Colégio de Procuradores do Mp-Ap aprova a aposentadoria de uma grande promotora de Justiça

A promotora de Justiça Rosemary Cardoso de Andrade teve seu pedido de aposentadoria aprovado pelo Colégio de Procuradores de Justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), durante a 313ª Reunião Ordinária, realizada na manhã desta terça-feira (15), na Procuradoria-Geral de Justiça. O colegiado aprovou parecer do relator, procurador de Justiça Nicolau Crispino, no Processo nº 006106/2017-MP/AP, com pedido de aposentadoria voluntária.

A promotora de Justiça ingressou no MP-AP em 1991, aprovada no 1º concurso para a carreira do parquet e teve sua atuação elogiada pelos integrantes do Colégio de Procuradores que participaram da reunião. Neste ano, os primeiros membros nomeados comemoram 26 anos de serviços prestados ao povo do Amapá.

Atualmente desenvolvendo suas atividades como titular da 1ª Promotoria de Justiça com atribuições no Juizado Especial Cível e Criminal, Rosemary Andrade, primou por buscar a solução de conflitos por via extrajudicial, por meio da mediação e conciliação entre as partes.

Destacou-se como coordenadora do Centro de Apoio Eleitoral, com atuação decisiva na fiscalização e prevenção de crimes eleitorais nos pleitos de 2012, ano em que inaugurou a Sala do MP na Casa da Cidadania, e em 2014, quando avaliou como positiva a atuação dos membros do MP-AP no Ministério Público Eleitoral pelo trabalho em equipe, com empenho e dedicação de cada um, por um pleito mais equilibrado e menos injusto.

Coordenou do CAOP Eleitoral, de 27 de setembro de 2013 (Portaria nº0409/2013 – GAB/PGJ) a 10 de março de 2016 (Portaria nº 095/2016 – GAB/PGJ). É um órgão auxiliar da atividade funcional do Ministério Público que integra o Gabinete do Procurador-Geral de Justiça, com previsão no art.33 da Lei Complementar Estadual nº 079/2013.

Ao final da reunião, os presentes externaram, por meio de depoimentos informais, a grandiosidade da atuação de doutora Rosemary e enalteceram suas qualidades como promotora e ser humano.

“É difícil mensurar a contribuição da doutora Rosemary ao MP e ao Amapá. Ela nos ajudou a construir nossa instituição e torna-la forte. Também lutou para resguardar os direitos da população. Sua trajetória brilhante deixa marcas como dedicação, integridade e muita competência. Além da excelente promotora, sentiremos saudade da amiga e companheira de trabalho”, comentou o PGJ, Márcio Alves.

Participaram da reunião os promotores de Justiça Laercio Mendes, Rosemary Cardoso Andrade e Jose Barreto (presidente da Associação dos Membros do Ministério Público do Estado do Amapá – AMPAP) e os procuradores de Justiça Jair Quintas; Raimunda Clara Banha; Socorro Milhomen; Estela Sá; Judith Teles, Nicolau Crispino e Jayme Henrique Ferreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *