Da Revista Veja: Randolfe Rodrigues, o Harry Potter da CPI

Qual é a origem do seu nome?
Fiz um aportuguesamento dele para simplificar para os eleitores. O meu nome verdadeiro é Randolph Frederich. Foi ideia da minha mãe, que se inspirou numas revistas que leu. Ela gostou e eu paguei o pato.

O que o senhor já aprendeu como senador estreante em CPIs?
Em momentos como estes é que os parlamentares mostram quem são. Nesta CPI, existe um movimento na linha “não investigue o nosso que nós não investigamos o de vocês”. Assim como alguns de meus pares, não topo esse tipo de acordo. Por causa da aparência jovem e da voz, muitos duvidaram da minha capacidade de me impor.

Por falar em voz… Ela é meio desafinada, não é?
Sempre tive a voz fina, mas pode estar certo de que falo grosso. As pessoas adoram fazer piada. No Senado, por causa do meu jeito, apelidaram-me de Harry Potter.

O senhor se incomoda com a comparação?
Eu não conhecia a história do Harry Potter, precisei consultar meu filho. Depois que entendi, até que achei a brincadeira simpática.

Agora que o senhor conhece a história, quem é o Voldemort brasileiro?
Meu querido, há tantos candidatos a vilão na política brasileira que não dá para falar de um só. Atualmente, o Carlos Cachoeira é o Voldemort. Só espero que, assim como na ficção, ele seja derrotado.

Guilherme Dearo

 
  • O Randolfe tá mexendo num vespero, o povo de lá é cruel, ele tem que fazer algo por nós e não só aparecer na mídia.

  • kkk……amei as respostas,este é o Randolf que tive o prazer de conhecer pessoalmente.Apostei nele(votando) e estou orgulhosa por vê-lo tão guerreiro no senado e mandando bem.

  • Senador feche logo a parceria com a Marina Silva para que essa dobradinha engula a dilminha; Meu futuro Presidente… podem apostarrrr.

Deixe um comentário para Marcel Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *