Aos companheiros do PT

Por Lourival Freitas

Considerações sobre as alianças no Amapá (2010)

Quando, no início de 2006, o PT decidiu participar do governo Waldez (PDT), escrevi minha opinião e enviei para vários companheiros no Amapá.

A participação no governo, ocupando alguns espaços nas secretarias e principalmente na CEA, significava tacitamente um apoio à reeleição do Waldez.

Aquela situação nos engessava e nos impedia de seguir outro rumo caso não fosse possível uma coligação formal com o PDT, devido as restrições da legislação eleitoral (verticalização). O meu temor era que o PT ficasse sem alternativa e tivesse que, de última hora, improvisar uma candidatura ou disputar apenas as eleições proporcionais.

De fato o PDT lançou Cristovam Buarque como candidato a presidente, portanto inviabilizando a coligação com PT, pois Lula era o nosso candidato.

Aconteceu pior do que eu temia. O PT, impedido de coligar com o PDT, mas já tendo o compromisso de apoiar o Waldez, resolveu de forma magistral lançar um candidato laranja chamado Erroflyn. Nem o verdadeiro astro conseguiria convencer a população da seriedade da sua candidatura. Ele fingia que era candidato enquanto a direção do partido e os ocupantes de cargos no governo, participavam dos eventos da campanha do Waldez.

O Erroflyn é o símbolo do papel secundário e subalterno que o PT começou a desempenhar desde a eleição de 2006.

É incompreensível que depois de elegermos os prefeitos de Macapá, Santana e Serra do Navio, em 2004, e ocuparmos um espaço importante na política local e nacional, fossemos obrigados a aceitar uma rendição do PT aos interesses pessoais de alguns mandatários que pensando no imediatismo de seus mandatos, condenaram o partido a um papel auxiliar dos interesses do PDT, comprometendo o futuro do Partido.

Este fato é a demonstração clara que passou a vigorar a lógica do salve-se quem puder, e como puder. Os interesses coletivos e partidários ficaram submetidos aos interesses individuais que, utilizando-se dos espaços no governo trabalharam apenas para a obtenção de um mandato, desvinculado de qualquer projeto coletivo e partidário. De fato, em 2006 reduzimos a nossa bancada a apenas um deputado estadual e uma deputada federal.

O desempenho pífio da candidatura do PT (Dalva) na eleição municipal de 2008, grande parte é reflexo do efeito Erroflyn. Muitas vezes fui questionado se a Dalva não seria o Erroflyn II. Será que ela não vai desistir para apoiar o Roberto? Se todos fazem parte do governo só podem estar fingindo ser candidatos, mas no final estarão todos do mesmo lado.

Na realidade o que a população percebeu era que o governo tinha 4 candidatos. O Roberto Góes era o principal e os demais coadjuvantes.

Como a eleição em Macapá historicamente sempre é polarizada entre um candidato do governo e um da oposição, o resultado não poderia ser diferente: o candidato Camilo Capiberibe, do PSB, disputou o segundo turno contra o candidato do governo Roberto Góes.

O apoio do PT ao candidato do governo, Roberto Góes, no segundo turno, só confirmou aquilo que a população já desconfiava, mostrou a impotência do PT e escancarou a nossa submissão a um projeto de poder dos deputados que comandam a Assembléia Legislativa do Estado.

Mesmo perdendo a prefeitura da capital, o PT ainda tem força em Santana, a segunda maior cidade do Estado, Serra do Navio e Ferreira Gomes. Este capital político não pode estar a serviço da reedição do papel lamentável que desempenhamos em 2006 e em 2008. Ou reagíamos agora ou estaremos condenados a ver um novo Erroflynn ( O retorno ) em 2010.

Participando de um bloco de aliança com o PDT e PP, ao PT estará reservado um papel subalterno na política local. Parece que nos contentamos apenas com os cargos que ocupamos na máquina estatal como se isto fosse a garantia de reeleger nossos dois parlamentares (Dalva e Joel).  Não temos nenhuma referência de política pública que possamos demonstrar ao eleitorado como uma marca de nossa administração. Ao contrário, as referências que se fazem às administrações petistas são negativas.

A nossa política de aliança neste ano de 2010, não pode e não deve,  se resumir a um ato de desespero para salvar os dois únicos mandatos parlamentares que nos restam. Sei que é cômodo para os detentores de mandatos parlamentares, ficarem quietos com os seus espaços no governo e apoiar o candidato que nos dá esta benesse. É tudo que nos resta?

Acredito que ainda temos força para buscar uma alternativa. Não acredito que nossos dirigentes estejam satisfeitos com a avaliação que se faz deste governo e com o resultado do nosso próprio trabalho participando desta administração. Quais os resultados que temos para mostrar para a população que justifiquem defender a continuidade deste governo?

Se quisermos recuperar o espaço e a importância política que já tivemos no Amapá, é preciso acreditar na nossa potencialidade, deixar de lado os ressentimentos e a tolice, e saber negociar com independência e altivez um papel mais digno e condizente com a nossa força e trajetória política, baseado num programa de desenvolvimento para o Amapá.

Brasília, 27 de abril de 2010.

LOURIVAL FREITAS

  • Abragente, lúcida e realista essa avaliação políto-eleitoral e conjuntural do ex-deputado federal Lourival Freitas. O PT na era Waldez passou a ser um simples espectador e coadjuvante nas disputas por espaço de participação na sociedade. Dalva Figueiredo conduziu seu partido para o colo do governo 12 para simplesmente salvar o seu mandato, tirando toda a oxigenação da disputa saudável que solidifica e dá musculatura às siglas partidárias.

    O PT possui o presidente com o maior índice de popularidade de toda a história do Brasil e nessas bandas seus dirigentes mais influentes ficam se engalfinhnado pelo cargo de vice, relegando a um 2º plano qualquer disputa ao cargo majoritário.

    Dalva Figuereido tem uma visão muita estreita sobre o papel de um partido na sociedade e nas lutas pela melhoria da vida do povo. Prá ela o PT é apenas mais uma extensão do seu mandato e um instrumento de manipulação para a capitulação com os partidos que estão no poder. A aliança com o PDT foi desatrosa para sua organização partidária e queimou o partido junto à população.

  • E vai encolher sua representação em Brasilia e em todo Brasil. Vai ser taca de norte a sul.pt NUNCA MAIS… Vão pedrir votos pro pessoal dos neo-aliados…

  • Ainda existe alguém com bom senso no PT!!!Acontece que os petistas tucujus de alto cuturno se acostumaram com as benesses do poder e esqueceram como se faz campanha sem dinheiro. O Lourival sempre teve uma postura realmente de esquerda dentro do PT e seu prestígio com Lula faz com q ele não precise do GEA, já os outros(com mandato), conquistaram seus mandatos com o uso da máquina pública(diga-se CEA, DETRAN, entre outros). E depois que descobriram essa fórmula mágica de ganhar eleição, são capazes de vender até a alma para manterem seus espaços de poder(pasto para o gado). Que saudade do tempo em que a prof Dalva (trajando calça jeans surrada e camisetas da cut com as golas esgaçadas)tirava professores de sala de aula para participar das manifestações contra o Barcellos. Hoje ela deve ter deletado essas lembranças, e como diz o Dicró: “Se fui pobre nem me lembro!”. Falei.

  • ontem o nogueira passou o dia andando com a janete aqui em santana, pedindo voto…. Pelo visto o PT agora não vai ter nenhum parlamentar no poder.

  • ontem o nogueira passou o dia todo aqui no meu bairro em santana pedindo voto, não tá nem um pouco se importando com a companheira Dalva, pois passou o tempo todo com a janete antipática capiberibe à tiracolo . Pelo jeito ele também só tá olhando para o próprio umbigo desse jeito o PT não nai ter é nenhum lugar mais no legislativo, o último que lhe restava era o da companheira Dalva, conseguido à duras penas com todo mundo se juntando e até o Lula pedindo voto pra ela, imagine agora com a outra pra atrapalhar.

    • É mentira. Eu não acredito que a deputada Janete se aproximou desse político corrupto comprovado que deu carteira de motorista aos milhares para se eleger deputado. De tabela, colaborou com a morte de um monte de gente no trânsito. Janete é ética e ilibada e não se ajuntaria com gente assim.

  • A carta do companheiro Lourival pode até em alguns trechos apresentar lucides, porém é muito fácil só ficar ocupando cargo federal na Eletrobras e Eletronorte e não participar das discurssões politicas no Partido aqui no Estado, e querer só articular dentro da Executiva Nacional com o José Dirceu.

    • O companheiro Luizinho critica o Lourival, mas ele também dificilmente pega num microfone nas plenárias do PT, ultimamente anda meio sumido das reuniões.

      Outra coisa, ele critica o Zé Dirceu, mas ele rompeu com o Joel Banha para se abraçar com quem? Com a Dalva Figueiredo, a embaixadora do Zé Dirceu no Amapá.

      Perai! Vamos parar com esse discurso vazio, os dalvistas e neodalvistas não tem discurso e argumento contra o Lourival e ficam fazendo esse debate rasteiros.

      Cadê os argumentos Luiznho? Contra os fatos e a verdade não há como ter defesa, resta só a cambada de carguistas atacar o companheiro LourivAL, um companheiro que é formador de opinião e tem posição política definida.

    • Ataque os meus argumentos.Para participar não é preciso estar presente. O meu texto é a minha contribuição. É pecado estar trabalhando na Eletrobrás ou na Eletronorte ou qualquer outro órgão do governo federal???

    • Lourival, você sabe do respeito que tenho por você, já externei durante vários momentos de conversa. Mas vejo agora a mesma situação que acontecia com a “tentativa” inicial de o Wagner Gomes ser candidato ao senado, depois de vice. Quando conversei com você (em macapá e brasília) disse que não era correto tentar fazer debate midiático, as coisas no PT não acontecem dessa forma. Lembro ainda, que você concordou comigo e havia falado com ele sobre isso.

      Continuo admirando você, mas teria orgulho em debater isso internamente com você, ação que de fato fortalece o partido, muito melhor do que termos que debater através de blogs (não desmerecendo a blogueira que não me conhece, mas faz parte da minha leitura diária).

  • “Em defesa do PT, da democracia e do prefeito Nogueira”. Esse é o título da carta distribuida pelo PT e divulgada pelo blog da Luciana Capiberibe. Nessa carta o PT chama o Nogueira de político com idéias novas. Verdade. é o primeiro que teve a idéia de comprar mandato só dando carteira de motorista. Para o PT, democracia é defender um corrupto como o prefeito deles. Dá um tempo, cambada.

    • Aí Marcelo, matou a pau!! Quem não mente não pode ser contestado! No Amapá, ele inovou mesmo! Idéias novas… Valha-nos Deus!

    • Outra menina que nem se presta em ler a história, vc já ouviu falar que o Barcellos enfiou um montão de gente pela janela na época que ele era governador e o Lourival era deputado, esse é debate ético caro para algumas pessoas. Alguns tem medo e se escondem, não falam o que aconteceu para que acontecesse esse caso dos 1050.

  • O Lourival fez uma bela explanação apresentando fatos, em nenhum momento ofendeu a quem quer que seja. O Vereador Luizinho, pessoa pela qual tenho muito carinho, foi deselegante ao não debater idéias e se prender a tentar desqualificar a pessoa do Lourival sobre este debate tão importante para o destino do Estado. abraço a todos!! Jucicleber

  • Lourival o texto é muito pouco como contibuição concordo c o Luisinho, não dá pra ficar dai dando a formula, assim a militância não valoriza o que vc pensa, o PT|AP cresceu muito , tanto q as pessoas já perguntam quem é esse Lourival. para contribuir de fato vc teria que mandar a carta para a executiva,não divulga-la na imprensa como quem quer dar um ralho, as coisas aqui se dão no dia adia. não é pecado estar na Eletrobrás, é pecado estar ai e não participar das discussões das muitas vezes que vc vem aqui. As vezes não se trata do que esta escrito mas de quem está escrevendo. a forma cm vc fez não contribui muito.restabeleça seu espaço c a militância ai sim vc será plenamente ouvido e reconhecido.Saudações!

      • Sangra é a ser acusado de uma coisa que eu não tenho nenhuma responsabilidade. Não tenho e nunca tive no Amapá a responsabilidade de contrar e muito menos demitir. Se houve irregularidade na contração de funcionários a culpa deve ser atribuida a quem tinha responsabilidade por tal ato. Coube ao TCU e à justiça se pronunciarem sobre tais fatos. Se tava tudo ok por que até hoje a situação não foi regularizada????? Não me culpe pela safadeza, pilantragem de quem quer que seja.

        • Isso mesmo Lourival. Responda. Vc nao pode e nem deve carregar essa culpa. Nao foi vc que praticou as irregularidades. Conheço bem esse processo

    • Querida companheira Kátia,
      Acho que vc gostaria de cantar aquela música do Roberto pra mim:
      Cartas já não adiantam mais,
      Quero ouvir a sua voz
      Vou telefonar dizendo
      Que eu estou quase morrendo de saudade de você…….
      Eu também amo muito vocês e sinto muita saudade, mas ainda não tenho o dom da onipresença. Eu estou aqui em Brasilia e isto não me impede de dar minha opinião. Você pode concordar ou não. A gente não deixar de sentir saudades por isso.
      Beijo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.