Clima começa a esquentar nas eleições da Unifap

Suspeita de favorecimento contraria professores da Unifap e pré-candidatos à reitoria, que solicitaram que o nome da professora Eliane Superti, não estivesse na programação de recepção aos novos docentes e calouros da instituição. A professora seria a candidata apoiada pelo reitor Tavares, nas eleições para a reitoria. Outros candidatos acham que isso se configura na utilização da máquina para favorecimento da candidatura da situação. Outra suspeita de favorecimento seria a definição do local das urnas. Uma das urnas para votação dos alunos ficará localizada justamente no Curso de Ciências Sociais, da mesma candidata.

  • Os locais de votação constam no art. 27 do capítulo IV do Regimento Eleitoral aprovado pelo Conselho Superior Universitário (CONSU). Além do bloco do curso de Ciências Sociais, também haverá uma urna para votação no prédio da reitoria, bloco do curso de Física e Matemática, e uma na Unidade Básica de Saúde do campus Marco Zero. Mais quatro urnas para votação serão distribuídas entre os campi de Santana, Mazagão, Laranjal do Jarí e Oiapoque. As chapas devem ser oficializadas de 14 a 16 de abril, no horário das 8h às 12h e das 14h às 18h. Portanto, não há nenhum nome oficial para concorrer ao cargo.

  • A professora Superti, mencionada na nota do blog, desenvolve o trabalho de recepção dos docentes (e não dos calouros como foi informado) há três anos. Este trabalho ocorre desde que a coordenação de ensino estabeleceu o evento no início das atividades letivas de cada ano.

    • E é justamente por essa repetição sistemática e estratégica que penso ser de “bom tom” o convite a professor da Unifap que não esteja ligado diretamente às eleições. Estou certo de que a professora Superti daria sim uma boa palestra, mas pergunto se de fato somente ela é capacitada na Unifap para falar de PPC. A Unifap possui uma câmara de ensino que trata diretamente com essas questões e que possui professores igualmente experientes que poderiam sim estar à frente desse evento. Essa renovação é necessária para o crescimento da universidade, precisamos de um serviço menos pessoalista onde somente uma pessoa pode desempenhar determinado papel. Na reunião com a PROGRAD, Diretores e coordenadores se posicionaram contra essa decisão e como estamos falando de democracia, democrático seria respeitar a decisão da maioria certo!? Isso sim me causa preocupação.
      Agora, sobre as pré-candidaturas, isso é de conhecimento de todos inclusive dos que afirmam desconhecer…

  • Alcilene, o NOME OFICIAL para concorrer à reitoria, TODOS sabem que não há claro, pois o processo oficial ainda não foi instalado. Mas… TODOS também sabem quem são os/as pré-candidatos/as, inclusive o/a pré-candidato/a AMPLAMENTE apoiado/a pela administração. Nos corredores da unifap esse “papo” é do cotidiano. Quando se organiza um processo de recepção aos estudantes calouros da unifap e que também OBRIGATORIAMENTE incluirá professores recém-contratados e como palestrante é colocada uma pré-candidata mesmo havendo o QUESTIONAMENTO na reunião para discussão de tal evento, para que não houvesse essas palestras com estas palestrantes (eram duas, a princípio), pois esse procedimento seria inadequado já que as palestrantes, de domínio do público unifapiano, são pré-candidatas a reitoria e vice-reitoria, de nada adiantou, pois quando recebemos a programação ainda constava o nome de uma das pré-candidatas como palestrante do evento. Fica então o questionamento: os/as demais pré- candidatos/as, porque não foram chamados? Se isso não é favorecimento, é o quê? Neste sentido, eu profª Marcia Jardim Diretora do Departamento de Educação da unifap (eleita em processo verdadeiramente democrático) ratifico que esse procedimento é antidemocrático, autoritário e se configura sim, explicitamente, como utilização da máquina para favorecimento de uma candidatura da situação. NÃO CONCORDAMOS COM ISSO! A UNIFAP NÃO É FEUDO! E A LUTA CONTINUA!

  • Em reunião dos diretores dos departamentos da UNIFAP ocorrida ontem (25/03) ficou decidido por unanimidade manifestação oficial para a exclusão de nomes de possíveis candidatos em qualquer programação oficial da UNIFAP, de modo a garantir os princípios que regem qualquer processo eleitoral (igualdade, imparcialidade, não retrocesso a democracia, etc.), incluindo a fase do “esquenta”.

    • É isso mesmo, Marcos! Estamos preparados para a luta pelo não retrocesso a procedimentos na base do “compadrismo”.

  • Quanto aos locais de votação, também causou estranheza a urna destinada aos servidores técnicos administrativos, considerando que nas ultimas eleições a categoria votou em lugares considerados neutros, de maior visibilidade, e de fácil acesso na UNIFAP, e para essa escolha, está definido no edital da Consulta Previa para Reitor (a) da UNIFAP, uma sala no bloco onde funciona o curso de Física. As instalações do curso de Física é pouco frequentada, visitada, bem como um número expressivo de servidores, devido a extensão do campus da UNIFAP em Macapá não conhecem o local, principalmente os novos servidores. Nesse sentido, foi protocolado junto à Comissão Eleitoral, REQUERIMENTO contendo a assinatura de mais de 100 servidores, solicitando a mudança do local de votação da categoria para um ambiente de fácil acesso, como por exemplo, o Auditório da Reitoria (local da ultima votação) ou do prédio da Pró-reitoria de Gestão de Pessoas – PROGEP. Dentre os motivos pontuados no referido documento para mudança do local de votação, foram destacados os seguintes: 1- O Auditório da Reitoria ou do prédio da PROGEP é frequentado, visitado e de conhecimento de todos os servidores da UNIFAP; 2. É um ambiente de fácil acesso; 3 – É um local que oferece aos servidores, principalmente aos aposentados e com dificuldades de locomoção, melhores condições de acessibilidade e acolhimento. O DEFERIMENTO da solicitação está sendo aguardada com enorme expectativa por um grande número de servidores técnicos.

  • Entretanto, não é o que está ocorrendo. Pois, as candidatas apoiadas pela atual administração (REITOR E PRÓ-REITORES DA PROCRI, PROEAC, PROGRAD, PROPESG, PROPLAN, DERCA e outros detentores de cargos da instituição) estão ADENTRANDO nos departamentos e coordenações fazendo campanha antecipada (ocorreu na coordenação de medicina e em um departamento onde as candidatas INTERROMPERAM um aniversário de um servidor técnico-administrativo para fazer campanha, inclusive passando uma lista para os presentes colocarem os nomes e telefones). Além do que já está por toda UNIFAP cartazes, carros adesivados, servidores com camisas de um tal movimento “QUERO + PARA A UNIFAP”, que segundo informações é a chapa da SUPERTI E ADELMA. Elas recepcionaram os novos docentes, estava programado para recepcionar os novos calouros, será que querem recepcionar os novos técnicos também. Até mesmo o professor Filocreão, atual vice-reitor e pré-candidato, não está utilizando essas artimanhas, pelo contrário estão colocando ele para escanteio.
    Por fim, essas candidatas estão intimidando quem está apoiando outros pré-candidatos como o professor FILOCREÃO E professora CLÁUDIA CHELALA.

  • Isso que está ocorrendo na Unifap é só uma pequena mostra do que ocorre nos bastidores desta Instituição, no que diz respeito a diversas situações como concurso público, eleições de coordenadores e indicações de cargos, dentre outros. Vergonhoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *