Do G1

Governador eleito do AP promete ‘transparência total’ na gestão

Foto: Gilvandro Pinheiro
Foto: Gilvandro Pinheiro

Político mais jovem eleito governador nas eleições deste ano, Camilo Capiberibe (PSB), 38 anos, assumirá o estado do Amapá em 1º de janeiro com a responsabilidade de reorganizar uma gestão sob suspeita de abrigar um suposto esquema de corrupção que se alastrava por ao menos nove órgãos estatais.

As irregularidades são investigadas pela Polícia Federal na Operação Mãos Limpas. Deflagrada em 10 de setembro, a menos de um mês do primeiro turno da eleição, a operação prendeu 25 pessoas sob suspeita de envolvimento em desvios de recursos públicos do estado e da União.

Entre os presos estão o ex-governador Waldez Góes (PDT) e o atual governador, Pedro Paulo Dias (PP), que passou nove dias detido e transmitirá o cargo a Capiberibe, após perder a disputa pela reeleição.

A própria eleição de Capiberibe foi resultado direto da crise política que se abateu sobre o estado. De quarto colocado nas primeiras pesquisas eleitorais, o filho do ex-governador João Capiberibe (PSB, 1995-2002) levou a disputa ao segundo turno e virou o jogo contra Lucas Barreto (PTB), em eleição em que ambos procuraram erguer a bandeira da mudança.

Em entrevista ao G1, Capiberibe aponta consequências positivas da operação da PF, que, segundo ele, introduziu na campanha o tema da transparência na gestão pública. Diz que desde domingo (31) ainda não conseguiu falar com o governador Dias, mas que o procurará oficialmente nesta quarta (3) para começar a organizar a transição.

O governador eleito disse que irá promover “transparência total” nos gastos do governo. Afirmou que a situação da gestão hoje é crítica, com dívidas acumuladas com fornecedores e prestadores de serviço. Apesar disso, reiterou a viabilidade de propostas de sua campanha, como a cessão de um notebook a cada professor da rede pública.

Leia abaixo os principais tópicos da entrevista com o governador eleito do Amapá, ex-território federal de 626 mil habitantes e que representa 0,2% do Produto Interno Bruto do país:

Operação Mãos Limpas
Capiberibe afirma que a ação da PF é “positiva” por “exigir da sociedade uma grande reflexão sobre o que vinha acontecendo e o que ela quer que aconteça”. Reconhece que a corrupção estava “entrincheirada” na máquina pública, e que a revelação das supostas irregularidades motivou demandas na sociedade por combate ao desvio de recursos públicos.

O governador eleito disse que irá reforçar o papel de órgãos de controle da administração. Afirmou, por exemplo, que transformará a Auditoria Geral do Estado em Controladoria Geral do Estado.

“Vamos implantar transparência total no governo. Todos os gastos vão ser transparentes, de uma caneta que se compra ao metro de construção. E o problema não é só de corrupção. Há problema geral de gestão, dívidas paradas. A situação do estado é crítica, e isso vai exigir um exercício grande de concentração em torno de superar isso”, disse.

Transição de governo
O socialista diz que já tentou, sem sucesso, contato com o governador Pedro Paulo Dias (PP). Defende uma transição sem sobressaltos, mas reconhece que a atual gestão pode dificultar o acesso de sua equipe aos dados da gestão.

  • Espero realmente que seja a mudança, proposta de campanha existem muitas, ele é um homem inteligente quero muito que contribua para o desenvolvimento do Amapá.

    Não sou um “bobinho” em acreditar que todas as mazelas serão solucionadas em 4 anos, mas melhorar já conforta um povo tão sofrido que não reclama dos buracos do asfalto, e sim de fome. MERENDA ESCOLAR É DEVER.

    Agradeço por ter muito, quando olho pro entorno me sinto um felizardo tenho COMIDA.

    Se errei tenho 4 anos pra avaliar, e se for ruím, tentar mais uma vez eleger alguém que olhe para o povo.

  • O abacaxi e enorme, as responsabilidades maiores ainda, o camilo tera que vir a publico e mostrar tudo, mas tudo mesmo sobre a situacao geral e financeira do estado, o povo amapaense precisa saber que o TALVEZ, com aquela cara de santo, pode ser considerado um dos maiores larapios da historia do amapa e do Brasil. O fardo e muito pesado, mas o trabalho serio trara frutos, forca camilo as expectativas e cobrancas em cima de voce serao grandes.

    • Concordo, acho que se faz necessário uma prestação de contas da real situação do Estado. Até mesmo como medida preventiva devido a cobrança de um governo de mudanças.

      O Povo tem urgência de atenção, mas a casa tá uma verdadeira zona, reorganizar leva um tempo. Mas tem assuntos que tem de haver prioridade, merenda escolar é um deles.

  • Erramos duas vezes e pagamos oito anos com um governo de corrupção e furto, dos nossos recursos, e, principalente da nossa dignidade, levada junto milhões de dinheiro. Temos que ter esperança de dias melhores. Colocamos a fé em Deus e no Camilo. Que comece por não colocar nenhum dos corruptos desse grupo harmônico…

    • Realmente ninguém aguentava mais, acho que estavamos a um passo de colapso de ordem economica, Amapá Previdência é o exemplo maior. Como, se todos os meses descontam?!

      CHEGA, de fazer 2 bonecos imensos no fiasco do ARRAIÁ DO MEIO DO MUNDO pra ficarem jogados, pois nem a entrada principal funcionou durante o evento. CHEGA, de promover eventos como a EXPOFEIRA pra apresentar nada, aquilo era uma farsa, eu nunca vi um stand que realmente mostra-se crescimento no setor prudutivo,chega de tanta festa que não faz justiça a condição que vivemos no cotidiano.

      Um governo de circo, onde em alguns casos o Governador nem subia ao palco,pra não ser vaiado pelo povo, não os dos cargos nem os funcionários do Estado e sim o povo que sofre com o descaso real. AS MARIAS E OS JOSÉS QUE O PODER PÚBLICO NÃO OLHA.

      Aqueles pobres iludidos com uma semana de festa, onde podem rir sem lembrar que na hora de ir vai chegar em sua casa feliz pela noite e sem ter ÁGUA pra lavar o suor do momento feliz.

      PARECE DRAMA, MAS CONTAR ASSIM ME DÁ UMA SENSAÇÃO LÚDICA DA CRUELDADE DOS QUE PEDEM O VOTO DESSA GENTE SOFRIDA.

  • Por essa pequenês de governantes mediocres que padece o Amapá. A transição de maneira natural e vivilizada é um dos sustentáculos da democracia e do respeito a decisão popular. Pedro Paulo, saia pela porta da frente do Palácio Setentrião e cometa pelo menos um ato digno, legitime a transição de governo como um ato de respeito a democracia. Não votei no Camilo, penso o oposto do PSB, mas, Camilo recebeu o voto da grande maioria para governar o Estado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *