#BatePapoComCamilo40

Governador Camilo Capiberibe, na condição de candidato, reuniu ontem blogueiros, povo do twitter e outras redes sociais, para um bate-papo político e sobre sua gestão.

Professor Rinaldo Martins, vice de Camilo, também participou da conversa com a turma da internet.

Parece que o negócio foi animado. Bombou no twitter.

  • Vou me apropriar de frases do poeta, dramaturgo e escritor francês Vitor Hugo e de Georges Clemenceau, estadista e também francês que diziam, respectivamente: “Saber exatamente qual a parte do futuro que pode ser introduzida no presente é o segredo de um bom Governo” e “O Governo tem a missão de fazer com que os bons cidadãos estejam tranquilos e que os maus não o estejam”, e o Governador Camilo Capiberibe está seguindo à risca esses preceitos, por essa e outras razões que o meu VOTO é DELE. E vamos à VITÓRIA para o bem do ESTADO DO AMAPÁ..
    Abs. Matta.

    • E nos livre tb de pessoas que pensam “pequeno”.Diálogar com o povo, faz parte de um governo que prima pela democracia. É através deste diálogo que o GEA fica sabendo onde esta acertando e onde está errando,simples assim.

  • Nas distintas opiniões aqui nos comentários do blog da nossa querida Alcilene vemos coisas que não tem nada a ver com coisas.
    Importante que o Gestor esteja alinhavado com a tecnologia e com as redes sociais, porque elas permitem que o gestor se aproxime dos que estão perto e dos que estão distantes, isto porque a internet encurta as distâncias e aproxima as pessoas.
    Que bom que o nosso Governador esta antenado e ligado nas redes sociais.
    Isso permite que ele avalie, independente dos amigos e dos adversários, como anda a sua Gestão frente ao Governo do nosso Estado. Usar as redes sociais é principalmente ver como os mais jovens estão reagindo ao que esta sendo feito. Se o Governador atual estivesse realmente fazendo um bom governo, um excepcional governo, ele estaria sendo aclamado tanto nas redes sociais como fora delas, estaria sendo carregado pelo povo e reconduzido para mais um período no Palácio do Setentrião. As redes sociais assim como a população extra-internet não demonstram esse entusiasmo pelo dirigente maior desse Estado. Talvez seja a hora de analisar o que foi feito e o que não foi feito para que o seu nome não esteja em evidência como deveria ou poderia estar.
    Dai dizer que todos querem que o Governo anterior volte tem uma boa e longa distância. Até porque o Governador anterior não foi parar na Pensão do Distrito Federal porque foi um bom Governador, e sim porque também falhou muito no conduzir desse Estado. Temos as famílias Amarelas (Capiberibes) e as famílias Azuis (Goés), como também temos os Borges, os Favachos e os Gurgéis e outros tantos também querendo um naco desse Estado. É o tudo pela “minha terra” ou o tudo pela “minha familia”. Mas temos os sem cores (povo) que a cada ano que passa vê a coisa ficar mais preta. Ë hora de mudar, e não mudar para o passado que não deu certo, o exemplo está ai. O povo do Amapá não quer voltar para o passado, pois quem sofre não quer sofrer mais, quem apanhou, não quer apanhar mais. Nem azuis e nem Amarelos. O Amapá merece um novo tempo, o Amapá merece mais. Infelizmente o candidato que eu enxergava como um bom candidato, é um bom professor e economista, mas ele não tem Capiberibe, nem Goés, nem Favacho, nem Gurgel, nem Borges no nome dele. Talvez se tivesse poderia não ser tão bom como ele é, e se tivesse poderia até ser candidato. Tem competência e amor pelo povo do Amapá, coisa que vemos que falta dentro dos amarelos e azuis e dentro dessas outras familias. Afinal quem viveu esses últimos 20 anos aqui sabe disso. 8(oito) anos de Capiberibe + 8(oito) anos de Goés + 4(quatro) anos de Capiberibe e agora querendo + 4(quatro) anos e disputando com um Goés. Essas famílias vem se revezando no poder e vinte anos se passaram com o povo elegendo essas oligárquias para o Senado, para o Governo, para a Prefeitura, para a Assembléia Legislativa, para a Câmara Federal, para a Câmara dos vereadores. E como está o nosso Estado? Onde chegamos? Eles apenas tornaram o nosso Estado mais pobre, com um povo mais pobre, endividaram o nosso Estado e vamos continuar pagando um preço alto por morar aqui. Temos as mais diversas mazelas na Saúde, Educação e Segurança, e isso não é de hoje, são 20(vinte) anos, onde os mocinhos e os bandidos são os mesmos, se revezando. Mas o papel de povo é sempre o nosso, povo que quer mais, mas que paga um preço alto por ser cada vez mais pobre, e que por isso é comprado com as promessas de há um novo por vir. Mas que há tempos nunca vem.

Deixe uma resposta para O OBSERVADOR Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *