Homenagem ao nosso pai sr. Sebastião Bandeira do Espirito Santo

falecido em 03.01.2012, aos 82 anos.

Somos filhos de nossos pais. Com o passar do tempo, nossos pais se tornam nossos filhos.
E foi assim com nosso pai. A enfermidade lhe tirou a força física e o discernimento já não estava tão claro. Nos últimos cinco meses de vida, tornou-se totalmente dependente dos cuidados dos filhos, da esposa dedicada e dos cuidadores de idosos.
Nosso pai era enfermeiro aposentado do ex-GTFA. Cuidou da saúde de muita gente aqui em Macapá. Qualquer sinal de enfermidade a primeira providência era: chama o “seu” Bandeira. Fazer curativos e aplicar injeção era sua especialidade. Quem não lembra da famosa musiquinha na garganta que distraia o paciente antes da agulhada? Depois vinha a recomendação: “repouso absoluto e alimentação de três em três horas”.
Como nossa vontade não é a vontade de Deus, nosso pai recebeu todo cuidado médico possível e faleceu cercado do carinho da família.
Fica a certeza que a dor física já não existe mais e que agora nosso pai contempla em paz a face de Deus.
Agradecemos aos médicos e enfermeiros da Nefrologia do HE e a todos os amigos que nos apoiaram e confortaram neste momento de dor.
Ats.
Raimunda Alberto (esposa), Maria José, Angélica, Tarcizio, Conceição, Nazaré, Jeremias, Gracinha e Alê (filhas e filhos).

  • Seu Bandeira foi um ícone de solidariedade para mim e para minha família. Há pouco auxiliou o tio Moisés, com especial carinho, em tempos difíceis. Carrego comigo Seu Bandeira como exemplo de Ser Humano. Meu mais fraterno abraço aos familiares.

  • Saí de Macapá em 1975 e na cidade de Macapá desses tempos acredito que todos os moradores, ou algum parente próximo, receberam algum tipo de atendimento do Sr. Bandeira. Este foi um homem digno. A toda sua família e em especial ao Tarcizio, meu amigo de infância, deixo aqui meu abarço de solidariedade.

  • Minha solidariedade à família do Sr. Bandeira. Realmente um cidadão do bem que cuidou de muita gente em Macapá, sempre com muita paciência e carinho. Sou testemunha da sua disponibilidade a qualquer hora, inclusive quando da doença do meu pai, Walter Jucá. É uma grande perda!

  • Taí. Querem homenagear uma pessoa honesta, daquelas que só fizeram o bem? Ora, se todo o poder emana do povo, então, que se faça uma justa e duradoura homenagem ao Seu Bandeira, quiçá, o primeiro a praticar o atendimento responsável de casa em casa. Que essa alma bondosa sirva de exemplo.

  • seu bandeira era um Homem com um coração enorme, dedicado perdemos um Homem de bem. que tal esses politicos atuais se espelharem nesse cidadão Honesto,os exemplos bons tem que ser seguidos. uma homenagem viria a calhar,meu abraço a familia em especial a Dr. Nazaré

  • Seu Bandeira, como diria a escritora Lya Luft, é daqueles seres amados que se vao sem realmente partir. Taí um homem que merece ter seu nome eternizado na história do Amapá. Seu Bandeira era amigo de meus pais e me viu criança. além do mais, tive a satisfação de estudar com suas filhas Angélica e Maria José, de quem tive notícias meses atrás, nos bons tempos do IETA. Que seu Bandeira, de quem levei várias agulhadas, descanse em paz e que Deus conforte sua esposa, filhos e demais da família.

  • Que homenagem linda: a musiquinha na garganta e a célebre frase: “repouso absoluto e alimentação de três em três horas”. Lembro-me também daquela gargalhada peculiar. Seu Bandeira era uma pessoa de bem com a vida. Amigo de todos e de várias gerações. Amigo dos nossos pais e nosso também. Uma grande perda sem dúvida. Envio aqui o meu abraço fraterno à família.

  • Infelizmente não estava em macapá para prestar minha última homenagem ao querido seu bandeira e abraçar Dona Ramunda, seus filhos,netos … mas gostaria de registrar meu imenso e eterno carinho pelo seu bandeira, grande amigo e vizinho, sempre presente em todos os momentos com sua alegria peculiar. Deixará gravado em nossos corações sua disponibilidade, dedicação, simplicidade, carisma, carinho, alegria de viver, seu jeito único de cuidar e curar e suas célebres frases…Vá em paz querido amigo e saiba que o Sr continuará sendo o vizinho mais bonito…

    • QUERIDA IAIA E ERA VC QUE O CHAMAVA DE MEU VIZINHO MAIS BONITO, E DIZIAMOS QUE TU RECISAVAS DE ÓCULOS.E FICOU ASSIM O TEU VIZINHO MAIS BONITO…

  • Saí de Macapá em 1978, mais ainda tenho gravado na memória a imágem desse grande homem – Sr. Bandeira.
    Perde o Amapá mais um construtor da sua história.
    À família, principalmente “Angélica Bandeira”, com quem estudei no Grupo Escoloar Gal. Azevedo Costa, nos anos 67/69 deixou aqui meus sentimentos.

Deixe um comentário para Robson Sá Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *