Após intermediação do MP, Caesa retomará as obras do PAC

Mais de dez dias após o envio do Termo de Ajuste de Proposta encaminhado pela Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa) à Prefeitura de Macapá, referente a retomada das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em Macapá, somente nesta quarta-feira, 8, o município apresentou resposta ao documento, durante uma audiência realizada na sede do Ministério Público Estadual (MPE).
Embora o governo, por meio da Caesa, tenha enviado no último dia 27 a referida proposta, a Secretaria Municipal de Obras, buscando uma solução técnica para a retomada das obras de água e esgoto, o secretário de Obras de Macapá, Carlos Aragão e o secretário de gabinete, Alberto Góes, alegaram que a prefeitura ainda vinha preparando a proposta do município e que o documento apresentado pronto audiência, seria enviado ao governo.
Durante a audiência, presidida pela procuradora geral do MPE, Ivana Cei, com a participação de representantes do governo do Estado, Prefeitura de Macapá, Caixa Econômica Federal e Conselho Regional de Engenharia no Amapá, empresas construtoras do Estado e prefeitura conseguiram chegar a um entendimento que vai permitir a Caesa retomar as obras.
Pelo acordo, a Companhia de Água e Esgoto do Amapá terá de enviar um cronograma de execução dos serviços à prefeitura e, de 15 em 15 dias, serão realizadas reuniões de avaliação dos serviços. Ainda no início da audiência, a procuradora Ivana Cei chamou de absurdo a paralisação das obras.
Já o presidente da Caesa, Ruy Smith, alertou para o risco do Estado perder os recursos em razão da paralisação, lembrando que a Companhia já havia feito um acordo com a Secretaria Municipal de Obras poucos dias antes do prefeito realizar a interdição.
A representante da Caixa Econômica, Silmar Castillo, confirmou o risco da perda de recursos, afirmando que após determinado período de atraso nas obras, o convênio é cancelado e os recursos são devolvidos pelo Estado. Na audiência, o MP também intermediou a liberação de alvarás por parte da prefeitura para que o Estado possa realizar as obras do PAC/Habitação.
Representantes da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf), que também estiveram no encontro, afirmaram que o governo vem enfrentando dificuldades na obtenção desses alvarás e, portanto, no começo das obras.
Domiciano Gomes/Caesa

  • Com essas brigas todas quem perde com isso e o povo logico o mais carente que nao se quer tem oportunidade de tomar banho de chuveiro afinal de contas sao obras federais a do PAC obra essa de grande importancia para o amapa.

  • Exige que se faça direito, porem parar a obra é burrice e briga de garotos mimados. RG, você está pegando corda de marqueteiro e perdendo pontos com isso.

  • As obras precisam continuar, mas fiscalizar os serviços também é importante. Esta empresa que veio de fora está apenas preocupada em pegar a grana dela e sair fora. Exemplo disso está na General Rondon próximo a Chico Noé. A vala que ela abriu para enterrar os tubos e fechou com asfalto, não teve uma emenda bem feita, pois dias após a “entrega dos serviços” abriram-se enormes buracos que estão dificultando o tráfego nesta rua principal de escoamento da Zona Norte.
    Rui Smith sei que você é uma pessoa de responsabilidade, portanto exija um serviços de qualidade. Um serviço que não traga consequências piores a população, pois buracos já temos o suficiente obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *