Confraria comunica sócios que PMM negou apoio para o aniversário de Macapá

Só agora, a nove dias da data de aniversário de Macapá, 04 de fevereiro, a Prefeitura respondeu negativamente ao ofício encaminhado em dezembro de 2010 pela Confraria Tucuju, contendo o projeto da festa da cidade. Resgatada há 14 anos pela Confraria, a data é tradicionalmente comemorada com grande festa, durante o dia inteiro, no centro histórico de Macapá, quando um bolo de 25 metros e uma farta feijoada são distribuídos gratuitamente para a população após o encontro das bandeiras, protagonizado pelos grupos de Marabaixo.

Além do bolo e da feijoada, a Confraria realiza o almoço dos pioneiros, matriarcas e patriarcas das famílias mais antigas da cidade. No final do dia um grande show com ritmos da cultura popular encerra o evento no Largo dos Inocentes. No contexto da festa está incluída ainda a Batalha de Confetes, resgate dos antigos carnavais, realizada no último final de semana de fevereiro. Toda a programação está orçada em R$ 81 mil.

“A Prefeitura tem sido a principal parceira da Confraria nesta festa há 14 anos, por iniciativa dela própria, que procurou os então dirigentes propondo apoio, em reconhecimento à importância cultural e social do resgate feito pela nossa entidade. Antes da Confraria, o aniversário de Macapá passava em branco. Infelizmente, para nossa tristeza, este ano recebemos um não como resposta”, explica a presidente da entidade, Telma Duarte.

O orçamento da festa da Confraria, com detalhamento de custos, foi divulgado para jornalistas e sócios. “Nossa festa tem custo baixo porque temos responsabilidade com dinheiro público. O orçamento está à disposição para quem quiser ver. Só lamentamos a demora na resposta da Prefeitura, o que praticamente inviabiliza a nossa festa. Lamentamos também o fato de que a cultura é sempre a primeira a ser penalizada”, diz Telma.

No ofício entregue à presidente da Confraria, a Prefeitura alega falta de recursos para manter a parceria, mas informa que vai realizar uma festa paralela em frente ao Mercado Central de Macapá. “Não compreendemos porque essa divisão. Nossa festa é aberta a todos, recebe todas as autoridades e reconhece o papel dos parceiros e patrocinadores em todos os momentos”, lamenta Telma. “Nos resta informar aos 200 sócios, para quem enviaremos cópia do ofício da PMM, e à comunidade sobre a resposta da Prefeitura”, finaliza ela.

Márcia Corrêa

ASCOM – Confraria Tucuju

  • Que pena! Eu que adoro a festa de niver da cidade! Não perco nem a missa! Lamentável!
    Espero que até o dia a administração municipal encontre um forma de judar.
    Estou na torcida!

  • O governo estadual deveria ajudar confraria, niver é niver, vamos comprar um bolo com q-suco.

  • Lamento esta noticia,considerando que este evento da Confraria eleva a auto estima das pessoas que amam o Amapá.Á proposito, registro a minha alegria, em ver a Confraria Tucujú,presente na Festa de Aniversário de Mazagão(e que FESTA!) Gratifica ver a Senhora presidente da Confrafia pessoalmente,coordenando uma equipe tecnica que registrou todos os momentos do Evento,demonstrando assim, que a CONFRARIA É REALMENTE TUCUJÚ,pois valoriza a cultura e a história do Estado com o mesmo valor.Parabens á Confrafia,e certamente estarei presente no aniversário de Macapá, não para retribuir a gentileza, mas para prestigiar o trabalho e a seriedade dos que tem certeza que o AMAPÁ é o estado do Futuro,que tem muita beleza para mostrar ao Brasil e ao Mundo, e que o capital humano não tem preço.

  • Telma é uma amiga das antigas e tenho todo respeito pela Confraria, mas ao verificar os recursos oriundos da ex-dep. federal Lucenira (PR/AP), por falta de não atender as exig6encias do Ministério da Cultura a entidade perdeu R$ 720 mil, recuros empenhados/2010, por perda de prazo na entrega de coumentos; Projetos: M;usica Amapaense e III Festival de Música Isnturmental do Amapá. Informação prestada pelo Minc. Que pena!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *