Cacau do Cassiporé, açaí, camapu e a bioeconomia. *Por João Capiberibe

* João Alberto Capiberibe. Ex-governador do Amapá 

Você já experimentou o cacau do Cassiporé? Pois experimente! Ontem servi essa iguaria no café da manhã pra Janete, ela amou, e me agradeceu com um beijo.

 

Quando governador do Amapá (1995-2002), – faço questão de assinalar o período, pois tem gente que me cobra responsabilidade hoje, como se eu tivesse deixado o governo na semana passada -, os que combatiam nossas ideias, desdenhavam do PDSA (Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá) repetindo em suas rádios e tevês: “Vender camapu, patê de chicória e açaí? Isso é tão nosso que jamais será exportado”

Agora olhe e reflita sobre essas fotos.
O cacau, o camapu, o açai são espécies nativas, capazes de alavancar uma enorme cadeia de valor na nossa bioeconomia, gerar os empregos que tanto precisamos para garantir aos amapaense o direito de continuar morando no lugar em que nasceram e cresceram, sem precisar migrar para outros estados atrás de oportunidades de trabalho.

Por último insisto, olhe e reflita sobre essas fotos, depois entre no Google, pesquise sobre cacau do Cassiporé, camapu, açaí e me diga quem tem razão? O açaí é hoje o terceiro item na nossa pauta de exportações, e o camapu nos importamos da Colômbia.

 

Nota do blog 

Verdades nesse pequeno texto que Capi carinhosamente me enviou, que mostram quanto tempo estamos perdendo no desenvolvimento sustentável do Amapá, com suas maiores riquezas: os produtos da floresta, com agregação de valor, que geram trabalho, renda e desenvolvimento.

Para saber mais sobre o cacau e o chocolates do Cassiporé, siga o perfil no Instagram @chocolatescassipore 

  • De fato, a verdade deve ser sempre transparente e cristalina. E não há como refutar as palavras do Capi.
    O camapú é uma planta medicinal conhecida por ajudar no tratamento do mal de Alzheimer e de outras doenças neurodegenerativas. Meu avô, paraibano dos lados de Pombal, me ensinou a comer camapú, direto do pé, acompanhada com farinha bem torrada.
    O cacau de Cassiporé é um achado mágico, uma ilha do tesouro, encravado lá para as bandas de Vila Velha. Realmente, o pão de chocolate como é chamada em nossos interiores, depois de ralado dá uma bebida fantástica, com bastante gordura flutuante e pequenos pedaços de chocolate puríssimo. Um nectar dos deuses.
    Aprendi a preparar o pão de chocolate com minha mãe, que torrava as sementes e cabia a mim separar a fuligem e depois ir ao pilão bater até que se tornasse um liquido viscoso e então armazenar em folhas de arumã.
    A chicória (Eryngium foetidum L.) é um tempero amazônico dos mais saborosos e aromáticos. Sem ele uma caldeirada cabocla, não é caldeirada, é peixe cozido.
    Nosso açaí dispensa comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *