Brasil e França instituem a formação do Conselho do Rio Oiapoque

Na última terça-feira, 11, secretários de Estado do Amapá, representantes do poder público e da sociedade civil de Oiapoque e Guiana Francesa participaram, em Saint George, da I Reunião do Conselho do Rio Oiapoque, que facilitará o intercâmbio de informações e a cooperação bilateral entre os dois países e a posse dos membros da sociedade civil que farão parte do conselho.

A reunião, presidida pelo vice-préfet dos municípios do interior da região da Guiana Francesa e chefe da Delegação Francesa, Benoit Vidon, discutiu a aprovação e assinatura do regimento interno do conselho, que será composto por 32 membros titulares, sendo 16 representantes dos poderes públicos e 16 da sociedade civil da região da fronteira do rio Oiapoque, no qual foram definidos todos os parâmetros a serem adotados pelas duas delegações.

De acordo com as normas do regimento aprovado pelas delegações, o Conselho do Rio Oiapoque terá como seus principais objetivos discutir iniciativas para promover o desenvolvimento harmonioso da zona de fronteira; facilitar o diálogo entre a sociedade civil local, os governos locais e regionais; e promover o respeito e a dignidade humana por meio da prevenção e sensibilização das populações locais.

A diretora-presidente da Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap) e chefe da Delegação Brasileira, Ivana Antunes, destacou em seu discurso os diversos avanços alcançados nos últimos anos nas relações de diálogos entre os dois países.

“As discussões deste conselho têm avançado bastante no governo Camilo Capiberibe, que determinou à nossa equipe de governo que a cooperação com a Guiana é prioridade para o nosso Estado, para pensar o desenvolvimento conjunto e harmonioso dessas regiões. Desde 2011, nós temos a satisfação de reconhecer que o nosso diálogo com os nossos parceiros franceses têm avançado muito e em um ritmo bem acelerado. Prova disso é a instalação do Conselho do Rio Oiapoque com as autoridades públicas e da sociedade civil dos dois países, das duas regiões e dos municípios da fronteira”.

 

 

Karla Marques/Secom e Lilian Monteiro/Seicom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *