CEA contrata geração de energia para evitar racionamento

O Amapá está livre do risco de novo racionamento de energia elétrica por uma provável seca no rio Araguari. A Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) assinou contrato com a multinacional Agreeko Energia, na última sexta-feira, 26, para geração de 47MW de energia termoelétrica para atender ao Sistema Estadual.

O diretor técnico da CEA, Jucicleber Castro, informou que estudos indicam que a partir de outubro o rio Araguari pode sofrer com diminuição no nível de água e, como consequência, provocar uma redução na produção de energia pela hidrelétrica Coaracy Nunes. “Foram estabelecidos prazos para serem cumpridos, e assim afastamos o risco da população sofrer com racionamento de energia”, justificou o diretor.

O presidente da CEA, José Ramalho, informou que esta é uma medida preventiva adotada pela Companhia, que está se antecipando a essa possibilidade de redução no fornecimento de energia pela usina Coaracy Nunes. Segundo ele, a maneira mais rápida para suprir essa carência é através de motores a diesel, e por isso foi pleiteada e autorizada essa ampliação junto ao Ministério das Minas e Energia, conforme previsto na Lei nº 12.111, da geração adicional de energia.

A empresa Agreeko Energia especializada em fornecer disponibilidade de potência e geração de energia elétrica foi a vencedora com menor proposta de preço da Chamada Pública de cotação eletrônica, realizada pela CEA, com participação de 5 empresas cadastradas e aptas a concorrer. O contrato, no valor total de R$ 53 milhões, tem duração de 22 meses, a contar da data de funcionamento, podendo ser prorrogado por mais 12 meses.

A Usina deverá ser instalada na Unidade Termoelétrica da Eletronorte, em Santana, e também na Subestação Portuária daquele município. O início de funcionamento esta previsto para 5 de outubro.

Gilvana Santos/CEA

    • Segundo informaram os técnicos da CEA a área já possui licenciamento. A usina vai funcionar dentro do parque da Eletronorte em Santana.

      • Vc já viu essa licença? Então peça para não ter problemas? Para instalação de UTEs é exigido licenciamento ambiental, ainda mais de 47MW.

      • Nada na CEA, hoje, é feito nas coxas. Este ano foi criado o Comitê de Planejamento da Cia com engenheiros competentes,experientes e respeitados como Ubiracy do Amaral (coordenador). A CEA também contratou um engenheiro especialista em meio ambiente somente para tratar dos licenciamentos do programa Luz para Todos que tiveram as licenças liberadas (e publicadas)que estavam emperradas desde o ano passado, faltando apenas as áreas de reservas federais. Os trabalhadores da CEA não podem e não devem ser descredibilizados por gestões que comprometeram o desenvolvimento da Cia.

  • Olá pessoal, vamos ler a legislação da ANEEL, antes de ficar elucubrando a respeito de questões técnicas.
    Desde já, parabenizo o corpo técnico da CEA, que não tem medido esforços para garantir o fornecimento de energia elétrica, sob as condições mais adversas, como o congelamento de nossa tarifa, e outros percalços.
    Muito em breve, o cenário energético mudará, e todos pagarão para ter energia no estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *