença foi forte.

A que vos posta, se sente triste. Nosso carinho era recíproco. E Macunaíma me encantava quando desfilava sua voz na passarela do Samba. E era um personagem privilegiado das minhas lentes no Sambódromo.

O céu ficará mais alegre. E Deus confortará seus amigos e familiares.

Aqui na terra, a voz de Macunaíma ficará eternizada na gravação de tantos e lindos sambas.

macunaima

Macunaíma por emocionados Laguinhenses

Vicente Cruz

Vicente

“Macunaíma era a cara de Boêmios do Laguinho. Tinha identidade e exercia com folga o sentimento de pertencimento à escola.

É dele a frase exaltação, no inicio do samba enredo de Boêmios todos os anos: “É linda, a minha escola”.

Boêmios fica um pouco menor, sem Macunaíma”.

Vagner Pantoja

Vagner-Vicente-DSC01829

“O Macunaíma é aquele moleque que nasceu no Laguinho, aprendeu a cantar no Boêmios e virou seu intérprete oficial. Um ser carismático. Um símbolo de Boêmios do Laguinho”.

Heraldo Almeida

heraldo

“A partida de Macunaíma é a perda de uma referência na cultura carnavalesca do Amapá. Depois de Lino, é o maior cantor de Boêmios do Laguinho.

Filho do mestre Biluca, um dos fundadores de Boêmios, Macunaíma vendia chope ( sacolé) em frente à sede da escola nos dias de ensaio, quando eu e Rosendo Souza, descobrimos Macunaíma como puxador. Era 1991, e ele cantou o samba de 1992, quando a escola foi campeã, depois de 5 títulos consecutivos de Piratas da Batucada. Ainda era o carnaval na avenida Fab.

O samba tinha o seguinte refrão: “ A Nação Negra desce o Laguinho cantando em coro. Veste a fantasia, e quer saber onde é que está o ouro…”

Boêmios fica temporariamente sem voz”.

Foto: Mariléia Maciel
Foto: Mariléia Maciel

Essa foto é marcante pra mim. Foi no final de um desfile que deu ruim para Boêmios. Macunaíma estava triste na área de dispersão. Passou bem na avenida, mas alegorias de sua escola, quebraram.

  • Morreu Macunaíma. Uma voz que se tornou uma marca da sua escola do coração e que agora chora a sua partida. Boêmios do Laguinho não terá mais na Avenida, a expressão “É Linda a Minha Escola”, na vós daqule “negrinho” esguio, que por ironia do sestino, veio morar no bairro, berço da arquirrival Piratas da Batucada, e com sua humildade, acabou conquistando o respeito e amizade da comunidade proletariana. Amigo Macunaima “Segura na Mão de Deus e Vai”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *