Ato público “JUSTIÇA PARA OS CAPIBERIBES”

Os eleitores do Amapá reconduziram a deputada Janete Capiberibe ao 3º mandato na Câmara Federal com 28 mil 147 votos. A mais votada do estado para o cargo pela 3ª vez consecutiva.

Os eleitores do Amapá reconduziram o senador João Capiberibe ao Senado Federal, fazendo justiça com seus 130 mil 411 votos.

Mas, pela segunda vez, o julgamento político de 2002 embasado na trama armada pelo PMDB de Gilvam Borges e José Sarney, que tirou os dois mandatos conquistados pelo voto do povo do Amapá, mantém a injustiça e promove a 3ª cassação da vida política de Janete e João: uma na ditadura, duas na democracia.

Participe do ato em repúdio à decisão do TSE, que desrespeita os votos dos eleitores do Amapá, e manifeste a vontade que o STF garanta aos socialistas os mandatos que os eleitores do Amapá lhe deram pelo voto, numa eleição livre e democrática.

Ato público “JUSTIÇA PARA OS CAPIBERIBES”

Quarta, 22, 19h

Praça Zagury

Macapá – AP

  • Que prevaleça a soberania popular e concordo quando dizem que uma juizinha que não conhece a realidade do nosso estado decide de forma arbitraria a favor de um grupo político que vem enriquecendo dia apos dia roubando o dinheiro do povo ilicitamente estes devem por questão de justiça estar atras das grades “eu quero meu voto carmen lucia”

  • meu voto com os 28 mil 146 elegemos a deputada Janete, 130 mil 411 votos conduzimos novamente o senador Capiberibe ao senado e a justiça tirou. O povo do Amapa não merece isso.

  • Capi e Janete deveriam montar barraca na frente do STF e só sair de lá quando os togados fizessem justiça, devolvendo o mandato que ganharam no voto. Também chamariam a atenção da mídia nacional, afinal estão sendo penalizados duas vezes em uma só ilicitude.

  • Seria um ultraje com a sociedade amapaense que mais uma vez fosse burlada a democracia. Tenho 17 anos e exerci meu voto nesse ano pela primeira vez, e seria vergonhoso ter que vê-lo jogado fora, pois o casal Capi e Janete foram dois de meus escolhidos.

  • O Povo quer respeito! Participem todos os eleitores os que votaram ou não.

    Não aos “Capiberibes”, sim aos eleitores, o ato público é pela soberania dos nossos direitos.

  • estarei lá neste ato prestando minha solidariedade ao Senador João Capiberibe genuinamente eleito pelo povo do Amapá.

    • Claro que sim, o STF é a ultima ação, vamos aguardar o que dicidirão, o Ministro Marco Aurélio em suas palavras na hora do voto no TSE disse que estavam usando dois pesos e duas medidadas contra o casal Capiberibe e o mesmo também é Ministro do Supremo Tribunal Federal onde o recurso foi recorrido

  • Sinto-me ultrajada,por essa decisão vergolhosa de alguém que não conhece a realidade de Nosso Estado Mergulhado em um Mar de Corrupção onde todos os Nossos Representantes Eleitos Pelo Povo se tornaram Verdadeiros Ladrões, e Simplesmente Querem Roubar de nosso Povo o Voto onde escolheram novamente O Senador do Povo Capi 401 e a Deputada Sempre + Votada Janete 4040 Vamos as ruas repudiar tudo isso.Vamos a Luta.

  • Estarei lá de uma outra forma, pois minha massa humana está aqui e meu Espirito de luta estará junto a todos que tem o mesmo objetivo. Vamos que vamos o STF vai devolver nosso direito.

  • Nossa! Já tá na hora de virar o disco e mudar essa mesma conversa de sempre… Ah, porque o Sarney tirou “não sei o quê de não sei quem”… Que o Capi foi cassado por obra do Sarney e “não sei o que lá…” Péra aí! O Sarney tá lá porque? Será que não foi o “povo do Amapá” quem votou nele? Se o Capi é tão “bom de boca” assim, por que não disputou com ele a última eleição pro Senado? (lembrem-se que na última eleição só renovava um terço – traduzindo: uma vaga apenas), será que era medo de levar uma “lavada”?
    Agora, não sei se a maioria dos que aqui comentam sabem, mas a dona do blog eu tenho certeza que sim; é que nas eleições de 1998, quando o Capi (então governador candidato a reeleição), teve a sua candidatura barrada pelo TRE-AP, ele recorreu ao Sarney para tentar mudar o resultado no TSE. “coincidentemente” quem acabou deferindo a sua candidatura liminarmente foi , então, ministro Ilmar Galvão, colocado no STF por Sarney…
    No mais, do jeito que o povo fala por aqui, então não era nem pra ter “Lei da ficha limpa” nem seque fiscalização nas eleições. Pra que? Deixa o povo votar… é ele é quem escolhe! Quer comprar/vender voto, então? Deixa… o voto é meu eu faço o que quiser… Viram que não é por aí?
    O coitadinho do Capi não foi cassado desta vez, apenas não pode se candidatar porque não atendeu aos requisitos da Lei. E quem votou nele sabendo que estava votando em ficha suja é quem “jogou fora” o seu voto!

      • Perda de memória quem tem é você, pois naquelas eleições nem precisou o Sarney dar uma lavada no capiroto já que o próprio Waldez se encarregou de fazer isso; ou vc se esqueceu que o seu candidato Capi concorreu ao governo e o WG ganhou no primeiro turno? Ah, vc deve estar alegando: o WG usou a “máquina” para a reeleição! Ué, mas o Capi também não fez isso quando era governador? (só não ganhou no primeiro turno…), Não usou a “máquina” do estado para eleger o João (ninguém) 40 (ou seria 51?), naquela (inacreditável) eleição que o bailique decidiu? A Cristina Almeida de hoje é apenas (mais um) “fantoche” dos capiberibes, até que um outro herdeiro (legítimo) seu, alcance a idade para se candidatar, quando então estará abandondada à própria sorte…
        Agora, concordo com vc neste ponto: Tomara que o capiroto concorra ao Senado contra o Sarney nas próximas eleições, só pra botar a limpo essa história de que ele se autoproclama: “maior liderança política do Amapá”. Só não acredito que tenha coragem! Esperamos pra ver…

    • Pensar que Capi perderia de lavada para o Sarney no minimo é perda de memoria, não lembra mais que quem fez Sarney pela unica vez ter que abandonar a capanha de sua filha no maranhão para fazer sua campanha aqui que estava ameaçada pela caloura na politica na época Cristina Almeida apresentada ao Povo por Capi, ora cidadão se fosse o Capi candidato a Senador contra Sarney quem teria levado uma surra seria o Sarney, pois a Cristina fez o velho coronel ter que andar e gastar, mentir adoidado com suas poupudas promessas que até agora o Amapa so recebeu migalhas, por pouco ele não ficou sem mandato o que certamente recorreria para o tapetão como fez no maranhã para colocar a filha no lugar do candidato eleito pelo Povo, acusamos com propriedade o Sarney porque ele sempre recorre ao tapetão, mas se por um acaso Capi não for para o Senado agora vamos começar desde agora a campanha para a proxima eleição e que o Sarney esteja vivo e seja o candidato para concorrer com o nosso Capi e ai vamo mostrar quem vai sair daqui com a lavada, mesmo que ele recorra novamente ao tapetão e ganhe nas urnas ele perde. quer apostar?

      • Vejam que excelente (e lúcido) post do Corrêa Neto:
        Aloprados do PSB estão atirando nos próprios pés
        Tenho conversado com pessoas equilibradas e inteligentes, ouvindo de todas elas exatamente a mesma coisa que me causa preocupação: o que está acontecendo com o grupo, ou pelo menos com uma parte expressiva do grupo que vai assumir o poder dentro de oito dias? De onde saiu essa crise de intolerância burra, diga-se de passagem, que não consegue alcançar um fato: estão ciscando para fora, desagregando, e atingindo gente que pode ser muito, mas muito importante na execução de um projeto que tenha, de verdade, a intenção de resgatar o Amapá da tragédia que viveu nos últimos anos. Pensam o quê? Que podem governar sozinhos?

        No final da semana passada, militantes do PSB se postaram na entrada do Teatro das Bacabeiras, durante a cerimônia de diplomação dos eleitos, e agrediram quem passava por lá, inclusive aliados aceitos de muito bom grado, e que ajudaram o partido a ganhar a eleição.

        A professora Marcivânia Flexa, parceira do primeiro momento, foi vaiada na entrada e dentro do Teatro, quando chamada para receber o diploma, porque o TSE, e não ela, manteve a inelegibilidade da deputada Janete Capiberibe.

        O senador Randolfe Rodrigues e o suplente dele, vereador Clécio Luiz, foram chamados de “traidores” porque, rejeitados pelo PSB fizeram uma aliança informal com o PTB de Lucas Barreto, – coisa que o PSB tentou fazer, formalmente, e não conseguiu – levando Randolfe a se eleger com 203.259 votos.

        A deputada Dalva Figueiredo, que entrou no segundo turno, mas deu uma contribuição expressiva para virar a tendência do eleitorado do Jarí, sofreu dois vexames: na frente do Teatro os manifestantes gritavam: “a Dalva, foi o Capi que fez”.

        No meio da semana, um jornal de nome Folha do Estado, que tem no quadro de redatores Heverson Castro e Luciana Capiberibe, bateu pesado na deputada, na presidente do PT, Nilza Amaral e Ana Dalva, indicada para um cargo no governo que assume no dia 31, reportando-se à questão da AFAP. Marcivânia Flexa reagiu às vaias com elegância: disse que sua diplomação era decorrente de um fato lamentável do qual não tinha culpa, e prometeu dar continuidade ao trabalho desenvolvido pela deputada Janete. Dalva Figueiredo ficou calada, mas seus seguidores estão furiosos, e não é pra menos.

        O senador Randolfe Rodrigues e o vereador Clécio Luiz, ambos do PSOL, se fizeram presentes, e falaram durante o ato em defesa dos mandatos do senador João Capiberibe e da deputada Janete Capiberibe, e em protesto contra a influência de políticos em decisões judiciais, organizado pelo PSB.

        Quem articula as agressões não tem presente que, mantido o quadro atual, Camilo Capiberibe só vai poder contar, no Senado, com o apoio de Randolfe, que já disse isso, e na Câmara Federal terá Dalva e Marcivânia como elos com o PT, o partido no poder. Então? Dá para perceber o que esses aloprados estão fazendo?

        E finalizando: a direita corrupta brasileira, não a ideológica, costuma pagar alguém para fazer o trabalho sujo. Durante anos fizeram isso, se escondendo atrás dos sabujos muito bem pagos. Quando questionados faziam cara de inocentes e diziam que não sabiam de nada, ou ainda, que não tinham controle sobre eles. Evidentemente eles subestimavam nossa inteligência. Demorou, mas nós os derrubamos porque a mentira não é eterna.

        Que não estejam fazendo escola.

        Corrêa Neto

  • Aloprados do PSB estão atirando nos próprios pés
    Tenho conversado com pessoas equilibradas e inteligentes, ouvindo de todas elas exatamente a mesma coisa que me causa preocupação: o que está acontecendo com o grupo, ou pelo menos com uma parte expressiva do grupo que vai assumir o poder dentro de oito dias? De onde saiu essa crise de intolerância burra, diga-se de passagem, que não consegue alcançar um fato: estão ciscando para fora, desagregando, e atingindo gente que pode ser muito, mas muito importante na execução de um projeto que tenha, de verdade, a intenção de resgatar o Amapá da tragédia que viveu nos últimos anos. Pensam o quê? Que podem governar sozinhos?

    No final da semana passada, militantes do PSB se postaram na entrada do Teatro das Bacabeiras, durante a cerimônia de diplomação dos eleitos, e agrediram quem passava por lá, inclusive aliados aceitos de muito bom grado, e que ajudaram o partido a ganhar a eleição.

    A professora Marcivânia Flexa, parceira do primeiro momento, foi vaiada na entrada e dentro do Teatro, quando chamada para receber o diploma, porque o TSE, e não ela, manteve a inelegibilidade da deputada Janete Capiberibe.

    O senador Randolfe Rodrigues e o suplente dele, vereador Clécio Luiz, foram chamados de “traidores” porque, rejeitados pelo PSB fizeram uma aliança informal com o PTB de Lucas Barreto, – coisa que o PSB tentou fazer, formalmente, e não conseguiu – levando Randolfe a se eleger com 203.259 votos.

    A deputada Dalva Figueiredo, que entrou no segundo turno, mas deu uma contribuição expressiva para virar a tendência do eleitorado do Jarí, sofreu dois vexames: na frente do Teatro os manifestantes gritavam: “a Dalva, foi o Capi que fez”.

    No meio da semana, um jornal de nome Folha do Estado, que tem no quadro de redatores Heverson Castro e Luciana Capiberibe, bateu pesado na deputada, na presidente do PT, Nilza Amaral e Ana Dalva, indicada para um cargo no governo que assume no dia 31, reportando-se à questão da AFAP. Marcivânia Flexa reagiu às vaias com elegância: disse que sua diplomação era decorrente de um fato lamentável do qual não tinha culpa, e prometeu dar continuidade ao trabalho desenvolvido pela deputada Janete. Dalva Figueiredo ficou calada, mas seus seguidores estão furiosos, e não é pra menos.

    O senador Randolfe Rodrigues e o vereador Clécio Luiz, ambos do PSOL, se fizeram presentes, e falaram durante o ato em defesa dos mandatos do senador João Capiberibe e da deputada Janete Capiberibe, e em protesto contra a influência de políticos em decisões judiciais, organizado pelo PSB.

    Quem articula as agressões não tem presente que, mantido o quadro atual, Camilo Capiberibe só vai poder contar, no Senado, com o apoio de Randolfe, que já disse isso, e na Câmara Federal terá Dalva e Marcivânia como elos com o PT, o partido no poder. Então? Dá para perceber o que esses aloprados estão fazendo?

    E finalizando: a direita corrupta brasileira, não a ideológica, costuma pagar alguém para fazer o trabalho sujo. Durante anos fizeram isso, se escondendo atrás dos sabujos muito bem pagos. Quando questionados faziam cara de inocentes e diziam que não sabiam de nada, ou ainda, que não tinham controle sobre eles. Evidentemente eles subestimavam nossa inteligência. Demorou, mas nós os derrubamos porque a mentira não é eterna.

    Que não estejam fazendo escola.

    Corrêa Neto

  • Putz, o PSB tem que parar de fazer doce e pegar seus 06 (seis!) Governadores eleitos e seus demais quadros e sentar o pé em Bsl. Tá mais que na cara que a decisão foi mais política do que outra coisa, se ficarem engolindo moscas irão ter de esperar mais 04 anos. Quero saber o que o PMDB tem para oferecer a mais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.