GOVERNO PARALELO TUCUJUS

Oposição ao governo ou ataque à Democracia?
Por LOURIVAL FREITAS
Ex-deputado Federal PT/AP

Brasilia, 16 de janeiro de 2012
Tenho uma amizade com o Gilvam de longa data, mas isto não me obriga a concordar ou me omitir ante a sua irreverência e brincadeiras. Nem o meu compromisso com o governo PSB-PT a aplaudir os nossos erros.
Esta “doideira” de governo paralelo é no mínimo usurpação de função pública por quem não tem mandato e investidura legal, além de subversão da ordem legitimamente constituída pela soberania popular. A inspiração na idéia do governo paralelo de Lula é uma justificativa enviesada de alguém que não quer fazer crítica, oposição legítima e responsável ao governo, mas simplesmente atrapalhar a administração pública com bravata e balburdia, visando a promoção pessoal.
A idéia do governo paralelo proposta por Lula, após a derrota de 1989, assim como ocorre nos países de sistema parlamentarista, vislumbrava um gabinete que pudesse criticar o governo e propor soluções. Jamais substituir o governo eleito pelo voto popular e assumir e executar suas funções.
Imaginemos o Lula como “presidente paralelo” se metendo a asfaltar a Transamazônica com o argumento de que o governo demorou para realizar a obra; ou ainda, na iminência do apagão de 2001/2002, se aventurar a construir a usina hidrelétrica de Belo Monte? Serviria de chacota e não faltariam conselhos para que procurasse um tratamento médico.
Uma coisa é questionar a ordem ilegítima estabelecida por um golpe que eliminou as garantias constitucionais e acabou numa ditadura, como ocorrido em 1964. Contra esta ordem ilegítima, a sociedade brasileira lutou durante vinte anos. Foi um longo e sofrido caminho até conquistarmos a liberdade e a democracia. Por isso, é triste ver pessoas que, simplesmente por discordar do governo, se alegram e até incentivam esta lambança promovida por alguém que parece emocionalmente impactado e inconformado com sua derrota, e se insurge contra a vontade do povo amapaense.
Se há um inconformismo com a administração pública, que se exerça o legítimo direito de oposição, com críticas, denúncias, acionando os dispositivos legais a disposição de todos. Mas querer substituir o governo com pirotecnia e balbúrdia, isto é intolerável e merece o repudio dos democratas, principalmente aqueles que lutaram contra o arbítrio.
Este “paralelismo” usurpa ou pelo menos diminui e ofusca o papel dos órgãos que tem a obrigação de fiscalizar o controlar o governo, como a Assembléia, o Ministério Público e o Tribunal de Contas. Não é de se estranhar que, insatisfeito com o desempenho desses órgãos, Gilvam anuncie uma estrutura paralela para exercer suas funções. Na medida em que o Gilvam determina as prioridades, o dia e a hora que o governo tem para executar um serviço ou obra, pra atender as demandas da população, ele avoca pra si as funções e decisões de todos os poderes.
O governo paralelo é divertido e faz-nos rir, pode e deve fazer oposição e tentar desgastar o governo, mas ninguém tem o direito de tratar com brincadeira e deboche a liberdade e a democracia que conquistamos com muita luta.
LOURIVAL FREITAS
Ex-deputado Federal PT/AP

  • A ananlogia feita pelo ex-deputado Lourival Freitas é interessante, mas incoerente devido ao tamanho das demandas e dimensões entre o Amapá e o Brasil, ou seja, é uma comparação teórica sem nenhuma utilidade prática.
    Por exemplo, uma central de ar condicionado na maternidade Mãe Luzia faz falta para uma mãe que precisa, pelo menos, de conforto térmico, haja vista as altas temperaturas de nosso Estado. Já o asfaltamento da Transamazônica não interfere diretamente na vida daquela mãe.
    O ex-deputado deveria ouvir melhor o posicionamento do Gilvam. Pois ele, o Gilvam, nunca falou em tomar o lugar do Governo do Estado do Amapá, mas ajudar quando possível e, portanto, fazer as críticas necessárias para que o GEA saia da inércia operacional que tem causado tanto sofrimento ao povo amapaense.
    E para finalizar, o texto do deputado parece confuso, pois diz que o Governo Paralelo o faz rir, mas salienta que o mesmo afronta a liberdade e a democracia conquistadas com muita luta. Ora, ex-deputado Lourival Freitas, se o Governo Paralelo só serve para fazer o senhor rir, pergunte aos parentes que tiveram seus entes queridos mortos na Duca Serra, o sentimento deles? Pergunte a sensação do incômodo térmico que vivencia uma mãe na maternidade Mãe Luzia?
    Mas parece que o senhor desconhece esses sentimentos, daí a comparação incoerente que o senhor fez, demonstrando assim, a total falta de conhecimento do sofrimento que vive aquele povo do Amapá, por simples inoperância do GEA, que por sinal, é o dever do mesmo.

    • Pode ter sido um comparação infeliz, mas concordo com o ex-deputado quando o mesmo diz que o objetivo é a promoção pessoal do ex-senador Gilvan Borges. Existe outros meios de oposição que são muito mais legais e oportunos.

    • todos que tem bom senso, inclusive muitos que cercam o ex-senador, veem que isto se trata de uma loucura sem precedentes. Mas ainda sim, é incrível que ainda existem pessoas ainda aderem a idéia com se fosse ótima.

      O bom senso deve reger o mundo, mas isto não é pra todos, conforme mostrou MIGUEL GIL.

  • Miguel Gil, nao entendo seu desconforto, quer dizer que a culpa é do governo atual das pessoas terem morrido na duca serra? de nao ter uma central de ar na maternidade?? a gente critica e aponta os dedos sem antes perceber que tem tres dedos apontados contra… sou amapaense de coração e alma, sei das dificuldades que nosso estado passa, que nossas familias e filhos passam, mas nem por isso deixo de lutar para o bem de todos e ponho a culpa num governo, seja ele paralelo ou nao. Se a intenção do governo paralelo é ajudar, entao que assuma a responsabilidade do governo, compre o que deve ser comprado e doe, mas sem encher a boca e dizer que foi ele ou outra pessoa que fez, cara se a gente for pensa em tantas pessoas com problemas, vamos parar de ser hipócritas e ajudar tambem, sem depender de governo paralelo, governo atual, governo futuro, etc etc etc. nao sou partidário e nem fã de politico, mas que é engraçado o que hoje o cidadão Gilvam Borges faz é, e pior, é vergonhoso para mim que sou amapaense ver uma pessoa se promover a fazendo o que ele faz so pra se amostrar, ou entao faça como Jesus Cristo, vá para a frente dos hospitais limpar as feridas dos enfermos, dar comida e emprego aos necessitados, dar educação ao povo, dar remedio mas sem querer se auto-promover ou denegrir a imagem desse ou daquele, é facil né criticar, o dificil e fazer!!

    • Não levantei o dedo, Roberto, a crítica foi sobre a incoerência textual do ex-deputado Lourival Freitas.
      Sobre o buscar culpados, isso não serve para nada. Falei em assumir responsabilidades, que no meu entender é o que falta ao GEA.
      Sobre o papel do Governo Paralelo, basta ouvir o que o Gilvam disse e diz, é uma forma de oposição prática e não só teórica.
      Ainda sobre o papel do Governo Paralelo, eu entendo que é impossível este assumir todas as responsabilidade do GEA. Mas é possível ajudar quem precisa, a população e o próprio GEA – afinal de contas, uma oposição sempre ajuda a situação a trabalhar melhor.

      • Miguel Gil me responda uma coisa,porque o teu pai nunca se manifestou a fazer essas “melhorias” básicas e fáceis de fazer quando ele estava senador?? E outra coisa, de onde vem a verba para executar esses serviços?? O detalhe é que não existe prestação de contas né??
        Sinistro isso!! Pura palhaçada!!

      • Pq esse tal “governo paralelo” não praticou(fez)isto quando senador.A atitude dele neste momento é de um tresloucado e com a única finalidade de bagunçar,atrapalhar o governo legítimo.Penso que as autoridades locais esta deixando essa palhaçada ir além do picadeiro,tá na hora de se tomar sérias providências à respeito.

  • Realizar obras apenas se dizendo do governo paralelo é esdrúxulo. O governador paralelo não pode usurpar do poder dado ao governo legítimo, um a vez que virará bagunça, o caos, que convenhamos nota-se ser esse o objetivo desse dito governo paralelo. Cadêo o Lucas? Ele sim deveria teria legitimidade para ser o governador paralelo.

  • Gostei da analise feita pelo ex-deputado louro al. Freitas. De forma equilibrada ele consegue externar o sentimento de
    Democrático que norteia a sua trajetória e o sentimento do povo brasileiro. Parabens !

  • Perfeito, Lourival. Análise lúcida, equilibrada, coerente e conceitualmente adequada à verdadeira democracia. Fazer oposição democrática não é querer usurpar o poder à força como faz o ridículo ex-senador que, para minha surpresa, ainda é apludido por muitos incautos. Certamente esse segmento é saudoso da ditadura que infelicitou o nosso país por muitos anos.

  • Estão falando em mortes na Duca Serra. A propósito disso, quem já viveu um pouco mais sabe que, na década de 60, a então estrada de Santana era de chão e tinha uma depressão onde ocorreram vários acidentes, causando a morte de muitas pessoas, inclusive de um jogador de futebol conhecido por Pedro Bala, por isso, aquele lugar era chamado de Goela da Morte. Passei esses dias por lá e vi uma porção de cruzes brancas. Será que é uma homenagem tardia àqueles falecidos?

  • Acredito que ambos os governos devem trabalhar em prol do desenvolvimento, mas daí a gente aplaudir esse governo paralelo do ex-senador Gilvan é bobagem…. Hoje na frente do EMTU, o prefeitomandou paralizar o trabalho efetuado pela CAESA. PODE?

  • concordo com o ex deputado, Miguel você pode me dizer porque o EX senador não fez emendas para alocar recursos e solucionar os problemas já existente afinal de conta é bem antigo o problema, o mesmo quer aparecer, agora com esta palhaçada de governo paralelo,

  • Gilvan inventa seu próprio mundo. Um mundo PARALELO onde ele pode ser o que quiser! Já interpetrou o “Andarilho da Justiça” e agora parte para o papel de uma espécie de “vingador do futuro 4” onde vivemos em um mundo sem lei e ordem e precisamos de um héroi que não estabelece regras para salvar o mundo (tipo os fins justificam os meios). Só tem um problema nesse “roteiro”: O “defensor do fracos e oprimidos” não perguntou pra maioria da população se gostariamos de participar do seu mundo de fantasias!
    Esse comportamento do Gilvan já passou do limite do engraçado, do divertido e folclórico! Já tá perto do uso de “camisa de força”. Parabéns pelo artigo Lourival!!

  • Lene,

    Há dois dias, postei comentário sobre as cruzes colocadas às propximidades da não mais existente goela da morte, na rodovia Duca Serra. Posteriormente, fiquei sabendo que as mesmas se referem à pessoas mortas em acidente de trânsito naquela rodovia, durante o ano de 2011. Não tenho o privilégio de dizer que privo da amizade do Senador Gilvan, mas posso dizer, pelo menos, que nós nos conhecemos e sei que o Senador é pessoa de bom gosto, por isso, me arvoro a, rogando a devida vênia, sugerir que ele troque as cruzes (de mal gosto e funestas)por um jardim. As flores traduzem a paz aos homens de boa vontade e o repouso merecido aos falecidos. Por certo, que o Prefeito, a população e principalmente os moradores do Marabaixo ficarão penhoradamente agradecidos. Fica a sugestão ao governador paralelo.

  • vocês não entenderam pessoal, isso é uma campanha publicitária para lançar o ex-senador como ator, será lurdico, vardico gilvanico.
    ou melhor zumba, zurumba e bunda.

  • primeiramente digo que os beneficios se faz necessario na Rd duca serra e queremos mais oque não queremos é outro governador,ate porque temos que fortalecer a democracia e valorizar a decisão da maioria em uma eleição.
    No bairro marabaixo temos inumeros problemas e agora com a chegada das chuvas pode ter certeza veremos falar muito mas não do Gr paralelo mas sim do mosquito da dengue infelismente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *