Crimes eleitorais

Pra ficar “nude”

Policia Federal pegou ontem 800 litros de combustível no depósito da SIMS, a secretaria de Inclusão e Mobilização Social, que fica numa área residencial no bairro Jesus de Nazaré.

Além do crime eleitoral evidente, afinal a SIMS não tem por que “guardar combustível”, o armazenamento inadequado de combustível coloca em risco a vida da população.

Achou pouco?

A PF pegou santinhos do candidato Pedro Paulo dentro de uma viatura da Polícia Civil.

Como não pode prender eleitores esses dias, a polícia devia estar aproveitando pra distribuindo santinhos.

Sim. Você pode

E você pode denunciar os crimes eleitorais para a Policia Federal no telefone 3213-7500

Mas, por favor! Não perturbem a PF com “mimimis” nem com besteiradas contra candidatos a adversários.

Produtividade é tudo.

  • Novidade isso naum!!! coitadinho, mas lembre-se “ele não foi ouvido pela PF” o bruno e o macarrão tbm não…hehehe…. nesta eleição ou é 14 ou é 40!!!! e um bora votar povo e mostrar q quem manda somos nós!

  • MISÉRIA – TITÃS

    Miséria é miséria em qualquer canto
    Riquezas são diferentes
    ÍNDIO, MULATO, PRETO, BRANCO
    Miséria é miséria em qualquer canto
    Riquezas são diferentes
    Miséria é miséria em qualquer canto
    FILHOS, AMIGOS, AMANTES, PARENTES
    Riquezas são diferentes
    Ninguém sabe falar esperanto
    Miséria é miséria em qualquer canto
    TODOS SABEM USAR DENTES
    Riquezas são diferentes

    Miséria é miséria em qualquer canto
    Riquezas são diferentes
    Miséria é miséria em qualquer canto
    FRACOS, DOENTES, AFLITOS, CARENTES
    Riquezas são diferentes
    O Sol não causa mais espanto
    Miséria é miséria em qualquer canto
    CORES, RAÇAS, CASTAS, CRENÇAS
    RIQUEZAS SÃO DIFERENTES

    Gente esses personagens são conhecidos da nossa realidade.
    Os governantes que aí estão, não tem o menor interesse de extingui-la, pois se não houvesse MISÉRIA não seria possível esse comércio vergonhoso de votos.
    DIA 03 DE OUTUBRO, FAÇA JUSTIÇA, NÃO VOTE EM MÃOS SUJAS

  • Mais golpe baixo dos ZULHODOS contra a Janete. Não colou. O voto dela tá mais seguro que grude gurijuba.Só por causa disso ele vai ficar em quarto. Vai perder do Professor.
    Muleke.Falei e disse.

  • Por falar em ‘poder’.. alguém pode explicar porque anda faltando energia justo na hora em que a gente deita pra dormir?

    • Eu posso porque não existe investimento no setor de energia aqui no Amapá por parte da Cea, mesmo com dois senadores do PMDB, partido este que comanda o Ministerio de Minas e Energia, e ainda um deles vem na Propaganda falar que é competente!!!

  • Não deixem, as manobras políticas calarem ou frearem os blogs mais lidos e comentados deste estado (Repiquete e Alcinéa Cavalcante).
    Vocês são a reserva que ainda resta dos poucos profissionais de comunicação e jornalismo dignos de credibilidade e que não estão comprometidos com o atual quadro de corrupção que por aqui se instalou mas já está com data marcada para acabar.

  • 40 NA CABEÇA MULEKE E 401 TAMBEM ISSO SE CHAMA VOTO DE REPUDIO A TODA ESSA SAFADEZA E PILANTRAGEM DOS PODEROSOS DOA A QUEM DOER VAMOS VER SEO SENADOR GILVAM VAI TER CORAGEM DE PEITAR O CAPI FRENTE A FRENTE SERA QUE TERA CORAGEM LOGICO NA URNA RSRSRSRRRSRRSS

  • 1° de outubro de 2010 – 11h11

    TSE nega pedido de registro de candidatura de João Capiberibe ao cargo de senador pelo AP

    O registro de candidatura de João Alberto Rodrigues Capiberibe ao cargo de senador pelo estado do Amapá foi indeferido pela ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha (foto), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A decisão ocorreu na análise de um recurso ordinário interposto pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).

    O caso

    Capiberibe foi condenado pelo TSE, em 2004, por compra de votos, tendo seu registro e diploma cassados. Essa foi razão de o candidato ter o pedido de registro de sua candidatura questionado para as eleições deste ano para o Senado Federal, em ação movida pelo MPE e por outros dois recorrentes.

    Os autores dos recursos ao TRE alegaram que, por causa daquela condenação, o candidato estaria inelegível com fundamento no artigo 1º, inciso I, alínea “j”, da Lei Complementar nº 64/90, inserida pela Lei Complementar nº 135/2010. No entanto, o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) deferiu o registro de candidatura, decidindo que “a inovação da Lei Complementar n. 135/2010 não poderia retroagir para prejudicar ato jurídico perfeito”.

    Decisão

    A relatora salientou que a cassação do registro e diploma de João Capiberibe, pelo TSE, em razão de compra de votos, é fato incontroverso tendo se dado nos termos do Acórdão 21.264, de relatoria do ex-ministro Carlos Velloso no dia 11 de junho de 2004.

    De acordo com a ministra Cármen Lúcia, o próprio João Capiberibe admite a cassação de seu mandato obtido em 3 de outubro de 2002. “Sendo assim, o prazo de 8 anos projeta-se para o dia 3.10.2010, tornando-se apta a declaração de inelegibilidade por esses fatos”, ressaltou a relatora.

    Dessa forma, ela rejeitou a alegação de inconstitucionalidade formal da Lei Complementar nº 135/2010. “Como antes asseverado, a cassação do mandato do ora Recorrido [João Capiberibe] deu-se nos termos do mesmo Acórdão n. 21.264 do Tribunal Superior Eleitoral, cuja situação, da mesma forma, enquadra-se na hipótese legal do art. 1º, inc. I, j, Lei Complementar n. 135/2010”, disse a ministra. Tal dispositivo instituiu critérios objetivos para aferição da inelegibilidade de candidato, devendo ser verificados elementos cumulativos indicados no próprio artigo.

    Por fim, segundo a ministra, é importante destacar que, no caso, a incidência da inelegibilidade “não importa em bis in idem (duas penas para o mesmo crime) pelo simples fato de o Acórdão n. 21.264 não ter declarado qualquer período de inelegibilidade ao candidato que, antes da Lei Complementar 135/2010, sequer era legalmente prevista”.

    EC/MB

    Processos relacionados: RO 15734

    • Ta na UOL;

      01/10/2010 – 19h51
      PF apreende dinheiro vivo em poder de familiares de ex-governador do AP
      Publicidade
      HUDSON CORRÊA
      ENVIADO ESPECIAL A MACAPÁ (AP)

      A Polícia Federal fez nesta sexta-feira novas buscas e apreensões no Amapá em prosseguimento à operação Mãos Limpas. Foram apreendidos R$ 9.100 em dinheiro e 250 tickets combustível.

      Conforme a PF, o material estava em poder de familiares do candidato a senador e ex-governador (2003 a abril passado), Waldez Góes (PDT).

      Na operação deflagrada no dia 10, Waldez foi preso junto com o governador Pedro Paulo Dias (PP), que o havia sucedido no cargo. Nove dias depois, foram soltos e voltaram à campanha eleitoral. O governador disputa a reeleição.

      Os dois são acusados de participar de um suposto esquema de captação de propina em troca de contratos no governo.

      Waldez e Pedro Paulo negam. A reportagem não conseguiu falar com os candidatos hoje.

      Uma das preocupações da PF é evitar compra de votos nas eleições no Amapá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.